Mente

5 táticas estoicas antigas que te ajudarão na vida moderna

O estoicismo surgiu como uma filosofia, um modo de vida – similar a uma religião, na verdade – mais notoriamente na Roma antiga, por volta de 50-100 dC (embora tenham sido os gregos pioneiros no pensamento).

Dois milênios depois, a filosofia está desfrutando de um renascimento, e não é difícil entender o porquê.

O principal objetivo do estoicismo antigo era descobrir a melhor maneira de viver; como o filósofo moderno Lawrence Becker escreve: “Sua preocupação central, organizadora, é sobre o que alguém deve fazer ou ser para viver bem – para florescer.”

E esta questão de como viver é talvez a mais duradoura da humanidade – tornando-se especialmente aguda em eras em que um senso de significado compartilhado se atrofiou e cada indivíduo é deixado para encontrar significado por conta própria.

As respostas do estoicismo, seus princípios fundamentais – o que muitos escritores e pensadores modernos consideraram a “arte de viver” – parecem tão relevantes agora quanto há alguns milhares de anos.

O meu objetivo é apresentar cinco maneiras pelas quais você pode começar a introduzir o estoicismo em sua vida hoje e começar a experimentar mais felicidade e satisfação.

Não apresentarei para você apenas ideias abstratas. Em vez disso, elas são baseadas em experiências.

Desde a primeira vez que li as Meditações, de Marco Aurélio, no ano passado, fiquei bastante intrigado com a filosofia que ele adotou.

Então eu estudei, li um punhado de livros – tanto material de origem antiga quanto guias contemporâneos – e incorporei uma série de novos hábitos em minhas rotinas diárias.

Embora existam muitas outras práticas e princípios do estoicismo que podem ser compilados e aplicados, meu objetivo com este artigo é fornecer aqueles que mais impactaram minha própria vida (fornecendo muitas anedotas pessoais para esse fim), e que eu acredito que também podem impactar a vida dos outros.

Essas são coisas para se fazer diariamente e semanalmente (mesmo que algumas delas sejam de natureza mais psicológica).

Enquanto o estoicismo também oferece um esboço de como reagir e responder a uma série de situações diferentes – de raiva e ansiedade, à incapacidade e a morte – isso não está no escopo desta peça (embora talvez esteja em outro artigo mais tarde).

O que é especialmente atraente sobre o estoicismo é o que Massimo Pigliucci chama de “filosofia ecumênica”. Seus preceitos complementam os de muitas outras filosofias, religiões e modos de vida.

Você pode praticar elementos de estoicismo e ainda buscar o cristianismo, o judaísmo, o ateísmo e vários outros ismos ou não ismos por aí.

É sobre encontrar alegria, satisfação e tranquilidade e tornar a sociedade um lugar melhor para todos. Não é algo que todos nós podemos apoiar?

Sem mais delongas, apresento cinco maneiras de tornar o estoicismo uma prática diária:

1. Visualize sua vida sem as coisas que você ama

Táticas estoicas antigas para uma vida moderna

William Irvine argumenta que “a técnica mais valiosa no kit de ferramentas psicológicas dos estoicos” é uma tática que ele chama de “visualização negativa”.

Para apreciar plenamente suas bênçãos – o imaterial e o material – imagine sua vida sem elas.

Por exemplo, se você mora em uma região propensa a tornados, imagine sua casa sendo destruída, juntamente com todas as suas posses.

Obviamente, uma espécie de experimento de pensamento triste, mas há boas chances de que você realmente aprecie sua casa, e as coisas nela, se você puder realmente visualizar como a vida poderia ser sem ela.

Essa prática pode fazer parecer que os estoicos são pessimistas ao longo da vida, mas isso não poderia estar mais longe da verdade.

Os estoicos são, na verdade, os mais otimistas.

Considere a imagem de um copo de 400ml com 200ml de água. É claro que ele está meio cheio ou meio vazio, certo?

