Mente

O que significa pensar “fora da caixa”?

“Pensar fora da caixa” está entre as frases mais usadas no mundo dos negócios.

Supõe-se que significa pensar de forma criativa, livre e fora do senso comum. É o tipo de pensamento que — em uma era de algoritmos cada vez mais poderosos e redes neurais — recebe atenção expressiva.

Por enquanto, é o tipo de coisa que as máquinas não conseguem fazer tão bem.

“Pensar fora da caixa”, a origem.

Uma suposta história da origem do termo é, na verdade, uma grande ilustração (literalmente) do que é esse tipo de pensamento e por que ele é tão procurado.

Segundo a história, empresas de consultoria em administração nas décadas de 1960 e 1970 começaram a usar um quebra-cabeça chamado “quebra-cabeça de nove pontos” de um livro de 1914 de Sam Loyd chamado “Cyclopedia of Puzzles”.

Eles apresentavam o diagrama abaixo, com as seguintes instruções:

“Vincule todos os nove pontos usando quatro linhas retas ou menos, sem levantar a caneta e sem traçar a mesma linha mais de uma vez.”

pensar fora da caixa exercício

Provavelmente, este foi o exercício que deu origem ao termo “pensar fora da caixa”. Você consegue resolvê-lo? Crédito: Cyclopedia of Puzzles.

A solução mais citada aparece abaixo, utilizando apenas quatro linhas.

como pensar fora da caixa

Como pensar “fora da caixa”. Crédito: Cyclopedia of Puzzles.

Você vê de onde vem o “pensar fora da caixa”?

Na instrução do quebra-cabeça não foi dada nenhuma diretriz sobre permanecer dentro de uma caixa, mas nossas mentes tendem a construir uma caixa com os nove pontos, e uma restrição é colocada instantaneamente no lugar.

Portanto, pensar fora da caixa significa dispensar restrições — o maior número possível. É o que a solução acima faz, e é isso que o tipo mais eficaz de pensamento original e ideias inovadoras também fazem.

Abaixo estão três estratégias que podem ajudá-lo a pensar fora da caixa — da maneira que a origem do termo sugere.

1. Elimine a direção do objetivo do seu pensamento.

Se você mirar no mesmo alvo que todos os outros estão mirando, seus tiros acabarão onde todos os outros vão. Se você cultivar o mesmo solo que todos os outros plantam, plantar as mesmas sementes que eles plantam e usar a mesma água, você obterá o mesmo jardim.

Meu ponto é que no minuto em que você introduz uma meta em seu pensamento, você está introduzindo uma restrição.

Sua mente agora tem uma direção e tenderá a seguir essa direção. É por isso que muitas empresas trazem consultores externos para ajudar a criar novas ideias. Os consultores não carregam o peso de restrições em seus pensamentos. Eles podem sonhar e oferecer novas ideias que deixam as pessoas empolgadas e levam a pivôs e lançamentos inovadores.

Isso se tornou um tema quente na psicologia infantil. Um estudo de 2014 da Universidade do Colorado estudou o efeito que o jogo livre e o jogo estruturado têm na função executiva das crianças — a capacidade de estabelecer e trabalhar independentemente em direção aos objetivos.

As evidências:

“Os resultados mostraram que, quanto mais tempo as crianças passam em atividades menos estruturadas, melhor sua função executiva autodirigida. Por outro lado, quanto mais tempo as crianças passam em atividades mais estruturadas, mais pobres sua função executiva autodirigida.”

Você não é uma criança, é claro, mas pense em como o pensamento estruturado — em oposição ao pensamento não estruturado — pode ter um efeito semelhante sobre as novas ideias malucas que você pode criar.

Leia:  23 maneiras de você colocar a sua cabeça no lugar através da arte

2. Tente encontrar, em vez de “inventar” ideias.

pensar fora da caixa

Você ao menos tenta pensar “fora da caixa”? Crédito: rawpixel.com | Pexels.

Em vez de “inventar ideias” — o que é mais um ato de criação –, é melhor pensar em si mesmo como apenas buscando ideias. Você não está criando, você está apenas navegando. Essa é uma diferença real de atitude. Você ficaria surpreso com a diferença que isso pode causar. Tira um peso de seus ombros para não ter que fazer alguma coisa, mas apenas para encontrar alguma coisa.

Pense nisso como caminhar por uma feira ao ar livre, olhando para qualquer coisa que você possa ver. Você pode se mover com facilidade — não particularmente comovido por qualquer coisa até que algo realmente se destaque. Mas se houver itens nessa mesma feira que você produziu e levou para lá, naturalmente você prestará mais atenção a eles.

Além disso, se você acha que tem uma ideia que é muito estúpida, se você não se vê como o criador dela, é menos provável que você seja impactado emocional e cognitivamente por uma avaliação negativa. Você pode continuar produzindo ideias.

3. Pense amplamente.

Mantenha cada “reino” de pensamento à disposição.

Geografia, religião, finanças, pintura cubista, arqueologia. Não considere nada como não relacionado ou desconectado. Muitas vezes é esse tipo de pensamento que cria o tipo de problemas que exigem pensar “fora da caixa” em primeiro lugar.

Uma das minhas histórias favoritas nesse sentido é sobre Allan Lichtman. Ele é o cara que se tornou notório por estabelecer um sistema que previa a improvável eleição de Donald Trump como presidente em 2016 — mesmo quando cientistas políticos e estatísticos experientes não puderam. Também previu todos os resultados das eleições presidenciais desde que o sistema foi publicado em seu livro em 1981.

Endgadget publicou um ótimo artigo sobre como ele fez isso:

“O sistema de previsão de Lichtman é baseado em geofísica, usando as ideias fundamentais da ciência do terremoto para prever rupturas sociais e políticas. Ele criou o sistema ‘Chaves para a Casa Branca’ com Vladimir Keilis-Borok, fundador do Instituto Internacional de Teoria da Predição do Terremoto e Geofísica Matemática, em 1981. Essencialmente, Lichtman e Keilis-Borok mudaram seu pensamento sobre as eleições. Eles aplicaram termos geofísicos ao processo, se livrando de idéias como democrata, republicano, liberal e conservador. Em vez disso, eles reinterpretaram o sistema em termos de estabilidade e agitação.”

Você captou a ideia? Em um sistema de previsão para eleições políticas, o colaborador de Lichtman era um geólogo que estudava terremotos.

A lição aqui? Mantenha seu pensamento amplo. Não considere que as coisas parecem desconectadas. Os benefícios para o seu pensamento pode ser tremendo.

___

Este texto foi publicado originalmente no Medium, por Mike Sturm. Tradução feita por Awebic. Saiba mais sobre o trabalho de Sturm em seu site.