Mente

Fazer um curso de arte pode melhorar nosso bem-estar mental, afirma estudo

Pesquisadores da Universidade de Gloucestershire avaliaram recentemente dados de quase 1.300 pacientes de cuidados primários no Sudoeste da Inglaterra, encontrando um “curso de arte sob prescrição” para fornecer uma melhoria significativa no bem-estar geral, inclusive naqueles com necessidades de cuidados muito complexas.

As descobertas do grupo foram publicadas recentemente no European Journal of Public Health.

A “prescrição social”, ou a prestação de intervenções não médicas em ambientes de cuidados primários, tem aumentado nos últimos anos.

Ela baseia-se no conhecimento de que a saúde é determinada por uma ampla variedade de fatores, e esses fatores mais amplos (sociais, emocionais e econômicos) não podem ser remediados apenas pela medicina.

Eles são uma resposta aos maiores desafios de saúde pública que enfrentamos hoje; saúde mental, solidão, envelhecimento e condições de saúde de longo prazo.

Os pacientes podem ser encaminhados para participar desses projetos por diversas razões, como aumentar o bem-estar geral, a autoestima ou a confiança; ou por motivos mais específicos, como fornecer apoio durante o luto ou reduzir a ansiedade ou a depressão.

Arte para melhorar a saúde mental

Ao contrário da arteterapia, os projetos de “arte por prescrição” oferecem cursos de arte onde os pacientes podem aprender a desenhar, pintar, criar mosaicos ou dramas.

Os cursos são liderados por artistas locais e são baseados na comunidade, em vez de se basearem em necessidades médicas específicas.

Os grupos encaminhados são geralmente muito pequenos, entre três e dez indivíduos, e podem ser baseados em enfermarias locais ou em instalações comunitárias. Aqueles que participam recebem materiais e um espaço dedicado para realizar suas atividades.

O que torna essas intervenções únicas é que elas fornecem aos participantes o anonimato do que os levou até lá, eliminando um “elefante na sala”, que é o diagnóstico ou uma necessidade médica específica.

Bem recebido por pacientes, profissionais de saúde e fornecedores de artes, os benefícios da arte para projetos de saúde há muito são reconhecidos como valiosos.

Apesar disso, eles ainda lutam para ganhar força nos cuidados primários, mesmo com o reconhecimento de um recente relatório de pesquisa do Grupo Parlamentar de Todos os Partidos sobre Artes, Saúde e Bem-Estar.

Até recentemente, a base de evidências para essas intervenções vinha de estudos que usavam pequenos grupos de pacientes, dificultando a obtenção de conclusões sólidas a partir de algo que envolveria investimentos do setor público.

Os pesquisadores avaliaram evidências de pacientes encaminhados para atividades artísticas através da Artlift, uma instituição de caridade localizada no sudoeste da Inglaterra que oferece cursos com artistas locais em toda a região.

Através da utilização do maior banco de dados disponível de pacientes encaminhados por meio desses projetos, eles descobriram que os pacientes experimentam melhorias quantificáveis no bem-estar geral devido à participação nesses cursos de artes.

Arte para melhorar a saúde mental

Diane Crone, professora da Escola de Saúde e Assistência Social da Universidade, disse:

Já trabalhamos com a Artlift há muito tempo e sabemos, através de pesquisas anteriores, como os pacientes se sentem a respeito. Um comentário que realmente me impressionou ao falar com os pacientes foi que a ‘Artlift eleva seu coração’. Para mim, isso captura o significado pessoal disso de forma brilhante”.

“É ótimo poder finalmente fornecer evidências substanciais e significativas de dados coletados ao longo de sete anos para essas intervenções”, ela acrescentou.

Mesmo nos últimos anos, com o ajuste do orçamento e os desafios para o comissionamento da saúde aumentados, as evidências sustentam os benefícios dessas intervenções para aqueles que mais precisam.

Leia:  Estudos apontam que 'cobertores pesados' ajudam na insônia e aliviam ansiedade

Desde que começou a oferecer “prescrição de arte” na região, a Artlift teve que mudar os serviços que oferece, de um curso inicial de 10 semanas com a possibilidade de múltiplos encaminhamentos, para um curso de oito semanas com apenas um encaminhamento adicional disponível.

Apesar disso, as evidências mostram que os benefícios na melhoria do bem-estar vivenciados pelos pacientes encaminhados não são apenas significativos, mas, na verdade, parecem ser maiores nesses cursos mais curtos.

Paul Flynn, diretor executivo da Artlift, comenta:

A Artlift fornece artes para benefícios de bem-estar há nove anos, portanto, os resultados desta pesquisa são bem-vindos, mas não surpreendentes. Somos informados quase diariamente que as intervenções melhoraram significativamente a vida dos participantes que se sentiram mais capazes de lidar com problemas sérios de vida. Ouvimos falar de pessoas desenvolvendo amizades, retornando ao trabalho e até mesmo sendo capazes de reparar casamentos e outros relacionamentos, tal é o impacto que Artlift pode ter.”

O trabalho realizado pela professora Diane Crone e sua equipe na Universidade de Gloucestershire também mostra que essa intervenção é eficaz em aumentar o bem-estar no que talvez seja o mais complicado, mas cada vez mais importante grupo de cuidados primários; aqueles com múltiplas condições de saúde.

A equipe conseguiu identificar pouco mais de 200 pessoas no conjunto de dados que têm várias condições médicas em diferentes categorias, como câncer, diabetes, problemas de dor, problemas de saúde mental e doenças cardiovasculares.

Arte para melhorar a saúde mental

A professora Crone diz:

“Essas necessidades complexas de cuidados múltiplos estão se tornando cada vez mais comuns nos cuidados primários no Reino Unido e além; então, entender como eles podem ser apoiados será vital para ajudar a lidar com os principais problemas de saúde pública que vemos hoje”.

Embora estas descobertas sejam importantes para os prestadores de cuidados primários, os pesquisadores observam que a mensagem mais importante aqui é para os comissários de saúde.

Essas intervenções não médicas podem potencialmente oferecer soluções para algumas das questões mais desafiadoras que surgem na saúde pública. Enquanto o bem-estar é muitas vezes visto como algo intangível, é uma questão crítica que é fundamental para apoiar a saúde física”, diz a professora Crone.

O diretor executivo da Artlift, Paul, também confirma a importância de usar esta importante evidência para apoiar melhorias na política:

Nós saudamos as conclusões deste relatório e agradecemos à Universidade de Gloucestershire pelos seus esforços rigorosos na sua produção. Esperamos que isso convença os responsáveis pelos orçamentos de saúde a considerar seriamente as intervenções artísticas em benefício de suas comunidades – há evidências suficientes de que as artes não são “boas para se ter”, mas uma intervenção genuinamente benéfica – e econômica para o NHS.

Ao fornecer atividades artísticas baseadas na comunidade, como aquelas apoiadas pela Artlift, os pacientes recebem as ferramentas e o espaço para se expressar, uma nova habilidade que pode ser sustentada muito além do projeto em si; e eles são apresentados a outros em sua comunidade, aumentando a conexão em uma sociedade onde a solidão está se tornando a norma.

Você concorda que a arte pode melhorar nosso bem-estar mental? Comente!

Este artigo é uma tradução do Awebic do texto originalmente publicado em Psy Post escrito por Rachel Sumner.

Imagens: pexels.com e pixabay.com

Compartilhe este conteúdo com seus amigos!