Planeta

Como a vida moderna se tornou desconectada da natureza

É difícil exagerar o quanto a boa natureza faz pelo nosso bem-estar: estudo após estudo documenta os benefícios psicológicos e físicos da conexão com a natureza.

As pessoas que estão mais conectadas com a natureza são mais felizes, se sentem mais vitais e têm mais significado em suas vidas.

Mesmo em pequenas doses, a natureza é um potente elixir: quando o quarto do hospital tinha flores e folhagem, os pacientes pós-operatórios precisavam de menos analgésicos e relataram menos fadiga.

E apenas olhar imagens da natureza acelera a restauração mental e melhora o funcionamento cognitivo.

Esses estudos, junto com centenas de outros, apontam para a mesma conclusão: nós podemos nos beneficiar tremendamente de nutrir uma forte conexão com a natureza.

No entanto, nossa conexão com a natureza parece mais tênue do que nunca hoje – uma época em que nossos filhos podem nomear mais personagens de Pokémon do que espécies selvagens.

É amplamente aceito que estamos mais desconectados da natureza hoje do que estávamos há um século, mas isso é realmente verdade?

Um estudo recente que conduzimos sugere que sim – e isso pode ser uma má notícia não apenas para o nosso bem-estar, mas também para o meio ambiente.

Nossa crescente desconexão com a natureza

Para descobrir como a relação humana com a natureza mudou ao longo do tempo, nos perguntamos: como podemos definir e medir todas as várias maneiras pelas quais as pessoas se conectam com a natureza?

Como podemos contar todas as vezes que as pessoas param para assistir a um pôr do sol, escutam os pássaros cantando ou quanto tempo passam andando pelas ruas arborizadas?

Certamente poderíamos fazer essas perguntas a pessoas vivas, mas não poderíamos perguntar a pessoas que viveram cem anos atrás.

Em vez disso, nos voltamos para os produtos culturais que elas criaram. As obras da cultura popular, raciocinamos, devem refletir o quanto a natureza ocupa nossa consciência coletiva.

Se romancistas, compositores ou cineastas têm menos contato com a natureza hoje em dia do que antes, ou se esses encontros causam menos impressão sobre eles, ou se eles não esperam que seu público responda a isso, a natureza deve aparecer com menos frequência em seus trabalhos.

Criamos uma lista de 186 palavras relacionadas à natureza pertencentes a quatro categorias:

  • palavras gerais relacionadas à natureza (por exemplo, outono, nuvem, lago, luar);
  • nomes de flores (por exemplo, bluebell, edelvaisse, dedaleira, rosa);
  • nomes de árvores (por exemplo, cedro, laburnum, whitebeam, willow);
  • nomes de pássaros (por exemplo, finch, beija-flor, cotovia, colhereiro).

Em seguida, verificamos com que frequência essas 186 palavras apareceram em obras da cultura popular ao longo do tempo, incluindo livros de ficção inglesa escritos entre 1901 e 2000, músicas listadas entre os 100 melhores entre 1950 e 2011 e histórias de filmes feitas entre 1930 e 2014.

Em milhões de livros de ficção, milhares de músicas e centenas de milhares de histórias de filmes e documentários, nossas análises revelaram uma tendência clara e consistente:

A natureza apresenta significativamente menos na cultura popular hoje do que na primeira metade do século 20, com um declínio constante após a década de 1950.

Para cada três palavras relacionadas à natureza nas canções populares dos anos 50, por exemplo, há apenas pouco mais de uma, 50 anos depois.

Desconexão com a natureza

Porcentagem de palavras relacionadas à natureza em letras de músicas

Um olhar sobre alguns dos títulos de sucesso de 1957 deixa claro como as coisas mudaram ao longo do tempo: eles incluem “Butterfly”, “Moonlight Gambler”, “White Silver Sands”, “Rainbow”, “Honeycomb”, “In the Middle of an Island”, “Over the Mountain, Across the Sea”, “Blueberry Hill” e “Dark Moon.”

