Mente

Aprofunde-se em valor e enriquecimento em vez de se espalhar

Eu continuo imaginando uma tradição que gostaria de inventar.

Depois de se estabelecer em sua carreira e ter algumas coisas legais em sua casa, você reserva um ano inteiro no qual não inicia nada de novo ou adquire novas posses que não precisa.

Nenhum novo passatempo, equipamento, jogos ou livros são permitidos durante este ano.

Em vez disso, você precisa encontrar o valor do que você já possui ou do que já começou.

Você melhora as habilidades ao invés de aprender novas. Você consome mídia que já armazenou em vez de adquirir mais.

Você lê seus livros não lidos ou até mesmo relê seus favoritos. Você pega o violão novamente e melhora, em vez de pegar a gaita.

A filosofia orientadora é “vá mais fundo, não seja mais abrangente”. Aprofunde-se em valor e enriquecimento em vez de se espalhar.

Você se volta para a riqueza de opções que já está em sua casa, literal e figurativamente.

Poderíamos chamá-lo de “ano de profundidade”, ou um “ano de aprofundamento”, ou algo assim.

Aprofunde-se

Na era do consumo, onde é tão fácil pegar e abandonar novas atividades, eu imagino que essa coisa do Ano de Profundidade realmente está pegando, e talvez se tornando uma espécie de rito de passagem.

Eu gosto de pensar que as pessoas já estão ficando cansadas de serem meio idiotas sobre as coisas.

Completar um Ano de Profundidade seria uma característica marcante da maturidade, representando a transição entre ter atingido a idade adulta cronologicamente e alcançá-la espiritualmente.

Você aprende a não ser tão superficial com suas aspirações.

Ao reservar um ano inteiro para ir mais fundo ao invés de ser mais abrangente, você acaba com uma rica, mas cuidadosamente curada coleção de interesses pessoais, ao invés da provisão oculta de sentimentos adormecidos que surgem tão facilmente na sociedade pós-industrial.

Aprofunde-se

O Ano de Profundidade de alguém seria um momento cultural celebrado em sua comunidade.

Oh, Sam está começando seu Ano de Profundidade neste inverno! Talvez ele finalmente leia sua cópia de Moby Dick, e comece a aprender canções completas na guitarra ao invés de apenas algumas notas.

Poderia haver uma cerimônia tipo bar-mitzvah na véspera do seu Ano de Profundidade, o que criaria um pouco de responsabilidade. Talvez no final do ano seus colegas lhe deem de presente um anel especial.

Uma grande parte do processo de amadurecimento do Ano de Profundidade seria aprender a viver sem doses regulares do pequeno prazer que obtemos quando começamos algo novo.

Se nos entregamos a isso muitas vezes, podemos desenvolver uma espécie de “gula” para o sentimento de novidade em si.

Quando a novidade está sempre disponível, é mais fácil procurar mais do que realmente se envolver com uma mudança complicada de acordes, as seções maçantes em Les Miserables, ou as dezenas de rosas feias que você precisa pintar antes de obter sua primeira bonita.

A economia do consumo nutre essa gula. Há muito dinheiro a ser ganho na venda de novos caminhos para as pessoas – novos equipamentos, novos livros, novas possibilidades.

Leia:  Pesquisas sugerem que o açúcar pode afetar seu humor e te deixar triste

A última coisa que os profissionais de marketing querem é que as pessoas tenham a sua excitação e satisfação daquilo a que já têm acesso. Eles odiariam que você descobrisse a incrível riqueza remanescente no que você já possui.

Entre muitas outras posses, eu tenho um conjunto de aquarelas, um violão e amplificador, e um monte de livros para aprender francês.

Se eu estivesse preso em uma cela com esses itens, eu quase inevitavelmente me tornaria o guitarrista, pintor e poliglota que eu queria ser quando comprei cada uma dessas coisas.

Mas novas opções parecem entrar na minha vida o tempo todo, e então eu me afasto das antigas.

É maravilhoso ter a liberdade de ampliar continuamente nossos interesses. Mas como muitos luxos, tem uma desvantagem insidiosa.

Possibilidades que sempre se ramificam tornam mais difícil para nós explorar profundamente qualquer uma delas, porque há sempre mais “novidade” para recorrer quando a velha coisa nova atinge uma parte difícil ou entediante.

A alegria e o enriquecimento que você poderia obter de um único instrumento musical, ou de um conjunto de tintas, são suficientes para preencher uma vida inteira, e muitas pessoas demonstraram isso.

Mas esses níveis mais profundos são efetivamente inacessíveis sem algum limite à divisão de sua atenção e interesse.

Aprofunde-se

Muitas estantes de livros tornam óbvio o nosso problema de “abrangência para profundidade” dos dias modernos. Você pode adquirir vários livros para cada um que você lê.

Há algo suspeito nisso – você compra o livro sob o pretexto de que você quer lê-lo.

Mas, cada vez mais, você prova que quer um novo livro mais do que quer os livros não lidos que já possui – livros que comprou meses atrás sob o mesmo pretexto e dos quais obteve a mesma emoção barata de adquiri-lo.

Se os livros fossem muito mais difíceis de adquirir, ou se novas aquisições superficiais fossem um pouco tabus, poderíamos realmente devorar aquela trilogia de Margaret Atwood em vez de dizer a nós mesmos que vamos ler algum dia, enquanto fazemos outro pedido na Amazon nesse meio tempo.

Enquanto vivermos em uma cultura de consumo, pode ser mais fácil ser mais abrangente do que ir mais a fundo. Ir mais a fundo requer paciência, prática e dedicação durante os períodos em que nada está acontecendo.

É durante esses momentos que mudar de atividade é muito tentador. A novidade não exige muito, exceto, às vezes, um pouco de renda disponível.

Então, a menos que estejamos trancados em uma sala com apenas um piano e uma pilha de Tolstoi, ou que participemos da tradição fictícia de um Ano de Profundidade, precisamos encontrar uma maneira de colocar nossos próprios limites.

Quando nos damos menos lugares para cavar, nos aprofundamos, e o que descobrimos é mais raro e valioso do que as coisas comuns perto da superfície.

Este artigo é uma tradução do Awebic do texto originalmente publicado em Raptitude.

Imagens: pexels.com e pixabay.com

Compartilhe esse conteúdo com seus amigos!