Ser Vegano: tudo que você precisa saber sobre Veganismo
As melhores do Awebic

Ser Vegano: tudo que você precisa saber sobre Veganismo

Quantos veganos você conhece?

E vegetarianos?

Se a resposta para as duas perguntas foi zero, eu aposto que em breve você conhecerá (ou descobrirá) um amigo vegano ou vegetariano.

A minha aposta não é à toa.

Está cada vez mais comum encontrarmos pessoas adeptas ao estilo de vida vegano — hoje em dia estima-se que cerca de 5 milhões de brasileiros sejam veganos.

Em 2012, o IBOPE apontou que cerca de 8% da população brasileira era adepta ao vegetarianismo. Se na época o número representava 15 milhões de vegetarianos no Brasil, hoje o grupo deve estar muito maior.

Ok…

Mas o que significa ser vegano? Qual é a diferença para o vegetariano? Vegano come ovo? Quando surgiu esse movimento?!

vegano-capa-duvidas-respondidas (1)

Vamos com calma.

Nos próximos parágrafos você vai descobrir a resposta para essa e tantas outras perguntas sobre o movimento a respeito dos direitos animais e ambientais.

  1. O que é ser vegano (vegan)?
  2. Como isso tudo começou? Quem “inventou” essa ideologia?
  3. Vegano ou vegetariano? Como eu sei quem é quem?
  4. Os tipos de vegetarianos hoje em dia
  5. Então… O que um vegano come? Existe churrasco vegano?!
  6. 18 fontes de proteínas para veganos e vegetarianos
  7. 6 receitas veganas para deixar qualquer um com água na boca
  8. Como montar um cardápio (dieta) vegetariano ou vegano
  9. É caro ser vegano?
  10. Mapa vegano: onde estão os restaurantes vegetarianos
  11. Moda vegana: 14 marcas de roupas livres do sofrimento animal
  12. Fatos e números: a motivação vegana
  13. Veganos famosos: quem são as celebridades que apoiam o veganismo?
  14. 5 influenciadores digitais veganos para seguir e acompanhar o movimento
  15. 27 documentários e filmes veganos: a maneira mais fácil de conhecer mais sobre o movimento
  16. Quero virar vegano, e agora?

***

O que é ser vegano (vegan)?

Os veganos são pessoas que buscam acabar com todas as formas de exploração contra animais.

vegano

Portanto, o veganismo é um movimento que visa promover os direitos e o bem-estar dos animais. O boicote a práticas que ferem esses princípios é uma das principais ações dos veganos.

Mas não se deixe confundir. Existem muitos tipos de veganos, como os junk food vegans e os raw food vegans, por exemplo. O primeiro grupo consome pratos fritos, empanados ou elaborados com carne de soja, enquanto o segundo consome apenas comida crua.

Porém, uma coisa que une todos os veganos é a dieta estritamente à base de vegetais, livre de todos os alimentos de origem animal, como carne, laticínios, ovos e mel. Ainda, os veganos também não consomem produtos como o couro e qualquer outro testado em animais.

Segundo The Vegan Society:

“O veganismo é uma filosofia de vida que busca excluir, na medida do possível e do praticável, todas as formas de exploração e crueldade com os animais, para alimentação, vestuário ou qualquer outra finalidade; e por extensão, promove o desenvolvimento e o uso de alternativas livres de abuso animal para o benefício humano, animal e ambiental. Em termos alimentares, denota a prática de dispensar todos os produtos derivados total ou parcialmente de animais.”

veganismo

Em outras palavras, o veganismo é o movimento que busca libertar animais em todas as frentes possíveis, não só de mercado e alimentação, mas também de trabalho forçado e entretenimento.

Como isso tudo começou? Quem “inventou” essa ideologia?

A Sociedade Vegana (The Vegan Society) foi criada há mais de 70 anos, mas o veganismo como prática existe há muito mais tempo. Segundo a própria Sociedade, existem evidências de pessoas escolhendo evitar produtos animais há 2.000 anos.

O filósofo Pitágoras, por exemplo, também era conhecido por promover benevolência entre todas as espécies e seguiu o que poderia ser descrito como uma dieta vegetariana. O próprio Buda (Siddhārtha Gautama) discutia dietas vegetarianas com seus seguidores.

pitagoras-vegano

Na Grécia Antiga, Pitágoras já mostrava simpatia pela dieta vegetariana.

Numa data mais próxima de nós, em 1806, os primeiros conceitos sobre veganismo começaram tomar forma com Dr William Lambe e Percy Bysshe Shelley criticando publicamente o consumo de ovos e laticínio.

Vegano ou vegetariano? Como eu sei quem é quem?

Resumidamente, a diferença está no que é consumido por um e pelo outro.