Leia:  Salvem os oceanos! Hábitos simples podem ajudar na preservação do meio ambiente

Nessas músicas, a natureza muitas vezes fornece o pano de fundo e as imagens do amor, como em “Star Dust”, de Billy Ward e His Dominoes, que começa com:

“E agora o escurecer púrpura do crepúsculo
Invade por inteiro meu coração
Alto no céu as estrelinhas sobem
Sempre lembrando-me que estamos separados
Você vagueia sem rumo e distante
Deixando-me uma canção que não vai morrer
O amor é agora o encanto de ontem”

Cinquenta anos depois, em 2007, existem apenas quatro títulos de sucesso relacionados à natureza: “Snow (Hey Oh)”, “Cyclone”, “Summer Love” e “Make It Rain”.

Esse padrão de declínio não se aplica a outro grupo de palavras que testamos – substantivos relacionados a ambientes criados pelo homem, como cama, tigela, tijolo e sala – sugerindo que a natureza é um caso único.

A fonte do nosso déficit de natureza

Como podemos explicar esse encolhimento da natureza em nossa imaginação coletiva e conversação cultural?

Um olhar mais atento aos dados produz uma pista interessante: referências à natureza declinaram depois, mas não antes, dos anos 50.

A tendência de urbanização – que engole as áreas naturais e tira as pessoas do ambiente natural – é tipicamente usada para explicar a conexão humana enfraquecida com a natureza, mas nossas descobertas não são consistentes com essa explicação.

As taxas de urbanização não mudaram da primeira metade do século 20 para a segunda nos EUA e Reino Unido, onde a maioria dos trabalhos que estudamos se originaram.

Em vez disso, nossas descobertas apontam para uma explicação diferente para nossa desconexão da natureza: a mudança tecnológica e, em particular, o surgimento de opções de recreação interna e virtual.

Os anos 50 viram o rápido crescimento da televisão como o meio de entretenimento mais popular.

Os videogames apareceram pela primeira vez na década de 1970 e desde então têm sido um passatempo popular, enquanto a Internet vem reivindicando mais e mais tempo de lazer desde o final dos anos 90.

É lógico que essas tecnologias substituam parcialmente a natureza como fonte de recreação e entretenimento.

Pinturas clássicas como Snap the Whip, de Winslow Homer (1872) ou Uma Tarde de Domingo na Ilha de Grande Jatte (1886), de Seurat, apontam para uma época em que as crianças brincavam em campos verdes abertos e os adultos passavam as tardes de domingo na natureza.

Desconexão com a natureza

Snap the Whip, de Winslow Homer

Na medida em que o desaparecimento do vocabulário da natureza na conversa cultural reflete um distanciamento real da natureza, nossas descobertas são motivo de preocupação.

Além de seus benefícios de bem-estar, uma conexão com a natureza prediz fortemente atitudes e comportamentos pró-ambientais. Tal amor pela natureza muitas vezes nasce da exposição à natureza quando criança.

Foi isso que fez o autor Richard Louv escrever: “À medida que o cuidado com a natureza se torna cada vez mais um conceito intelectual separado da experiência alegre do ar livre, você deve se perguntar: de onde virão os futuros ambientalistas?”

Vale lembrar que os produtos culturais, como músicas e filmes, não apenas refletem a cultura predominante – eles também a moldam.

Os artistas modernos têm a oportunidade de enviar a mensagem de que vale a pena prestar atenção à natureza e ajudar a despertar a curiosidade, a apreciação e o respeito pela natureza, como alguns fizeram nos anos 60 e 70.

Criações artísticas que nos ajudam a conectar com a natureza são cruciais em um momento como este, quando a natureza parece precisar de nossa atenção e cuidado mais do que nunca.

Este artigo é uma tradução do Awebic do texto originalmente publicado em Greater Good Magazine, escrito por Selin Kesebir e Pelin Kesebir.

Gostou do conteúdo? Então comente e compartilhe-o com seus amigos