Negócios

Crowdfunding: tudo que você precisa saber sobre o financiamento coletivo

Você já ouviu falar em crowdfunding?

Financiamento coletivo?

Ou talvez vaquinha online?

Crowdfunding é a resposta para projetos precisando de fundos em tempos de economia difícil.

Ele traz o dinheiro necessário, banco de dados de apoiadores e marketing digital gratuito.

Nos próximos parágrafos você aprenderá tudo que precisa para apoiar campanhas de financiamento coletivo ou lançar a sua própria campanha de crowdfunding.

Vamos lá.

Conceito: o que é crowdfunding?

Crowdfunding - Financiamento coletivo

Entende-se por crowdfunding a obtenção de capital para iniciativas de interesse coletivo através de doações de múltiplos usuários da rede.

Em outras palavras, é uma espécie de vaquinha online.

Quantas ideias inovadoras não morrem por falta de capital, não é mesmo? Dessa forma, o crowdfunding surge como uma alternativa criativa para geração de investimentos.

Esta modalidade de financiamento é utilizada em qualquer tipo de mercado, seja ele cultural, tecnológico, artístico, industrial, de saúde, etc.

A ideia do financiamento coletivo não é focar na carência econômica de um projeto, mas sim em sua potência.

O crowdfunding se apoia na vontade das pessoas em ajudar um negócio a sair do papel, seja ele um pequeno projeto ou algo que precise levantar um capital alto.

A mecânica é bastante simples: o empreendedor apresenta sua ideia ou projeto para o público, estipula quanto precisa arrecadar e a data limite para alcançar a meta.

Feito isso, as pessoas que acessam o site decidem por contribuir ou não com o projeto apresentado e o criador da campanha, geralmente, garante recompensas criativas aos doadores.

Neste vídeo, a repórter Luna França fala um pouco sobre o assunto:

Tipos de crowdfunding

As campanhas de financiamento coletivo se diferem em alguns aspectos.

Então é importante que você conheça todos os tipos de crowdfunding antes de apoiar alguma campanha ou lançar a sua própria.

Recompensa: o tipo de crowdfunding mais comum no mundo e principalmente no Brasil.

Nesta modalidade, quem contribui tem direito a receber recompensas criativas de acordo com a quantia doada.

Doação: este tipo de crowdfunding tem sido utilizado por grandes instituições de caridade.

Como o próprio nome já diz, não há recompensa em troca de uma contribuição. As pessoas contribuem apenas por acreditar na causa e não na expectativa de receber algo em troca.

Equity Crowdfunding: também conhecido como crowdfunding de investimento, neste caso quem contribui financeiramente não recebe recompensas, e sim participação nos lucros futuros da empresa.

Ou seja, o contribuinte se torna um investidor, e não um consumidor de produto.

Debt Crowdfunding: neste tipo de crowdfunding, os investidores recebem seu dinheiro de volta com juros.

Também chamado de peer-to-peer (P2P), pois permite a concessão de empréstimos de dinheiro, ignorando os bancos tradicionais.

Os contribuidores investem em uma ideia em que acreditam e, depois de um tempo, recebem o retorno financeiro de seu investimento.

No Brasil, a operacionalização deste tipo de financiamento coletivo ainda é dificultada pela regulamentação do Sistema Financeiro Nacional.

Além disso, podemos classificar as campanhas de crowdfunding quanto à sua recorrência:

Algumas campanhas miram doações únicas, geralmente para dar início a algum projeto, enquanto outras campanhas demandam doações contínuas e periódicas, normalmente feita por instituições que já desenvolveram algum trabalho e precisam de capital para avançar ainda mais.

As campanhas de doações únicas ainda podem ser classificadas em duas categorias:

Tudo-ou-nada: como o próprio nome já diz, ou o projeto alcança a meta estabelecida, ou os valores alcançados são devolvidos para os que contribuíram.

O público curtiu, colaborou e a meta foi batida? O dinheiro vai para o idealizador e o projeto é colocado em prática.

A quantia arrecadada não foi suficiente? Todo o dinheiro é devolvido aos colaboradores.