O estoico, na verdade, ficaria grato apenas por ter água! E por haver um recipiente para segurar a água. O estoico não subestima nada.

Este exercício é mais difícil de praticar com seus entes queridos, mas vale a pena.

Quando eu dirijo à creche à tarde para pegar meu filho, eu medito brevemente sobre o fato de que cada dia realmente é uma dádiva, e que qualquer coisa pode acontecer.

Ele pode não estar por perto amanhã, então é melhor eu viver, amar e ser pai com as minhas mais completas e alegres habilidades hoje.

Agora, não estou sendo consumido pela ansiedade de que meus filhos não fiquem por perto por muito tempo (Irvine observa a importante diferença entre contemplar e se preocupar).

Eu sei que as probabilidades dessa realidade são extremamente pequenas. É mais um reconhecimento de que você nunca sabe quando as coisas e pessoas que você ama podem não estar mais aqui.

Realmente faz diferença na minha mentalidade, gratidão geral e principalmente – como talvez seja esperado nesta fase de crianças pequenas – minha paciência.

Se meu filho pequeno está demorando uma eternidade para escovar os dentes, ou minha filha de 1 mês decide que não vai dormir a menos que seja abraçada e balançada, pareço mais capaz de lidar quando imagino brevemente uma vida sem eles.

Também deve ser ressaltado que este exercício não me deixou triste ou amuado, como você poderia esperar.

Em vez disso, me fez transbordar de gratidão pelos dias que nos são concedidos, e posso dizer que aprecio verdadeiramente todas as bênçãos que a vida tem a oferecer, desde minha esposa e filhos, até a alegre canção de um pássaro na minha janela em um dia agradável de primavera.

Coisas ruins – que inevitavelmente acontecem com todos nós – são roubadas de pelo menos um pouco de seu poder quando antecipamos suas possibilidades e, consequentemente, tiramos proveito de cada dia, hora e momento dado a nós.

A dor da perda não é tão aguda quando podemos afirmar com sinceridade que esprememos cada gota de alegria do que possuímos e de quem amamos quando estavam conosco.

Como o reverendo William Sloane Coffin disse ao louvar seu filho de 24 anos, Alex:

Há muito do caminho da consolação. Porque não há perguntas sem resposta e, porque Alex e eu simplesmente adorávamos um ao outro, a ferida para mim é profunda, mas limpa. Eu sei o quão sortudo sou!”

2. Memento Mori – meditar sobre a morte

Táticas estoicas antigas para uma vida moderna

Vamos preparar nossas mentes como se tivéssemos chegado ao final da vida. Não vamos adiar nada. Vamos equilibrar os livros da vida todos os dias… Aquele que dá os toques finais em sua vida todos os dias nunca fica sem tempo ”. — Sêneca

Relacionado ao ponto acima, memento mori é meditar sobre a sua morte, em vez de seus entes queridos.

Enquanto que a visualização negativa é sobre imaginar a vida sem as coisas que você ama, memento mori pede para meditar e estar ciente de que você não vai, de fato, viver para sempre.

A morte vem para todos nós, incluindo você, querido leitor.

Porém, vivemos em uma cultura bastante avessa à morte. Em geral, temos muito medo dela.

Os estoicos argumentariam, no entanto, que se você viveu uma vida de propósito e significado, não deve ter medo de algo que naturalmente acontece a todo e qualquer ser humano (e a todos os outros seres vivos) desde sempre.

Agora, meditar sobre a sua própria morte não é o mesmo que perguntar algo como “Se você soubesse que este era seu último dia na Terra, o que você faria?”

Nesse cenário, eu mataria o trabalho, faria meus amigos e minha família fazerem o mesmo e faria algo memorável com eles.

Eu comeria um monte de comida gostosa, que faz mal para a saúde, beberia um pouco de uísque, ficaria acordado a noite toda, etc.