Porém, se olharmos para o passado, a diferença entre vegano e vegetariano foi um marco histórico que motivou Donald Watson e outros cinco vegetarianos que não consumiam laticínios a criarem a Sociedade Vegana.

donald watson vegan

Donald Watson, um dos fundadores da Sociedade Vegana.

O grupo se reuniu após se desfiliarem da Sociedade Vegetariana (The Vegetarian Society) por diferenças ideológicas, e então ficou decidido que era preciso adotar um novo termo para definir a si próprios — afinal, eles não apenas não comiam carne como também não consumiam nenhum tipo de laticínio.

O termo “vegan” foi cunhado, contendo as três primeiras e as duas últimas letras de “vegetarian”. Nas palavras do próprio Watson, isso marcou “o início e o fim do vegetarianismo”.

A definição de veganismo foi evoluindo desde então.

O que começou como uma diferença básica da dieta vegetariana logo se tornou “o princípio de emancipação animal da exploração do nome” até ser esclarecida como “a busca do fim do uso de animais pelo homem para alimentação, commodities, trabalho, caça e por todos os outros usos envolvendo a exploração da vida animal pelo homem”.

Portanto, um vegano é um vegetariano por definição, mas um vegetariano não é necessariamente um vegano.

Na verdade, as ideias podem ficar um pouquinho mais complexas…

Os tipos de vegetarianos hoje em dia

A turma do Watson começou o movimento vegano há mais de 70 anos e, como você deve imaginar, o conceito evoluiu bastante até os dias atuais.

O portal vegano Vista-se afirma que os vegetarianos se dividem em quatro grupos principais:

  1. ovolactovegetarianos
  2. lactovegetarianos
  3. vegetarianos estritos
  4. veganos

tipos-grupos-vegetarianos

1. Ovolactovegetarianos

Este grupo não come nenhum tipo de carne (nem frango, porco, peixe ou frutos do mar), mas consome laticínios e ovos. É o tipo de vegetariano mais popular, embora ovos e laticínios não são, de fato, vegetarianos.

Quando alguém se declara vegetariano, na maioria das vezes pertence a este grupo. As motivações que levam uma pessoa a ser ovolactovegetariana variam, obviamente, mas quase sempre estão ligadas a compaixão com os animais.

Por isso, em muitos casos, é questão de tempo para ovolactovegetarianos se tornarem veganos.

2. Lactovegetarianos

Além de excluírem todo tipo de carne da dieta, os lactovegetarianos também não comem ovos. Segundo o Vista-se, frequentemente este tipo de vegetarianismo está ligado à razões religiosas, como acontece em grande número na Índia.

3. Vegetarianos estritos

Não consomem nenhum tipo de carne, laticínios ou ovos em sua alimentação.

4. Veganos

O veganismo é uma postura política, e não apenas uma dieta. Então, por motivações éticas, os veganos não consomem nada de origem animal em nenhuma área de suas vidas: alimentação, vestuário, espetáculos ou qualquer outro tipo de atividade que envolva sofrimento animal.

Para os veganos, é importante mostrar sua filosofia de vida às empresas, através de boicote a produtos e serviços obtidos com sofrimento de animais.

Em outras palavras, todo ingrediente ou insumo de origem animal ou ainda testados em animais são riscados da lista de compras veganas. Os produtos boicotados mais populares são couro (pele), gelatina (tendões e cartilagens), lã, mel e corantes como o “Carmim de Cohonilha / INS 120”.

Ainda entre os veganos existem os frugívoros, que só se alimentam de frutos, e os crudívoros, que só comem alimentos crus (muitas vezes germinados).

É bom destacar que os crudívoros não são necessariamente veganos, pois a motivação mais comum entre eles é a saúde e não é raro encontrar crudívoros que consomem mel e outros produtos de origem animal.

Então… O que um vegano come? Existe churrasco vegano?!

Para facilitar o entendimento do que o vegano come regularmente, veja abaixo a Pirâmide Alimentar Vegana.

piramide-alimentar-vegana

Grãos & Cereais

Comem em boa quantidade e escolhem principalmente grãos integrais. Bons exemplos são arroz marrom, cevada, quinoa, aveia, gérmen de trigo, centeio, milho e sementes. Massas, pães de grãos e cereais integrais também entram nesta categoria.

Legumes & Verduras

Comem grande variedade de vegetais e legumes coloridos. Incluem vegetais crus. Os vegetais verdes são excelentes fontes de folato, que atua na produção e manutenção das células.

Frutas

Frutas são ricas em vitaminas, sais minerais e fibras. Os veganos consomem alimentos que possuem Ferro juntamente com frutas ricas em Vitamina C para aumentar sua absorção.

Vegetais ricos em Cálcio

Folhas verde-escuras como brócolis, couve, repolho, nabiça fazem parte da dieta vegana para suprir a necessidade de Cálcio. Também encontramos Cálcio no melado de cana, hummus, tahine, leite de soja fortificado etc.