Flexível: modalidade na qual o idealizador do projeto não precisa arrecadar 100% da meta para ter direito ao capital arrecadado.

Na campanha flexível, o criador estabelece uma meta de arrecadação, mas mesmo que não a atinja, fica com os recursos.

Vale ressaltar que nessa modalidade as plataformas de crowdfunding costumam cobrar um percentual um pouco maior sobre o valor arrecadado.

Crowdfunding no Brasil e sua crescente importância

Crowdfunding - Financiamento coletivo

As diversas modalidades de financiamento coletivo já são responsáveis por movimentar mais de US$ 65 bilhões na economia mundial anualmente. Este mercado vem apresentando um crescimento anual superior à 20%.

No Brasil, assim como no resto do mundo, o Crowdfunding tem ganhado cada vez mais espaço e conquistando cada vez mais pessoas.

Após alguns anos do lançamento das primeiras plataformas de financiamento coletivo no Brasil, o cenário do crowdfunding brasileiro vem alcançando certa estabilidade.

Dados de 2016 mostram que, naquele ano, as três maiores plataformas de crowdfunding brasileiras arrecadaram uma média de quase R$ 18 milhões cada.

Mais de R$ 200 milhões já foram doados por meio dessas plataformas e a prática foi recentemente regulamentada pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

A CVM eliminou a necessidade de registro prévio e, portanto, isentou o emissor de diversas formalidades e custos de distribuição.

Como resultado desse fenômeno, hoje existem inúmeros sites voltados para a criação e promoção de campanhas desse tipo.

Dessa forma, o crowdfunding hoje é capaz de causar um impacto real para organizações sociais, pequenos empreendedores e outros grupos e pessoas.

Porém, há o outro lado da moeda:

Apesar de abrir novas possibilidades para milhares de projetos e de ter crescido substancialmente nos últimos anos, as campanhas de crowdfunding nem sempre funcionam. Uma grande fatia delas não consegue alcançar a meta de arrecadação.

Leia:  Ser enterrado nessa roupa de cogumelos pode ajudar a salvar o planeta

Segundo dados da plataforma Kickstarter, mais de 40% dos projetos de crowdfunding não atingem a arrecadação esperada e outros 8,5% são suspensos.

O percentual alto de campanhas mal-sucedidas demonstra que ainda há coisas a melhorar no setor de crowdfunding.

Infelizmente, as campanhas de financiamento coletivo ainda lutam muito contra a desconfiança e incredulidade das pessoas.

Mas, para você que se interessou pelo assunto, nós separamos alguns sites de crowdfunding para você conhecer, investir ou até mesmo lançar seus projetos.

As principais plataformas de crowdfunding

No Brasil:

Catarse: A Catarse é a maior plataforma de crowdfunding no país.

O site já ajudou a financiar mais de 1,8 mil projetos, arrecadando R$31 milhões por meio de 216 mil pessoas.

A taxa operacional é de 13% para projetos que atingem a meta do tudo-ou-nada.

Kickante: A Kickante é uma das plataformas mais completas no país, com algumas ferramentas que te ajudam a promover a campanha e aumentar a chance de sucesso.

A taxa operacional é de 12% para projetos tudo-ou-nada, ou 17,5% para campanhas flexíveis.

Benfeitoria: A Benfeitoria é uma plataforma que só aceita tudo-ou-nada.

No site só entram iniciativas que promovam um bem social comum, já que a ideia é transformar o interesse coletivo em impacto positivo na sociedade.

A taxa operacional cobrada é de 1,3% a 4,9%, mais R$0,39 sob o valor de cada contribuição.

Vakinha: Fundada em 2009, o Vakinha foi lançado com uma proposta muito simples: levar a prática de fazer uma vaquinha para a internet.

Atualmente, o site conta com mais de 400 mil vaquinhas abertas e mais de 20 milhões de reais arrecadados.

A taxa operacional cobrada pelo site é de 6,4% + R$ 0,50.

