Diversão

Você provavelmente está passando seus finais de semana da maneira errada

Só porque você não trabalhou no final de semana passado não significa que você teve um bom final de semana.

Os trabalhadores de escritório estão registrando mais horas do que há uma geração, e os americanos se destacam no jogo perdedor das ocupações competitivas.

Nesse contexto, um fim de semana sem e-mail e planilhas pode parecer uma vitória em si – e é, de certa forma.

Mas se você não se sentir rejuvenescido e disposto a enfrentar a segunda-feira depois de dois dias sem trabalho, pode haver um motivo: você está passando o seu final de semana da maneira errada.

É assim que o final de semana bom-mas-ruim se parece.

Depois de uma semana de longas horas, a sexta-feira finalmente chega. Você muda para o modo “eu”, desmoronando no sofá para uma maratona de esportes ou Netflix. Adicione em algumas compras no shopping, Facebook, spa, uma festa intensa, e você é o cara, certo?

Não. Psicólogos positivos aconselham que o caminho para a realização está no lazer de uma ordem diferente e superior.

O jeito certo de passar seus finais de semana

Segundo o sociólogo Robert Stebbins, da Universidade de Calgary, a maior parte do lazer é dividida em duas categorias: casual e séria.

As atividades de lazer casuais são de curta duração, imediatamente gratificantes e muitas vezes passivas; elas incluem atividades como beber, fazer compras on-line e a observação compulsória acima mencionada.

Esses desvios proporcionam um prazer hedônico instantâneo – literalmente, já que todos esses passatempos fazem com que o cérebro liberte dopamina e ofereça conforto instantâneo.

Em uma cultura onde muitas pessoas passam toda a semana em um estado sobrecarregado de trabalho, o lazer casual nos finais de semana se torna facilmente o padrão para descompressão rápida.

Mas o lazer sério é uma busca muito mais benéfica. Atividades de lazer sérias fornecem uma realização mais profunda e – para invocar uma palavra difusa dos anos 70 – “autorrealização”.

A autorrealização é o ápice do desenvolvimento humano, segundo o psicólogo humanista Abraham Maslow, que a descreve como “o desejo de se tornar mais e mais o que é, se tornar tudo o que é capaz de se tornar”.

Em outras palavras, obter a autorrealização é o ponto principal da vida, e o lazer passivo e hedonista (divertido e ocasionalmente necessário, por assim dizer) não o levará até lá.

Em vez disso, o objetivo do final de semana deve ser a felicidade “eudaimônica”, que é uma sensação de bem-estar que surge de atividades significativas e desafiadoras, que fazem com que você cresça como pessoa.

Isso significa passar o final de semana em atividades de lazer sérias, que requeiram o refinamento regular de habilidades: seu quarteto musical, sua coleção de selos ou projetos um pouco menos bobos, mas igualmente profundos.

Você busca um lazer sério com o tom sério de um profissional, mesmo que a busca seja amadora.

O jeito certo de passar seus finais de semana

Se não somos muito bons no lazer, provavelmente é porque somos bons demais no trabalho. Em seu famoso ensaio “O Elogio ao Ócio”, publicado em 1932, Bertrand Russell lamentou a qualidade do lazer em um mundo cada vez mais mecanizado:

“Havia antigamente uma capacidade de despreocupação e diversão que foi de certa forma inibida pelo culto da eficiência…. Os prazeres das populações urbanas se tornaram principalmente passivos: ver cinemas, assistir a partidas de futebol, ouvir rádio, etc… Isso resulta do fato de que suas energias ativas são totalmente ocupadas com o trabalho; se tivessem mais lazer, voltariam a desfrutar dos prazeres em que participariam ativamente”.

Russell não poderia ter imaginado o quão densas as fileiras do “culto da eficiência” se tornariam. Os dispositivos nos mantêm amarrados em nossos locais de trabalho à noite e nos finais de semana; nossos escritórios estão em nossos bolsos e bolsas.

O conceito de “tempo livre” se torna obsoleto – ou parece falho – quando cada segundo pode ser monetizado. Em uma sociedade que vive para trabalhar, onde sua carreira é também sua identidade e status, o instinto de lazer atrofia.

Paradoxalmente, então, conseguir um bom final de semana significa trabalhar no lazer.

Precisamos ser tão vigilantes quanto à qualidade do nosso tempo livre quanto a qualidade do nosso trabalho.