Feijões, Nozes & Leguminosas

Feijões, grão-de-bico, ervilha, fava, soja, lentilha, tremoço e cogumelos são alimentos ricos em Proteínas e Ferro. Leveduras são ricas em Complexo B que colabora para o metabolismo celular.

Ômega 3, Vitamina B12 & Vitamina D

A melhor fonte de Ômega 3 é o óleo de linhaça. Os veganos usam em saladas, batatas assadas, verduras e grãos. Procuram por alimentos fortificados de Vitamina B12. Tomam um pouco de Sol para obtenção de Vitamina D, como todas as pessoas.

E o churrasco?

Obviamente, o churrasco vegano não tem carne. Mas não é por isso que é menos saboroso que o churrasco tradicional.

A seguir estão três receitas de churrasco vegano para você entender que, com um pouco de criatividade, o vegano pode criar pratos deliciosos como qualquer pessoa.

Como fazer churrasco vegetariano, por VegetariRANGO:

Como fazer churrasco vegano, por Presunto Vegetariano:

Churrasco vegano, por Vaganagem:

Se tem uma coisa que combina com churrasco vegano, é cerveja vegana! ;-)

18 fontes de proteínas para veganos e vegetarianos

Mas e as proteínas? Como o vegano supre essa necessidade?!

fontes-veganas-proteinas

Esta é uma dúvida normal e recorrente não só por parte de quem está pensando em adotar o veganismo como também por aqueles que são curiosos quanto à dieta vegana.

O professor de Educação Física Diego Paladini, do canal Saúde na Rotina, fez um vídeo listando alimentos que são boas fontes proteicas para quem não come carne.

Assista:

Os alimentos citados e suas respectivas quantidades de proteína em aproximadamente 100g são:

  1. Batata grande (4g)
  2. Espinafre (3g)
  3. Lentilha (10g)
  4. Tofu (7,5g)
  5. Feijão (8g)
  6. Arroz (3 a 4g)
  7. Chia (16g)
  8. Gergelim (20g)
  9. Cacau em pó (20g)
  10. Amêndoa (21g)
  11. Pistache (20g)
  12. Castanha-de-caju (18g)
  13. Quinoa (4g)
  14. Leite de soja (6g)
  15. Ervilha (5 a 6g)
  16. Grão de bico (8 a 9g)
  17. Proteína de soja (92g)
  18. Goiaba (2g)

6 receitas veganas para deixar qualquer um com água na boca

Como você deve imaginar, a onda de canais no YouTube sobre culinária também chegou no mundo vegano. Existem inúmeros youtubers que se dedicam para produzir receitas veganas e/ou vegetarianas.

Se você está buscando canais deste tipo, três boas recomendações são o Presunto Vegetariano, o VegetariRANGO e o Panelaço. Aproveito para indicar seis receitas, duas de cada canal.

Receita de hambúrguer vegano:

Receita de panqueca vegana:

Receita de bolo vegano de cenoura:

Receita de strogonoff vegano de palmito e cogumelo:

Receita de moqueca vegana:

Receita de brigadeiro de banana:

Como montar um cardápio (dieta) vegetariano ou vegano

Apenas um nutricionista é capaz de produzir um cardápio (ou dieta) com base nas suas necessidades.

cardapio-vegano

No entanto, a Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB) publicou o “Guia Alimentar de Dietas Vegetarianas para Adultos” que pode servir como referência na hora de escolher o que um vegetariano ou vegano deve comer rotineiramente.

No artigo, a SVB se baseia na dieta de quase 2.000 kcal do Ministério da Saúde para distribuir as porções de alimento de acordo com a demanda nutricional de um ovolactovegetariano:

  • Cereais integrais: 6 porções
  • Feijões: 4,5 porções
  • Frutas: 3 porções
  • Legumes e verduras: 3 porções
  • Leite e derivados: 3 porções
  • Carne e ovos: 0
  • Óleos, gorduras e sementes oleaginosas: 1 porção
  • Açúcares e doces: 1 porção

Essa composição fornece 1.946 kcal, 65,5 g de proteína, 4.051 mg de lisina, 36,8 g de fibras, 979 mg de cálcio, 17,6 mg de ferro, 11,3 mg de zinco.

De acordo com a SVB, na dieta vegetariana estrita, a troca do leite de vaca por leite vegetal enriquecido com cálcio fornecerá o mesmo teor de cálcio do cardápio acima.

Em “Anexo 1 – Grupos Alimentares e suas Medidas Caseiras”, o guia alimentar expõe em tabela quanto representa cada porção para os diferentes grupos alimentares. Sugiro a leitura.

É caro ser vegano?

Os amantes da dieta vegetariana estão cansados de ouvir a pergunta sobre as proteínas. Outra pergunta bastante comum é sobre o custo do estilo de vida vegano.