Mas essas não são coisas que você pode fazer diariamente. Em vez disso, a pergunta é mais como “Se você não acordar de manhã, ficaria satisfeito com a forma como seu último dia foi gasto?”

Você se envolveu totalmente no trabalho? Você amou sua família e seus amigos? Você contribuiu para o bem maior da sociedade? Você tomou decisões virtuosas?

Quando me faço essa pergunta, como no ponto anterior, não é uma meditação que me leva à depressão ou ansiedade.

Eu percebo que a probabilidade de eu morrer amanhã é muito pequena; estou simplesmente considerando o fato de que isso é possível.

E essa possibilidade não é desmoralizante, mas revigorante. Isso me faz muito menos propenso a perder tempo.

Se eu for embora amanhã, prefiro gastar um pouco de tempo assando um pão em vez de jogar no meu celular.

Eu preferiria passar o tempo lendo histórias para meu filho na hora de dormir (todas as palavras) ao invés de acelerar para assistir outro episódio de Nailed It (que é ótimo, não me entenda mal).

Ao longo do dia, ou apenas no final dele, reflita sobre suas atividades e decisões. Tanto as boas quanto as ruins.

Se este dia fosse o seu último, você ficaria satisfeito com o resultado? O que você teria feito diferente? Como você mudaria suas interações com os outros? Como você pode usar essas informações para tomar melhores decisões e se engajar em atividades que valham mais a pena amanhã?

Faça disso uma ação. Como os próprios estoicos teriam perguntado, de que adianta a filosofia se não houver impacto em como vivemos o dia a dia?

Eu também descobri que é bom ler ocasionalmente memórias sobre morte. Um dos meus livros favoritos de todos os tempos é O Último Sopro de Vida, de Paul Kalanithi.

Ele escreveu o livro enquanto estava morrendo de câncer de pulmão aos 30 anos, casado e com uma criança pequena. Eu li duas vezes – quando meus dois filhos tinham apenas alguns dias de vida.

Ele fornece uma perspectiva inigualável sobre o que significa não apenas morrer bem, mas reconhecer sua realidade: “O fato da morte é inquietante. No entanto, não há outro jeito de viver.”

Mesmo em seus meses finais, ele manteve um incrível senso de positividade: “Mesmo se eu estiver morrendo, até que eu realmente morra, ainda estou vivendo.”

Se as palavras de pessoas que estão morrendo não inspiram você a viver mais a cada dia, então nada vai inspirar!

3. Definir objetivos internos e desvincular-se dos resultados

Táticas estoicas antigas para uma vida moderna

Um dos pilares da filosofia estoica é não deixar que circunstâncias fora do seu controle perturbem seu equilíbrio.

“Algumas coisas estão sob nosso controle, enquanto outras não estão. Sob o nosso controle estão a opinião, a motivação, o desejo, a aversão e, em uma palavra, o que quer que seja do nosso próprio fazer; não estão sob nosso controle o nosso corpo, nossa propriedade, reputação, cargo e, em uma palavra, o que não é de nosso próprio fazer”. — Epiteto

Essas circunstâncias ditadas externamente incluem coisas que estamos acostumados a pensar que não estão em nossas mãos, como o clima, o trânsito e a saúde (e a dos nossos entes queridos).

Mas também inclui coisas que muitas vezes acreditamos erroneamente ter total controle, como os resultados de concursos e o sucesso ou fracasso de empreendimentos de negócio.

Como uma ajuda para apreender uma verdade que nós frequentemente resistimos, Irvine dá o exemplo de uma partida de tênis.

Você pode definir uma meta de ganhar a partida. Parece perfeitamente razoável, não?

Mas quando você realmente pensa sobre isso, você não pode controlar muitos dos fatores que determinam o resultado do jogo:

  • O clima é ruim e as rajadas de vento não estão te favorecendo;
  • Você experimenta falha de equipamento (como uma corda quebrada) que não é desastrosa, mas uma distração;
  • Seu oponente está simplesmente melhor preparado do que você (ou talvez apenas seja melhor, ponto final);
  • Você torce um tornozelo no meio da partida e não pode continuar.