No Mundo:

KickStarter: É uma enorme comunidade global construída em torno de projetos criativos.

Mais de 10 milhões de pessoas, de todos os continentes do mundo, já apoiaram algum projeto do Kickstarter.

IndieGoGo: Com campanhas de crowdfunding ao vivo e os produtos inovadores sendo lançados em tempo real, é um ótimo lugar para buscar inovações bacanas e inteligentes.

Agora você já sabe como funciona uma campanha de financiamento coletivo e quais as principais plataformas.

Confira agora algumas dicas para lançar sua própria campanha de crowdfunding:

Dicas importantes para sua campanha de crowdfunding

Crowdfunding - Financiamento coletivo

Escolha o site certo: escolha a plataforma que mais se adeque à sua campanha de crowdfunding. Você precisa identificar qual o tipo de campanha deseja realizar e qual é a natureza da sua campanha.

Grandes recompensas: recompensas criativas atraem relativamente mais apoiadores e ajudam você a melhorar a taxa de conversão de sua campanha de crowdfunding.

Tente se colocar no lugar de seus patrocinadores e pense o que te motivaria a doar seu dinheiro. Seja criativo

Objetivo realista: não exagere, mas também não se subestime. Seja realista e transparente com seus apoiadores.

Conecte-se com os millennials: as gerações mais jovens são mais atraentes para sua campanha de crowdfunding.

A razão é simples: os jovens são mais conectados às mídias sociais, são bons usuários de tecnologia e têm uma enorme conexão com causas ou pessoas que apoiam.

Neste vídeo, você pode acompanhar algumas dicas sobre como lançar sua própria campanha de financiamento coletivo:

Bom, se você leu o artigo até aqui e ainda se pergunta se a prática do financiamento coletivo funciona mesmo, chegou a hora de conferir algumas campanhas que fizeram muito sucesso no Brasil.

Casos de sucesso que marcaram o crowdfunding brasileiro

Crowdfunding - Financiamento coletivo

Ajude a Gigi: criada em maio de 2016, a campanha para curar a menina Geovana Lima, portadora de uma síndrome que afetava sua visão ganhou forte repercussão e arrecadou um bom dinheiro.

A campanha teve muito apelo social e arrecadou mais de R$ 420 mil, 4 vezes mais do que o objetivo inicial.

AME o Joaquim: a campanha para ajudar o garoto portador de uma doença rara arrecadou mais de R$ 1,4 milhão e alcançou o primeiro lugar em arrecadação no Vakinha.

A campanha que fez tanto sucesso trouxe visibilidade para a doença AME (Atrofia Muscular Espinhal) e inspirou mais de 30 campanhas, sendo que 4 delas arrecadam mais de R$ 100 mil

Queermuseu: a campanha de financiamento coletivo para a remontagem da “Queermuseu” na Escola de Artes Visuais do Parque Lage chegou a mobilizar artistas como Caetano Veloso e arrecadou mais de R$ 1 milhão.

Jornada pela Democracia: discussões políticas à parte, a campanha de financiamento coletivo para angariar fundos para que a então presidenta afastada Dilma Rousseff pudesse viajar pelo país defendendo sua posição bateu vários recordes no Catarse em apenas um dia.

Criada em junho de 2016, a campanha arrecadou mais de R$ 370 mil apenas no primeiro dia. Além disso, a campanha ainda é líder em arrecadação e número de apoiadores no site.

Santuário Animal: Com o objetivo de comprar um terreno para abrigar animais abandonados ou que sofreram maus tratos, a campanha arrecadou mais de R$ 1 milhão para a ONG Santuário Ecológico Rancho dos Gnomos e bateu recorde de arrecadação no Kickante.

A campanha foi apoiada por celebridades nacionais e internacionais, como a cantora Joss Stone, mas ainda assim não atingiu sua meta de R$ 1,2 milhão.

Como era do tipo flexível, o total arrecadado foi repassado à ONG.

E você? O que acha sobre o financiamento coletivo? Comente e compartilhe sua opinião com a gente!

Gostou do conteúdo? Então compartilhe com seus amigos!