Reflita comigo por um instante: qual é o local mais barato para se comprar comida de qualidade? Pois é, a feira.

E é justamente na feira onde está tudo que o vegetariano/vegano precisa para se alimentar diariamente. Grãos, cereais, legumes, verduras, frutas e leguminosas não são caros — principalmente quando você coloca a sua saúde como prioridade.

O VegetariRANGO tem um vídeo que fala sobre o assunto:

Assim como é mencionado no vídeo, alguns produtos podem ser relativamente mais caros que sua versão “normal” porque ainda não são produzidos em larga escala. Em outras palavras, não há incentivo governamental como em outras indústrias para deixar os preços mais acessíveis.

A “moda vegana” talvez seja onde o vegano pague mais caro comparado às outras pessoas. Por outro lado, as grifes de moda são itens de consumo tradicionalmente caros, então o vegano ou uma pessoa sem restrições pagam um preço premium da mesma forma.

Acompanhamento nutricional pode ser outro gasto relevante para incluir no orçamento de uma vida vegana, mas, de novo, se pararmos para pensar, todas as pessoas deveriam ter acompanhamento nutricional para uma alimentação mais equilibrada.

No fim das contas, se o veganismo é caro ou não, é relativo. Tudo vai depender de como você dá importância para cada um dos aspectos da sua vida.

Mapa vegano: onde estão os restaurantes vegetarianos

A melhor maneira para encontrar restaurantes vegetarianos/veganos que eu descobri é usando o Google Maps. Acesse o site no navegador ou por aplicativo e busque por “vegano” e/ou “vegetariano”.

Com isso o Google já vai entender o que você procura e exibirá no mapa os restaurantes e estabelecimentos mais próximos de você. Eu moro em São José dos Campos (SP) e fazendo essa busca na minha região, este foi o resultado:

Você pode fazer o mesmo para encontrar opções de restaurantes próximo de onde você está no momento. Perceba que nas buscas podem aparecer restaurantes que não são exclusivamente vegetarianos, mas que servem pratos vegetarianos.

Quem mora em São Paulo (capital) tem muito mais opções de lugares vegetarianos ou veganos para conhecer. Victor Sanches, idealizador do site rotaVEG, se dedica a listar todos os restaurantes veganos e opções veganas de São Paulo.

O resultado é o Mapa do Veganismo em São Paulo. Confira:

Neste mapa você encontra:

  • Restaurantes veganos (em verde)
  • Restaurantes vegetarianos com opções veganas (em amarelo)
  • Restaurantes onívoros com opções veganas (em roxo)
  • Bares, cafés e lanchonetes veganos ou com opções (em vermelho)
  • Pizzarias veganas ou com opções veganas (em vinho)
  • Sorveterias (em cinza)
  • Empórios, lanchonetes e lojas (em preto)

Para mais informações visite a lista completa no rotaVEG.

Moda vegana: 14 marcas de roupas livres do sofrimento animal

moda-vegana

O Hypeness fez uma seleção de marcas veganas para você que quer ficar por dentro da moda consciente. As roupas produzidas também são ecológicas e, muitas vezes, são feitas de maneira artesanal, sem fabricação de larga escala.

As marcas de roupas são:

Fatos e números: a motivação vegana

fatos-numeros-veganos-animais

Os veganos querem acabar com qualquer tipo sofrimento animal. É isto que os motivam a aceitar apenas insumos de origem vegetal, afinal, segundo o site Seja Vegano, os números são alarmantes:

  • 70 bilhões de animais terrestres são mortos anualmente para consumo humano
  • 181 animais são mortos pela pecuária brasileira por segundo durante 24 horas por dia
  • 70% das doenças modernas são de origem animal e grande parte delas ligadas à pecuária
  • 18% das emissões mundiais de gases do efeito estufa são causados pela pecuária

Para frear o avanço desses (e tantos outros) números, a The Vegan Society estabeleceu o Dia Mundial Vegano em 1994 sob o comando do então presidente Louise Wallis. A data ficou cravada no dia 1º de novembro para comemorar o aniversário da fundação da Sociedade Vegana, criada 50 anos antes.

Veganos famosos: quem são as celebridades que apoiam o veganismo?

