Mente

Ioga: mudando os hábitos estressantes do cérebro

Três vezes por semana, às 7 da manhã, meu pai vai para um estúdio de dança a cinco quadras da praia.

Na luminosa sala de madeira, que fica acima de uma loja de eletrônicos, um homem musculoso, de cabeça raspada e shorts, sussurra instruções em uma mistura de inglês e sânscrito.

Meu pai e o resto da turma – em sua maioria, atrizes bronzeadas e ágeis usando meias pretas da Lululemmon – se dobram e se torcem em estranhas formas. As janelas se embaçam com a umidade de sua respiração coletiva.

Meu pai está fazendo ioga há mais de 6 anos. Eu sempre me interessei por exercícios e atletismo, mas não entendi o que era tão bom nessa estranha forma de alongamento prolongado.

Eu também tinha um interesse separado em neurociência, mas mal sabia que essa antiga prática iria remodelar minha compreensão da relação entre o corpo e o cérebro.

A ioga pode supostamente melhorar os sintomas depressivos e a função imunológica, bem como diminuir a dor crônica, reduzir o estresse e baixar a pressão sanguínea.

Todas essas alegações foram feitas por iogues ao longo dos anos, e parece uma tolice da nova era. Surpreendentemente, no entanto, tudo nessa lista é apoiado por pesquisas científicas.

Ioga e cérebro

Pode soar como magia que posar como um orgulhoso guerreiro ou um corvo poderia ter efeitos tão extensos, mas não é mágica. É neurobiologia.

Esta próxima declaração pode soar profunda ou extremamente óbvia, mas se resume a isso: as coisas que você faz e os pensamentos que você tem mudam os padrões de queima e a composição química do seu cérebro.

Mesmo ações tão simples como mudar sua postura, relaxar os músculos do rosto ou diminuir a velocidade da respiração podem afetar a atividade cerebral (além da atividade necessária para realizar a ação).

Essas mudanças são frequentemente transitórias, mas podem ser duradouras, particularmente se implicarem a mudança de um hábito.

A primeira vez que acordei cedo para me juntar ao meu pai na ioga, eu estava imaginando uma sala cheia de pessoas se contorcendo calmamente em forma de pretzels para atingir a iluminação.

Quando a aula estava prestes a começar, meu pai resmungou do colchão ao lado: você deve respirar pelo nariz enquanto contrai a parte de trás da garganta para fazer um som como o oceano.

Isso soou meio hippie e sensível demais para mim, mas eu tentei mesmo assim. Só mais tarde percebi que esse era um dos fatores-chave do efeito da ioga no cérebro.

Em 15 minutos eu estava pingando tanto suor que mal conseguia segurar um cachorro.

No entanto, em todas as poses, o instrutor continuou falando sobre como deveríamos manter nossa respiração calma e firme.

Ficar calmo? Você está brincando comigo? Meus músculos estavam tremendo enquanto eu tentava me segurar em flexão 4 polegadas acima do chão.

Quando o professor nos pediu para torcer para que o ombro direito baixasse sob o joelho direito, eu mal conseguia expandir meus pulmões.

Ele nos pediu para fazer uma curva para trás, e minha coluna rangeu, e dolorosamente resistiu às minhas tentativas.

Ficar calmo? Pelo amor de Deus, ele queria que ficássemos de cabeça erguida!

Ioga e cérebro

Como neurocientista, apesar da minha incredulidade inicial, percebi que a ioga funciona não porque as poses são relaxantes, mas porque são estressantes.

São suas tentativas de manter a calma durante esse estresse que criam o maior benefício neurobiológico da ioga.

Seu cérebro tende a reagir ao desconforto e à desorientação de maneira automática, desencadeando a resposta fisiológica ao estresse e ativando a conversa neural ansiosa entre o córtex pré-frontal e o sistema límbico mais emocional.

A resposta ao estresse em si aumenta a probabilidade de pensamentos ansiosos, como “Oh Deus, eu vou me machucar”, ou “eu não aguento mais essa flexão”.

E, de fato, seus próprios pensamentos ansiosos exacerbam ainda mais a resposta ao estresse.

Curiosamente, apesar de todos os tipos de situações estressantes em que uma pessoa possa estar (de ponta cabeça, fugindo de um leão, terminando um relatório), o sistema nervoso tem apenas uma resposta ao estresse.

Os pensamentos específicos que você tem podem diferir, mas as regiões do cérebro envolvidas e a resposta fisiológica serão as mesmas.

A resposta fisiológica ao estresse significa um aumento na frequência cardíaca, na frequência respiratória, na tensão muscular e na elevação do cortisol e de outros hormônios do estresse.

O fascinante da interação mente-corpo é que ela funciona nos dois sentidos.

Por exemplo, se você estiver estressado, seus músculos ficarão tensos (preparando-se para fugir de um leão), e isso levará a um pensamento mais negativo.

