Mente

Derrube suas máscaras: a liberdade de viver uma vida autêntica

Aqui está uma ideia inquietante: a maioria de nós não é quem pensamos que somos.

Nós não somos as pessoas que trazemos para o trabalho, não somos as pessoas que mostramos aos nossos pais e filhos, e às vezes não somos as pessoas que mostramos aos nossos amigos.

A maioria de nós passa toda a nossa vida usando uma série de máscaras.

Nós temos máscaras diferentes para diferentes propósitos e ocasiões.

A máscara “perfeita” de alguém que é sempre forte, positivo e centrado; a máscara profissional para a reunião de hoje; a máscara especializada que usamos quando ensinamos ou aconselhamos; a maleável e energética que colocamos quando vendemos nossas habilidades ou açoitamos nossas mercadorias.

Nossas máscaras se tornam tão confortáveis que perdemos a consciência de que as estamos usando. Mas não se engane, as máscaras que vestimos não são quem somos.

Aquelas máscaras que colocamos para nos proteger, que buscamos para serem levadas a sério, que vestimos porque pensamos que devemos ser gentis, extrovertidos ou fortes, essas máscaras não são quem somos.

Por trás de nossas máscaras estão seres humanos reais e conscientes, pessoas com opiniões e paixões, pessoas que podem estar com raiva e impacientes; seres humanos que podem ser profundamente empáticos e compassivos.

Derrube suas máscaras: a liberdade de viver uma vida autêntica

Se quisermos nos lembrar do que é um ser humano real e sem censura, passe algum tempo com um bebê.

Estes pequenos querubins riem com seus corpos inteiros, e eles o fazem frequentemente e em voz alta. Eles choram com gosto, suas barrigas se expandem como um balão quando estão construindo um uivo real.

Se eles já estão falando, eles expressam suas opiniões com clareza e honestidade. “Não gosto. Quero mais. Não, não vou.”

Suas perguntas são belas e profundas por causa de sua honestidade, e uma maneira completamente pura de experimentar o mundo.

Acima de tudo, quando observamos esses pequenos seres humanos, podemos observar que, onde quer que estejam, o que quer que estejam fazendo, eles estão totalmente imersos.

Nós trabalhamos toda a nossa vida para recuperar essa autenticidade e capacidade de estar presente.

Em algum momento no início do nosso desenvolvimento, algo trágico acontece. Talvez aconteça na primeira vez que recebemos sinais de que ter ciúmes de um irmão não é apropriado, que chorar quando estamos feridos é ser dramático ou que falar alto é irritante.

Recebemos sinais de que a maneira como estamos nos comportando não está deixando os adultos ao nosso redor felizes.

Aos poucos, adotamos comportamentos socialmente aceitáveis, expressões faciais, volumes de voz e ideias agradáveis que se transformam em uma série de máscaras.

Em qualquer momento, nossa verdade está sob as máscaras que usamos, às vezes gritando por oxigênio. Nós trabalhamos muito duro para esconder nossa verdade, moderar para encaixar, seguir as regras rígidas da aceitação social.

Precisamos ser autênticos para nos expressar plenamente no mundo. Quando tentamos esconder nossa voz interior ou fingir que ela não existe, ela luta de volta.

Escondidos dentro do nosso corpo, os sentimentos reprimidos podem levar à depressão, insônia, dor física e, se continuarmos, doenças como câncer e doenças cardíacas.

Isso é real. A inautenticidade nos deixa doentes.

Derrube suas máscaras: a liberdade de viver uma vida autêntica

Felizmente, nossa autenticidade tem uma força enorme. Digo felizmente porque esses colapsos de nossos mecanismos de enfrentamento muitas vezes nos levam a nossas maiores percepções sobre nós mesmos.

As pessoas que conheço, que são plenas e autenticamente elas mesmas, chegaram nesse ponto por eventos difíceis, por uma crise que sacudiu seu mundo, por insights que afrouxaram suas máscaras por tempo suficiente para revelar as pessoas que estavam esperando para respirar e viver a vida plenamente.

Leia:  20 sinais incontestáveis de que você é uma pessoa introvertida

Esta definitivamente tem sido minha experiência.

Meu divórcio foi um ponto de crise. Embora tenha sido há mais de uma década, continua sendo o evento mais transformador da minha vida. Em um instante, qualquer ideia que minha vida anterior tenha criado foi explodida em pedacinhos.

Eu vi com uma clareza gritante como a pessoa casada que eu tinha me tornado era um papel que eu estava interpretando. Por anos eu estava editando meu comportamento e meus sonhos para encaixar no que eu pensava que deveria ser.

Eu nem sabia quem era essa pessoa, mas sabia que ela era mais paciente e sua energia era menor e não sobrecarregava as pessoas.

Pior, comecei a entender que eu nem sabia quem eu era. Eu estava usando a máscara de atleta olímpica, figura pública, esposa e mãe por tanto tempo que me perguntei se ainda estava lá.

Quando meu casamento acabou, eu estava possuída com uma energia renovada. Isso não foi porque meu marido era um cara podre que me manteve sob o seu controle; isso foi porque a dor, a revolta, o choque do que aconteceu, quebrou minha máscara de uma só vez.

Uma crise da vida me colocou de volta no caminho de descobrir minha autenticidade.

Derrube suas máscaras: a liberdade de viver uma vida autêntica

Se tudo isso soa um pouco piegas para você, pense em algo realmente difícil que você vivenciou, como a perda de um ente querido, a perda de um emprego, o fim de um relacionamento.

Muitas vezes, nesses momentos de crise extrema, fazemos conexões profundas com os outros – os amigos que nos apoiam, a irmã que segura nossa mão no leito de morte de um dos pais. Na crise, as pessoas podem largar suas máscaras e simplesmente buscar um ao outro, de humano para humano.

Há algo tão mágico e refrescante nessa conexão que muitas pessoas nunca voltam completamente ao uso da máscara depois. A vida tem um novo significado, e o desejo de viver conectado e viver autenticamente torna-se um lema para a vida.

Quando rasguei as máscaras que usava, me vi cheia de energia criativa. Acontece que todo esse fingimento é muito desgastante.

Quando parei de tentar ser quem eu pensava que deveria ser, era como se eu conectasse minha alma a uma corrente de energia elétrica vital.

Comecei a escrever livros, fazer cursos, pintar, estudar yoga e fazer todo o tipo de coisas que não sabia conscientemente que queria fazer.

Através da dor de revolta e perda, eu me libertei dos personagens que eu coloquei em cima da minha autenticidade por décadas.

Reconectar-se com a minha verdade foi uma aventura nova e excitante, assim como uma volta para casa. Em termos de minha saúde mental e física, acredito que voltar a ser eu mesma salvou minha vida.

Pode salvar a sua.

Então, diga o que você realmente sente. Faça as escolhas que realmente quer fazer. Esqueça quem você acha que deveria ser e deixe-se ser como você é.

No mínimo, encontrar a coragem de se reconectar com o “eu” dentro de si mesmo pode ser o ato mais libertador de sua vida.

Todos nós usamos máscaras. Você concorda que deveríamos derrubá-las e sermos mais autênticos? Comente!

Este artigo é uma tradução do Awebic do texto originalmente publicado em Tiny Buddha escrito por Silken Laumann.

Imagens: pexels.com e pixabay.com

Compartilhe este texto com seus amigos!