É inegável: o aumento da popularidade do movimento vegano também se deu graças às celebridades que se mostraram veganas publicamente. O grau de exposição dessas pessoas — sejam músicos, atores ou empresários — jogou luz para um tema que não era tão popular assim 30 anos atrás.

famosos-brasileiros-veganos

O Wikipédia mantém uma lista de veganos famosos em português e inglês. Os nomes mais populares com fontes estão a seguir:

  • Luisa Mell (atriz e apresentadora)
  • Dado Dolabella (ator e cantor)
  • Casey Affleck (ator)
  • Fernanda Paes Leme (atriz)
  • Jennifer Connelly (atriz)
  • Yasmin Brunet (atriz e modelo)
  • Joaquin Phoenix (ator)
  • Natalie Portman (atriz)
  • Pamela Anderson (atriz)
  • Paulo Vilhena (ator)
  • Thaila Ayala (atriz)
  • Tobey Maguire (ator)
  • Woody Harrelson (ator)
  • Alice Walker (escritora)
  • Ariana Grande (cantora)
  • Chris Martin (cantor)
  • George Harrison (músico)
  • Jared Leto (músico e ator)
  • João Gordo (músico e apresentador)
  • Moby (músico)
  • Bill Clinton (político)

5 influenciadores digitais veganos para seguir e acompanhar o movimento

Se as celebridades tiveram papel fundamental para fazer com que o veganismo fosse discutido pela grande mídia, os influenciadores digitais veganos aproximam ainda mais o movimento de curiosos e simpatizantes.

A seguir separamos alguns perfis de influenciadores digitais no Instagram para acompanhar o veganismo mais de perto e ouvir experiências sobre como é ser vegano no dia-a-dia.

Juliana Moraco (@veganize_se)

TCC: ✔️ Mais uma etapa cumprida e chegamos mais perto da tão sonhada formatura. #VaiTerMédicaVeganaSim

Uma publicação compartilhada por Juliana Moraco (@veganize_se) em

Sheila Donato (@veganwayoflife)

Paixão Vegan (@paixaovegan_)

Primavera Vegana (@primaveravegana)

E por falar em festa junina, já está dando vontade de comer todas as delícias tradicionais dessa época do ano, né não? E a canjica de milho é uma que pra gente não pode faltar. Se você quer manter a sua receita #vegana e #deliciosa, é só fazê-la com leite de coco de verdade (caseiro ou @purifica.eco) ;) Olha aqui: 400g de milho branco seco 1 L de leite de coco @purifica.eco 1 colher de sopa de polvilho doce (ou amido de milho) 5 colheres de sopa de açúcar demerara orgânico 2 unidades de canela em pau 3 sementes de cardamomo pitada de sal 1 Deixe o milho para canjica de molho em água filtrada de uma noite para a outra. 2 Coloque o milho hidratado em uma panela de pressão com água até dois dedos acima do milho. Cozinhe por aproximadamente 40 minutos. 3 Escorra a água do milho cozido e acrescente o leite de coco caseiro e o polvilho doce. Mexa para dissolver o polvilho. Acrescente o resto dos ingredientes e cozinhe em fogo baixo por aproximadamente 10 minutos, ou até que a canjica fique cremosa e o milho bem cozido. 4 Para servir, salpique um pouco de canela em pó e adicione coco ralado ou amendoim torrado, se desejar. Receita da @experiencia.vegana Se você quer ver mais receitas por aqui, não esquece de dar uma curtida e dizer quais são suas comidinhas juninas preferidas, que você quer ver na nossa próxima edição comemorativa dia 25 de junho =)

Uma publicação compartilhada por Primavera Vegana (@primaveravegana) em

Mulheres Veganas (@mulheresveganas)

27 documentários e filmes veganos: a maneira mais fácil de conhecer mais sobre o movimento

Assistir filmes e documentários sobre o veganismo/vegetarianismo parece ser o primeiro passo mais natural para iniciar o processo de transformação. Se você quer saber mais sobre o tema ou está decidido que o veganismo é para você, passar horas assistindo aos filmes é a maneira mais fácil de aprender e conhecer os detalhes desta ideologia.

A lista abaixo conta com 27 títulos selecionados pelo portal Vista-se.

Cowspiracy: O Segredo da Sustentabilidade

Cowspiracy (“A Conspiração da Vaca”, em tradução livre) é um documentário sobre meio ambiente que segue o intrépido cineasta Kip Andersen à medida em que ele revela qual é a indústria mais destrutiva que o planeta enfrenta hoje – e investiga por que as principais organizações ambientalistas do mundo estão com muito medo de falar sobre isso.

Live and Let Live

Live and Let Live é um documentário que examina nossa relação com os animais. Traz também a história do veganismo e os motivos éticos, ambientais e de saúde que fazem com que as pessoas adotem o estilo de vida vegano.

Blackfish: Fúria Animal

Em 24 de fevereiro de 2010, a experiente treinadora Dawn Brancheau é atacada pela baleia orca com quem fazia um show no SeaWorld. O caso teve repercussão mundial e levantou questionamentos sobre as condições que os animais viviam em cativeiro e a segurança dos próprios treinadores ao dividirem a mesma piscina com eles durante os shows.

O documentário Blackfish – Fúria Animal investiga o histórico dos shows com baleias orca nos Estados Unidos, mostrando que acidentes deste tipo não são tão raros assim.

Troque a Faca pelo Garfo

Forks Over Knives (Troque a Faca pelo Garfo) é um documentário que aborda um dos grandes problemas da sociedade moderna: os graves problemas de saúde que afetam parte significativa da população causados por um cardápio de alimentos de origem animal.