Se seu objetivo é vencer, e qualquer uma dessas coisas acontecer, você ficará bastante chateado.

Reconhecer que grande parte da vida está fora do seu controle não significa desistir do seu senso de atuação; em vez disso, significa focar nas únicas áreas em que você tem controle total: suas próprias ações.

Em vez de se concentrar nos resultados – que são afetados por circunstâncias externas fora do seu controle – estabeleça metas estritamente relacionadas aos seus próprios esforços.

Em vez de estabelecer uma meta para vencer a partida, estabeleça o objetivo de se preparar da melhor maneira possível, treinar o máximo que puder e depois jogar com o melhor de suas habilidades.

Se você fizer essas coisas e ainda perder, não há nada mais que você poderia ter feito, então por que se preocupar?

Em vez de definir uma meta de conseguir o emprego no qual está sendo entrevistado, estabeleça como meta preparar-se bem, vestir-se corretamente e responder a todas as perguntas da melhor maneira possível.

Se você fizer tudo isso e não conseguir o emprego, não era para ser (os estoicos argumentariam).

Em vez de estabelecer uma meta de conseguir uma namorada, priorize ser um bom partido.

Coma bem, exercite-se, tenha um emprego estável, vista-se bem e trace uma meta de convidar alguém para sair X vezes por mês até conseguir um sim.

Minha própria esperança em relação a este artigo não deveria ser, e verdadeiramente não é, que ele seja compartilhado ou retuitado X vezes.

Eu não posso controlar o que se torna viral e o que não se torna. Não vale a pena pensar ou se preocupar com os caprichos da internet.

Leia:  5 dicas extremamente simples e acessíveis para você dormir melhor

Em vez disso, meu verdadeiro objetivo era fazer toda a pesquisa que pudesse e escrever, organizar e editar o artigo com o melhor de minhas habilidades, para que aqueles que o lessem tivessem a melhor chance possível de se envolver de forma significativa e colocar algo em prática.

Quando você estabelecer metas, as atribua ao que você pode controlar – seus próprios esforços e atitudes – e desvincule-as daquilo que você não pode controlar – seu resultado final.

4. Desconforto bem-vindo

Táticas estoicas antigas para uma vida moderna

Uma prática que os estoicos defendiam era aceitar um certo grau de desconforto em suas vidas. Eles não teriam, por um tempo, certos prazeres – comida, bebida, sexo.

A natureza misturou o prazer com as coisas necessárias – não para que busquemos o prazer, mas para que a adição do prazer possa tornar os meios de existência indispensáveis atraentes aos nossos olhos. Se reivindicar direitos próprios, é luxo. Vamos, portanto, resistir a essas falhas quando elas exigirem entrada, porque, como eu disse, é mais fácil negar-lhes a entrada do que fazê-las partir”. — Sêneca

Eles se colocariam em más condições do tempo (e com poucas roupas). Eles evitavam as riquezas (e até elogios) de modo a não aprenderem a se apegar a essas coisas. Eles até mesmo deliberadamente se sujeitavam ao ridículo.

Essas práticas eram bastante contrárias à visão epicurista das coisas, que era, em última instância, buscar o prazer.

Os estoicos sabiam, no entanto, que, ao aceitar desafios, eles eram, na verdade, muito mais contentes e satisfeitos do que seus colegas epicuristas.

Para ser epicurista – aquele que basicamente procura as coisas da vida que parecem as melhores – você tem que estar sempre experimentando prazer. Você está basicamente vivendo de doses constantes de dopamina.

Mas, essas sensações ficam menos intensas depois de um tempo, e você precisa de doses cada vez maiores para manter seus sensores de prazer ativados no mesmo nível.

Uma vez que você começa a correr na “esteira hedônica”, o contentamento real torna-se frustrantemente elusivo.