Leia:  Esta divertida série de testes diz muito sobre sua situação atual
O jeito certo de passar seus finais de semana

Ao pesquisar para meu livro, The Weekend Effect, conversei com muitas pessoas que protegem seus finais de semana e os usam com sabedoria. O que eu descobri me surpreendeu: elas não estavam apenas relaxando.

Elas aprenderam que um bom final de semana não é desligar o cérebro e ir embora. Em vez disso, se trata de preencher o precioso tempo livre com atividades significativas – quanto mais difícil a busca, mais gratificante a recompensa.

Então, aqui estão os componentes de Um Final de Semana Muito Bom que o ajudarão a alcançar um nível mais profundo de satisfação na segunda-feira.

Primeiro, você precisa socializar. A religião costumava sustentar o final de semana, e participar de suas práticas assegurava uma congregação confiável pelo menos uma vez por semana.

Com a crescente secularização da sociedade, precisamos nos esforçar para preencher esse buraco.

O isolamento social está em ascensão, com a porcentagem de americanos que se definem como solitários dobrando de 20% para 40% desde os anos 80.

Além de ajudar esses sentimentos solitários, a socialização fortalece o sistema imunológico e aumenta a saúde mental, reduzindo a depressão.

Atividades de lazer solitárias e passivas, como olhar as redes sociais e jogar videogames, reforçam a ausência em vidas já carentes de presença.

As redes digitais não são as mesmas que as redes humanas e não fornecem os mesmos benefícios da comunidade. (Facebook realmente faz você se sentir sozinho.)

Então, se você precisa fazer uma maratona, convide um amigo.

Ou talvez essa socialização possa ocorrer em torno de um hobby. Entrevistei membros de um clube de origami de Portland, Oregon, que se encontram em uma biblioteca no final de semana a cada duas semanas.

Duas pessoas diferentes descreveram amar a concentração envolvida na construção de suas elaboradas criações como algo difícil, mas estimulante.

O envolvimento profundo desencadeia o tão desejado estado de “fluxo”, que surge da imersão e maestria tão intensa que o tempo parece desaparecer.

Pesquisas sugerem que o lobo pré-frontal é inibido durante o fluxo, o que pode abrir o cérebro para a criatividade. Hobbies também têm provado reduzir o estresse e a solidão, e os idosos com hobbies podem ser menos suscetíveis à demência.

Igualmente estimulante no final de semana é uma sessão intensa de altruísmo. A maioria dos voluntários tem um claro senso de propósito e significado – o cerne da autorrealização. Eles também podem sentir que têm mais tempo.

Um estudo publicado em 2010 na Psychological Studies descobriu que gastar tempo com os outros faz com que as pessoas se sintam altamente eficazes e capazes, o que tem o efeito de expandir o tempo.

“A mesma duração de tempo é percebida como longa quando mais coisas foram realizadas – quando é mais completo”, escreveram os pesquisadores.

Finalmente, não há problema em temperar o bem-estar com mais um componente de um final de semana benéfico: diversão. Por definição, a diversão é fluida e não tem nenhum resultado conhecido ou começo e fim necessários.

Somos muito bons em transformar o lazer em trabalho, de acordo com a expressão “working out” (fazer exercícios, em inglês) e a indústria de fitness, que quantifica e reproduz todos os nossos movimentos.

Mas a verdadeira diversão não tenta domar o tempo.

Stuart Brown, líder do National Institute for Play, defende a expansão de sua ideia de diversão além do jogo de basquete, incluindo paqueras, leitura em voz alta para alguém, sonhar acordado e outros momentos sem propósito e prazerosos.

Uma vida sem diversão é realmente perigosa: um estudo descobriu que a ausência de brincadeiras na infância era um traço compartilhado entre uma população de assassinos.

Naturalmente, a maioria das atividades eudaimônicas incluirá um componente hedônico, e o lazer sério e casual se sobrepõe.

Um quarteto musical é divertido para alguém. Mas lembre-se de que um final de semana realmente bom e sem trabalho pode, de fato, dar um pouco de trabalho – e você colherá os benefícios na segunda-feira.

Este artigo é uma tradução do Awebic do texto originalmente publicado em Quartz escrito por Katrina Onstad.

Imagens: pexels.com e pixabay.com

Gostou do conteúdo? Então comente e compartilhe-o com seus amigos!