Apesar da mais avançada tecnologia médica no mundo, nós estamos mais doentes do que nunca. Os casos de diabetes estão aumentando, sobretudo entre a nossa população mais jovem.

Cerca de 50% da população dos EUA toma, ao menos, um remédio receitado e as cirurgias de grande porte viraram rotina. Doença cardíaca, câncer e AVC são as três principais causas de morte no país, mesmo gastando-se bilhões anualmente para combatê-las.

Milhões sofrem de uma série de outras doenças degenerativas. Será que haveria uma solução única para todos esses problemas?

Terráqueos

Earthlings (Terráqueos) é um filme-documentário sobre a absoluta dependência da humanidade em relação aos animais (para estimação, alimentação, vestuário, diversão e desenvolvimento científico), mas também ilustra nosso completo desrespeito para com os assim chamados “provedores não-humanos”.

Este filme é narrado por Joaquin Phoenix (Gladiador) e possui trilha sonora composta pelo instrumentista, dj e compositor Moby.

Com um profundo estudo dentro das pet-shops, criatórios de filhotes e abrigos de animais, bem como em fazendas industriais, no comércio de couro e peles, indústria de esporte e entreterimento, e finalmente na carreira médica e científica, Terráqueos usa câmeras escondidas e filmagens inéditas para narrar as práticas diárias de algumas das maiores indústrias do mundo, as quais dependem de animais para lucrar.

Impactante, informativo e provocando reflexões, Terráqueos é de longe o mais completo documentário jamais produzido sobre a conexão entre natureza, animais, e interesses econômicos. Há vários filmes importantes sobre os direitos dos animais, mas este supera os demais.

A Enseada

The Cove (A Enseada) é um documentário que mostra um grupo de ativistas enfrenta perigos como a máfia japonesa, policiais e pescadores para chegar a uma pequena baía em Taiji, no sul do Japão, e assim conseguir registrar o extermínio sangrento de golfinhos, usados para vários fins, entre eles comida para as crianças nas escolas, sem que observem o nível de toxinas presentes nas carnes.

As cenas são reais e chocantes. Foi vencedor do Oscar em 2010 como melhor documentário.

As Almas na Nossa Máquina

Animais estão escondidos nas sombras de nosso mundo altamente mecanizado.The Ghosts In Our Machine (As Almas na Nossa Máquina) ilumina a vida de animais individuais vivendo dentro e de animais resgatados da máquina de nosso mundo moderno.

Através do coração e lentes da aclamada fotógrafa de animais Jo-Anne McArthur, nos tornamos intimamente familiares com os animais retratados.

Especismo, o filme

Dirigido pelo jovem cineasta norte-americano Mark Devries, o novo documentário “Especismo, o filme” é resultado da vontade de Mark de descobrir o que acontece com os animais para que cheguem às casas das pessoas aos pedaços. Ele decidiu sair de casa e investigar.

Entrevistou filósofos, advogados, escritores e diversas outras pessoas que pudessem esclarecer a ele sobre o tratamento dado aos animais considerados de consumo. O jovem diretor não foi bem recebido pelos empresário da pecuária e bateu de frente com os interesses da indústria.

Sobrevoando enormes e bizarras fazendas que mantém milhões de animais em cativeiro para exploração, Mark concluiu o óbvio: os animais estão sob ataque, assim como os judeus estiveram na época do nazismo.

O filme convida o telespectador a repensar seus hábitos e faz uma promessa: “Você nunca mais vai olhar para os animais do mesmo jeito. Especialmente os humanos.”

Além do Carnismo (Melanie Joy, Ted Talks)

Melanie Joy é professora de psicologia e sociologia na Universidade de Massachusetts, em Boston. Nesta apresentação impecável ela demonstra o que é “carnismo” e como somos condicionados a achar normal o consumo da carne e de outros derivados de certos animais.

Coragem Nativa

Charlie é o líder e a voz de um movimento conhecido por Bold Native (Coragem Nativa). Este movimento organizado está espalhado por todos os Estados Unidos e o seu objetivo é salvar o maior número de animais possível, visando um futuro onde os animais são tratados de forma justa e sem serem mera propriedade.

Charlie e os amigos são descritos pela midia como “terroristas”, terroristas estes que perturbam o bom funcionamento de milhares de matadouros, laboratórios em universidades, grandes multi-nacionais ou a indústria farmacêutica.

Randolph, o pai de Charlie, curiosamente presidente de uma multi-nacional que explora animais, vê-se envolvido no salvamento do seu filho assim que o FBI entra em contato com ele para descobrir o paradeiro do filho e o informa das ações ilegais dele.

A Carne é Fraca

Alguma vez você já pensou na trajetória de um bife antes de chegar ao seu prato? Nós pesquisamos isso para você e contamos neste documentário aquilo que não é divulgado.