Vamos mostrar isso com um breve exercício de reflexão.

É simples: você quer permanecer fresco quando está quente lá fora. É uma inclinação natural. Então você liga o ar-cindicionado em casa para um frio de 18°C, enquanto o lado de fora está 35°C.

Ahhh, você se sente bem, não é?

Você se acostuma com essa sensação de conforto, e até o prazer de ficar tão fresco. Mas agora, para se sentir confortável, você também precisa sentir que está fresco onde quer que vá.

Você precisa ligar o carro 10 minutos antes, para que ele esfrie o suficiente para que você fique confortável, senão você se sentirá miserável.

Você precisa que seu local de trabalho, seu restaurante favorito, todos os estabelecimentos em que você entra, estejam refrigerados. Se, Deus me livre, o ar-condicionado quebrar, você está ferrado.

Um amigo te convida para um jogo de bola ao ar livre? Você vai, mas não vai gostar porque vai estar muito quente. É tudo em que você poderá se concentrar.

Considere o cenário alternativo. Sim, você liga o ar-condicionado em casa, mas no carro você simplesmente abaixa as janelas e deixa-se aquecer um pouco se estiver quente lá fora.

Em vez de exercitar-se na sua geladeira no porão, você vira um pneu lá fora, a fim de suar um pouco. Em alguns aspectos, você aceita sentir calor de vez em quando para se sentir contente em qualquer situação.

O ar-condicionado quebrou? Não é nada demais, você pode se ajustar.

Convidado para um jogo de bola em uma onda de calor? Claro que sim! Você gosta de futebol e se contenta em apenas estar no jogo, independentemente do clima.

Você é um homem tranquilo que não se incomoda com o que o mercúrio lê no termômetro.

Não é uma maneira melhor de viver?

É um exemplo bobo e superficial, mas o princípio vale para qualquer prazer na vida. Se o seu prazer e conforto depender muito disso, você se transformará em um rabugento frágil e petulante quando não o tiver.

Irvine apresenta três benefícios específicos de, às vezes, aceitar desconforto e intencionalmente renunciar a prazeres (com um exemplo de como uma prática específica – periodicamente abstendo-se de álcool – poderia se manifestar):

  1. Nos fortalece para quaisquer infortúnios que possam surgir no futuro. (Se a sua saúde mudar, e o médico lhe proibir de beber álcool, ter praticado períodos regulares de sobriedade irá ajudá-lo a passar facilmente por esse período.)
  2. A ideia desses infortúnios não nos causará ansiedade, porque sabemos que podemos resistir e até mesmo nos contentar em praticamente qualquer cenário. (Você pode esperar uma festa de aniversário com amigos em que você sabe que haverá bebida; você não será oprimido por não poder se divertir, porque sabe que pode curtir as coisas sem álcool.)
  3. Isso nos ajuda a apreciar os prazeres que temos, quando os temos. (Se você receber um atestado saudável, apreciará muito mais o drinque de uísque que poderá desfrutar com os amigos.)

Esta é uma das práticas mais associadas ao estoicismo, e há várias coisas específicas que você pode fazer para aceitar o desconforto em sua vida e fortalecer sua determinação geral:

  • Tome banhos frios.
  • Segure/tente acalmar um bebê chorando enquanto permanece completamente tranquilo.
  • Exercite-se ao ar livre em clima rigoroso (talvez sem camisa, sapatos, etc.)
  • Mantenha sua casa em uma temperatura mais alta no verão e uma temperatura mais baixa no inverno (não congele sua família; seja razoável!).
  • Não coma nada além de arroz/feijão por uma semana (ou um mês).
  • Faça jejum de comida completamente por 24 horas uma vez por mês.
  • Encare situações desafiadoras nas quais você não está confortável (viagem/férias com seus filhos, vá a um evento que não quer participar, converse com estranhos, seja voluntário em uma cozinha).
  • Faça trabalho manual em sua casa ao invés de contratar alguém.