Relaxar esses músculos, particularmente os músculos faciais, empurrará o cérebro na direção oposta, longe do estresse e em direção a pensamentos mais relaxados.

Leia:  15 dicas de produtividade incríveis para ajudar você a vencer cada dia

Da mesma forma, sob estresse, sua frequência respiratória aumenta. Diminuir sua respiração afasta o cérebro da reação ao estresse e, novamente, a um pensamento mais relaxado.

Então, como tudo isso se encaixa?

Ioga e cérebro

Como afirmei anteriormente, a resposta ao estresse no sistema nervoso é desencadeada por desconforto e desorientação.

A torção da coluna, o ácido láctico acumulado em seus músculos tensos, a sensação desconfortável de estar de cabeça para baixo, a incapacidade de respirar, são todas formas diferentes de desconforto e desorientação, e tendem a levar reflexivamente ao pensamento ansioso e à ativação da resposta ao estresse em todo o sistema nervoso.

No entanto, só porque essa resposta é automática, não significa que seja necessária. É, na verdade, apenas um hábito do cérebro.

Um dos principais propósitos da ioga é treinar esse hábito de modo que seu cérebro pare de invocar automaticamente a resposta ao estresse.

Algumas pessoas podem pensar que a resposta ao estresse é um reflexo inato e, portanto, não pode ser alterado.

Para esclarecer, a resposta é parcialmente inata e parcialmente aprendida na primeira infância. Sim, a resposta ao estresse já é baixada e instalada no seu sistema operacional inicial.

No entanto, esta tendência é aumentada por anos de reforço. Em particular, você absorve como as pessoas ao seu redor, particularmente seus pais, reagem a situações estressantes.

Suas reações se conectam ao seu sistema nervoso.

No entanto, só porque um hábito é inato e depois reforçado, não significa que seja imune à mudança. Quase qualquer hábito pode ser alterado, ou pelo menos melhorado, através da ação repetida de um novo hábito.

Para dar um exemplo de mudança de uma reação similarmente inata, eu vou assumir que você tem ânsia de vômito.

Essa ânsia de vômito atrapalha muitos calouros universitários enquanto eles lutam pelo processo de socialização da faculdade ao tomar uma cerveja. A maioria tem dificuldade.

No entanto, na época em que as férias de primavera chegam, muitas deles aprenderam a suprimir amplamente esse reflexo.

Como a sua ânsia de vômito, só porque sua resposta ao estresse é inata e automática, não significa que não possa ser reformada por meio de práticas sustentadas e intencionais.

Para algumas pessoas, acordar às 6h30 para ir a uma aula de ioga automaticamente acionaria sua resposta ao estresse.

A boa notícia é que você não precisa ir a uma aula para praticar ioga. As posturas que a maioria das pessoas associam à ioga são apenas uma maneira particular de praticar ioga chamada prática asana (“asana” significa “pose”).

Ioga e cérebro

A prática do asana desafia você de uma maneira específica, mas a própria vida oferece muitos desafios por conta própria.

Sob qualquer circunstância estressante, você pode tentar as mesmas técnicas calmantes: respirar profundamente e devagar, relaxar os músculos faciais, limpar a cabeça de pensamentos ansiosos, se concentrar no presente.

Na verdade, aplicar essas técnicas à vida real é o objetivo da ioga. Ioga é simplesmente o processo de prestar atenção ao momento presente e acalmar a mente.

Com o tempo, você começará a retreinar sua reação automática ao estresse e a substituirá por outra mais condizente à felicidade e ao bem-estar geral.

Depois de voltar às aulas de ioga do meu pai algumas vezes, eu finalmente percebi que não só você pode praticar ioga na vida real, mas, inversamente, você poderia ir a uma aula de ioga e não estar praticando ioga.

Algumas das pessoas ao seu redor, particularmente em Los Angeles, podem simplesmente estar colocando suas pernas atrás de suas cabeças, e ainda não se concentrando em manter a respiração calma e firme, ou em suas mentes claras.

Elas podem estar focadas em algo completamente diferente.

Sem a intenção constante de se concentrar no presente e acalmar a mente, ir para uma aula de ioga é literalmente apenas passar pelos movimentos.

Pensando nisso, quem sabe se meu pai está realmente fazendo ioga, e não apenas olhando para as mulheres com as pernas atrás das cabeças?

Bem, tudo o que posso dizer é que do meu colchonete eu posso ouvir sua respiração rolar profunda e devagar como o oceano, e ele não tem nenhum problema em ficar de cabeça para baixo.

Você já praticou Ioga? Te faz bem? Comente!

Este artigo é uma tradução do Awebic do texto originalmente publicado em Psychology Today escrito por Alex Korb, Ph.D.

Imagens: pexels.com e pixabay.com

Compartilhe este conteúdo com seus amigos que também se interessam por Ioga!