Saiba os impactos que esse ato — de comer carne representa para a sua saúde, para os animais e para o planeta. Com depoimentos dos jornalistas Washington Novaes e Dagomir Marquezi, entre outros.

Fazendo a Conexão

Making The Connection (Fazendo a Conexão) é um documentário extremamente agradável e informativo. Desta vez – ao contrário dos documentários que mostram mortes de animais -, o foco são os benefícios do veganismo para os animais, para o meio ambiente e para a nossa saúde.

Muito Além do Peso

O filme fala sobre a epidemia de obesidade infantil causada por uma alimentação baseada em junk food. No documentário, vários especialistas debatem qual o caminho para mudar a atual situação da saúde infantil no mundo.

Crianças são apresentadas a vegetais que não conseguem nem identificar quais são, mas que deveriam fazer parte de seu dia a dia. Embora não seja um filme que fale sobre direitos animais, vale a pena.

O Olhar em Volta

O curta espanhol “La Mirada Circular” (O Olhar em Volta) trata dos Direitos dos Animais de uma forma original e brilhante, ao fazer a ligação entre a vulnerabilidade dos animais com a das crianças.

Escrito e dirigido por Ivan Sainz-Pardo, o curta foi gravado no norte da Espanha, na cidade de Gijón, em 2010.

Holocausto na Esteira

Dirigido por Ron Fricke, o documentário Samsara é um filme diferente, que reúne coisas impressionantes do nosso mundo sem dizer uma só palavra. Todo o documentário foi filmado em 70mm, traz imagens estonteantes e aborda diversos assuntos. De danças e rituais desconhecidos à reflexões sobre como tratamos os outros seres deste mundo e sobre como isso volta para nós.

O trecho que você vai assiste acima, que chamamos de Holocausto na Esteira (Linha de Desmontagem) mostra o holocausto animal sob um novo olhar, mostrando que não são só os animais não humanos que são as vítimas. Trabalhadores em condições degradantes e epidemias de obesidade mostram que também somos vítimas daquilo que criamos. Samsara foi filmado em 25 países – inclusive no Brasil – e levou mais de 5 anos para ficar pronto.

Pecuária e Meio Ambiente

O filme, de 6 minutos, foi produzido pela ONG Brighter Green, sediada em Nova Iorque, nos Estados Unidos, e mostra de forma transparente o peso que as exportações de carne, que tanto orgulham nosso governo, custam ao nosso país.

O Brasil tem grande parte de sua economia baseada na pecuária ou na agricultura que serve para a pecuária.

A primeira causa do desmatamento da Amazônia, como vemos no vídeo, é a criação de gado. A segunda, é a monocultura da soja, que é exportada para alimentar animais em confinamento em países europeus ou do oriente.

Da Fazenda ao Frigorífico

Nos próximos minutos, você terá uma visão da realidade que acontece por trás das portas fechadas de fazendas modernas, incubadoras e abatedouros – revelando o duro caminho que os animais percorrem da fazenda ao frigorífico.

Meat The Truth – Uma Verdade Mais Que Inconveniente

Meat The Truth – Uma Verdade Mais Que Inconveniente é um documentário produzido pela holandesa Marianne Thieme para falar sobre os problemas da pecuária que o documentário Uma Verdade Inconveniente, do ativista ambiental e ex-vice-presidente dos EUA Al Gore, não mostra.

Hoje em dia Al Gore é vegano.

Uma Vida Interligada

Um pequeno e excelente documentário educativo que apresenta importantes informações sobre questões éticas, ambientais, sustentabilidade e sociais dentro da temática do vegetarianismo e do consumo de produtos, que representa um assunto urgente e de vital importância para a sobrevivência de todo o planeta e da espécie humana, para o presente e o futuro. Não contém cenas fortes.

Behind The Mask

O filme é sobre ativistas dos direitos dos animais que invadem laboratórios e outras instalações que torturam animais para resgatar inocentes de uma prática antiga e cruel: a vivissecção. As ações são filmadas e fornecem imagens sobre o modo como os animais são tratados.

Behind The Mask inclui nomes conhecidos dentro do movimento dos direitos dos animais, alguns dos quais foram presos durante as ações diretas.

A história de Jill Phipps, que morreu quando caiu sob um caminhão enquanto protestava é contada, com sua mãe dizendo: “Eles nos chamam de terroristas, mas a realidade é que ao longo dos anos, quatro ativistas de direitos dos animais foram mortos durante os protestos.”

O Que Veio Antes?

Em “O que veio antes?”, Steve-O mostra 3 histórias incríveis de animais que, após tragédias naturais, conseguiram escapar de matadouros nos EUA e hoje vivem em um dos mais famosos abrigos para animais do mundo, o “Farm Sanctuary” (Fazenda Santuário).