Existem inúmeras maneiras de aceitar algum desconforto em sua vida, e pode e será diferente para cada pessoa. Encontre o seu e enfrente-o.

Como Irvine astutamente observa, “o ato de renunciar ao prazer pode ser prazeroso”. Encare o desafio!

5. Perseguir vigorosamente o caráter e a virtude

Táticas estoicas antigas para uma vida moderna

Para os estoicos, a melhor maneira de viver bem era buscar a virtude.

Todo dia eu reduzo o número dos meus vícios.” — Sêneca

William Irvine até escreve: “O que, então, uma pessoa deve fazer para ter o que os estoicos chamariam de boa vida? Seja virtuoso!”

Ao nos tornarmos pessoas melhores – pessoas de grande caráter – nós naturalmente encontraremos satisfação, mas também faremos contribuições maiores para a sociedade como um todo no processo.

Como isso pode acontecer, você pergunta?

Se você está comprometido com a virtude, você não faria mais trabalho voluntário? Estaria mais propenso a ajudar um estranho em necessidade?

Você não assumiria o papel de líder da vigia noturna da vizinhança ou treinador da liga infantil? Você seria mais propenso a dizer “sim” quando um favor é solicitado?

Essas são todas as coisas que melhoram nossas comunidades e são subprodutos naturais de alcançar maior virtude e caráter pessoal.

Mas como alguém se torna mais virtuoso? Como você desenvolve seu caráter e o exercita na vida diária?

Felizmente, há várias boas opções (muitas das quais já abordamos em detalhes):

Pergunte-se regularmente: “O que o melhor “eu” faria nesta situação?”

O padre James Martin trouxe essa ideia em seu livro A Sabedoria dos Jesuítas Para (Quase) Tudo.

Todos nós temos uma versão ideal de nós mesmos em nossa cabeça. Essa versão come melhor, se exercita mais, é um pouco mais paciente com sua esposa e filhos, não perde tempo no trabalho, etc.

Para agir de forma mais consistente e alinhada a esse ideal, simplesmente pergunte o que o seu melhor “eu” faria, ou como o melhor “eu” decidiria, em qualquer cenário:

Meu melhor “eu” levaria dois minutos para usar o fio dental pela manhã?

Meu melhor “eu” escolheria um ovo cozido para fazer um lanche ou um biscoito?

Meu melhor “eu” ligaria para os pais e avós com um pouco mais de frequência?

Meu melhor “eu” assistiria pornografia?

Meu melhor “eu” escreveria mais cartas para velhos amigos como forma de manter contato?

Meu melhor “eu” teria um pouco mais de paciência com as rotinas prolongadas da hora de dormir de seus filhos?

Meu melhor “eu” iria gritar e mostrar o dedo para o cara que o cortou na estrada?

Meu melhor “eu” perderia tempo de trabalho para mexer no seu time de fantasy?

Meu melhor “eu” leria um livro no aplicativo Kindle ou jogaria outro nível de Candy Crush?

Meu melhor “eu” conseguiria namorar com a esposa ou passaria outra noite sem conversa assistindo TV no sofá?

Meu melhor “eu” beberia mais um drink?

Meu melhor “eu” iria ao funeral distante do pai de uma amiga querida?

Meu melhor “eu” seria voluntário para limpar um parque em uma manhã de fim de semana, ou ele dormiria?

Sao perguntas tão simples de fazer, mas notavelmente poderosas.

E estes não são apenas exemplos teóricos. Algumas delas são as mesmas perguntas que tenho feito a mim mesmo desde que li o livro do Pe. Martin no final do ano passado.

E embora eu nem sempre siga o que eu sei que o meu melhor “eu” faria (particularmente quando se trata de biscoitos), eu tenho visto grandes avanços em minha capacidade de tomar decisões mais virtuosas consistentemente e estou lentamente me aproximando desse ideal.

Siga o plano de virtudes de Benjamin Franklin. Aos 20 anos de idade, Franklin estabeleceu uma grande meta para si mesmo: atingir a perfeição moral.

Para isso, ele desenvolveu um plano de 13 semanas para melhorar em 13 áreas ou virtudes.

Ele se concentrava particularmente em uma a cada semana, enquanto também acompanhava seu progresso com as outras.

Embora Franklin nunca tenha alcançado a perfeição, com o tempo ele viu seus erros diminuírem, e disse isso sobre seu programa mais tarde em sua vida:

Eu nunca cheguei à perfeição a qual tinha sido tão ambicioso de obter, mas fiquei muito aquém disso, mesmo assim eu sou, pelo esforço, um homem melhor e mais feliz do que eu seria se não tivesse tentado isso.”

Pergunte “Que bem devo fazer hoje?” Outra das ideias de Franklin sobre sua própria busca de ser mais virtuoso.

Todas as manhãs ele fazia a si mesmo essa pergunta, e todas as noites ele refletia com “que bem eu fiz hoje?”

Esta pergunta fará com que você se concentre menos em suas idéias de “eu quero mudar o mundo” e mais em fazer gentilezas diárias para e para seus semelhantes.

Seja escrevendo uma carta para casa, ajudando uma senhora com as compras, ou talvez até mesmo elogiando alguém (sua esposa, um estranho, qualquer um!), às vezes as coisas pequenas mudam o mundo muito mais.

Desenvolva um código de princípios. Como você pode buscar a virtude se não tiver certeza dos princípios que orientam sua vida?

Massimo Pigliucci escreve em How to be a Stoic: “a questão de como viver é central. Como devemos lidar com os desafios e vicissitudes da vida? Como devemos nos conduzir no mundo e tratar os outros?”

Você precisa de algum tipo de guia para responder melhor a essas perguntas; as respostas não vão sair do nada.

Os estoicos pensavam que havia uma Verdade universal que poderia ser descoberta pela contemplação das leis da natureza.

Você pode escolher um caminho de estudo diferente.

Seja através de textos religiosos, ideias filosóficas ou alguma combinação deles, obtidos através da sua leitura e reflexão rigorosas (à la Winston Churchill), deve ser seu objetivo adquirir um conjunto definido de princípios e valores aos quais você vai aderir diariamente em sua vida.

Se você não sabe por onde começar, procure por textos religiosos clássicos. De lá, mergulhe em várias escolas de filosofia.

O que ressoa em sua alma? Quais são algumas práticas e/ou disciplinas espirituais com as quais o seu “eu” ideal se comprometeria?

Falando de disciplinas…

Pratique regularmente as disciplinas espirituais. Embora chamado de “espiritual” porque seu propósito original era aproximar o praticante de Deus, essas disciplinas podem ser usadas por qualquer pessoa para desenvolver o caráter e “treinar a alma”.

Do jejum à busca da solidão, ao serviço e à gratidão, há uma série de disciplinas que orientaram e fortaleceram pessoas de propósito maior por milhares de anos.

Escolha uma dessas ideias, fique com ela e veja o que acontece.

A única coisa que impede você de alcançar maior caráter e virtude é você mesmo.

Se você realmente, de todo o coração, buscar a tarefa – tornar um objetivo de fato ficar verdadeiramente embebido de virtude – você dará passos largos, e como mencionado acima, você vai melhorar sua comunidade ao mesmo tempo.

O estoicismo é uma filosofia rica, mas não é apenas para contemplação. Cheio de verdades antigas, tem inúmeras aplicações modernas.

Coloque-as em prática e pratique a arte de viver.

Este artigo é uma tradução do Awebic do texto originalmente publicado em Art of Manliness escrito por Jeremy Anderberg.

Imagens: pexels.com e pixabay.com

Compartilhe este texto com seus amigos e ajude-os a praticar a arte de viver!