Compaixão

O documentário australiano “Compaixão” nos leva a pensar sobre nossas atitudes diárias e, principalmente, sobre nossa relação com algumas espécies de animais. O filme reúne trechos de palestras de 2 grandes ativistas australianos.

Lisa, a Vegetariana

Lisa percebe que é errado comer animais depois de uma longa sessão com um filhote de ovelha em um zoológico local. Jurar nunca mais comer carne acaba sendo uma decisão controversa para Lisa, já que todos à sua volta parecem encorajar o consumo de carne.

Na escola, Lisa é obrigada a assistir um filme politicamente inclinado ao consumo de carne e no almoço come apenas o pão do cachorro-quente. Em casa, ela precisa tolerar os planos de Homer para uma festa com churrasco. Depois de brigar com a família por causa de sua crença, Lisa foge para o Kwik-E-Mart, onde ela descobre um espírito semelhante em Apu, que além de ser vegetariano convicto, não come ovos nem queijo.

Lisa também conhece dois outros vegetarianos, Paul e Linda McCartney, que explicam que além de ser importante manter suas convicções sobre o vegetarianismo, ela também deve tolerar a opção dos outros. Sabendo que Paul e Linda tem razão, Lisa faz as pazes com Homer e eles aceitam os pontos de vista um do outro.

Curiosidade: A condição para a participação dos McCartneys foi que Lisa continuasse sendo vegetariana nos episódios futuros.

A Engrenagem

A discussão sobre o veganismo e seus benefícios ao meio ambiente e ao futuro é extensa e muito mais complexa do que simplesmente parar de comer carne. Envolve a diminuição da poluição atmosférica, a preservação de recursos vegetais e hídricos, e muitas outras questões.

Numa linguagem descontraída, o filme tem a participação voluntária da modelo e apresentadora Ellen Jabour e do ator Eduardo Pires, ambos vegetarianos, e tem o objetivo de alertar e levantar algumas questões como “Você já se perguntou de onde vem nossa comida? Quais os impactos que ela nos traz?” A Engrenagem responde.

Não Matarás

Não Matarás é um documentário brasileiro produzido pelo Instituto Nina Rosa sobre experimentação em animais e suas consequências para os próprios animais, para o homem, para a educação e para o mercado.

Carne e Osso

O filme escancara a verdade por trás dos métodos utilizados pelas empresas de produtos de origem animal para conseguir mão de obra barata. O que mais chama a atenção em “Carne Osso” é que o longa não foi feito por uma ONG de Direitos Animais e sim por uma organização que luta por Direitos Sociais e dos trabalhadores.

Fica evidente que até ONGs que não têm os animais como prioridade sabem sobre como a pecuária é nociva em muitos aspectos. É um retrato sério e jornalístico da realidade que as paredes dos matadouros escondem.

Se você achava que eram apenas os animais não humanos que sofriam dentro do matadouro, assista e surpreenda-se.

O Julgamento

O filme francês Le Jugement (O Julgamento) é uma peça de raro valor em favor dos animais. Ao longo de pouco menos de 30 minutos, a trama mostra o julgamento do “Senhor Carnista”, um lobista que trabalhou boa parte da vida conscientemente propagando a necessidade mentirosa do consumo de produtos de origem animal. Tudo em nome do dinheiro.

O “Senhor Carnista” é apresentado a um tribunal composto por animais de várias espécies e é julgado por seres que, aparentemente, não são humanos. Le Jugement tem maquiagens carregadas e um excelente trabalho de atuação para falar sobre um assunto difícil de uma forma inédita. O clima de insanidade do filme envolve e causa curiosidade.

Gravado em um teatro com diversas câmeras em alta definição e com uma edição dinâmica, Le Jugement foi recentemente traduzido para o português por Juliana Marques e legendado por Robson Duarte. O filme foi idealizado pelo ator e músico Maxime Ginolin.

Quero virar vegano, e agora?

Se você quer virar vegano ou vegetariano, o melhor que você pode fazer é procurar um nutricionista especializado em dietas vegetarianas. Este profissional será capaz de avaliar as suas necessidades e criar um cardápio vegetariano específico para você.

As informações descritas acima não devem substituir o contato com um profissional de saúde. Pelo contrário, o Awebic encoraja que você consulte um médico e um nutricionista antes de tomar qualquer decisão.

Este artigo está em constante atualização. Viu alguma coisa que não faz sentido ou quer deixar uma sugestão? Deixe seu comentário abaixo! Obrigado!

Gostou deste post sobre o veganismo? Por favor, compartilhe com amigos que podem se interessar sobre o tema. <3

Leia mais publicações em Awebic.com.

Nós curtimos você. Você nos curte de volta? ❤️



Nossas sugestões pra você

Clique para comentar

Deixe um comentário


Nossos fãs estão curtindo:

Ir Topo