Mente

Sim, você tem um sexto sentido e deve confiar nele

Muito do que você sabe, você sabe sem saber como sabe.

Diferenças como o quanto os olhos de cada pessoa estão “sorrindo” se tornam aparentes quando você olha de perto, mas como você sabia que enrugar ao redor dos olhos transmite felicidade genuína, enquanto a ausência de tal enrugamento significa que uma pessoa está fingindo?

Por exemplo, quando você compara os sorrisos dessas duas imagens, você sabe, sem pensar no porquê, que uma é real e uma é falsa.

Sexto sentido Sexto sentido

Da mesma forma, se você estivesse sentado em um restaurante barulhento com os olhos fechados e alguém passasse perto de você, digamos, perto do seu lado esquerdo, sentiria a presença dele – mesmo que não emitisse nenhum som.

Essa consciência vem automaticamente, sem você precisar pensar: “Hmm. O ruído do restaurante no meu ouvido esquerdo ficou mais quieto do que o ruído no meu ouvido direito, portanto uma sombra sonora deve ter passado pelo meu lado esquerdo e a fonte mais provável seria um humano andando.

Ainda outro exemplo de “saber sem saber” é a maneira que o seu cérebro localiza sons.

Novamente, com os olhos fechados, se alguém fosse estalar os dedos acima da cabeça no seu lado direito, você seria capaz de apontar com precisão na direção do som, e até mesmo calcular o quão longe estava, sem analisar conscientemente como você conseguiu realizar esse feito.

(Mas caso você esteja curioso: Seu cérebro localiza os sons em três dimensões, comparando o tempo de chegada e as diferenças de intensidade do som em suas duas orelhas, bem como inspecionando cuidadosamente a frequência ou “tom” do som, que muda com a distância do som devido às propriedades de filtragem de frequência do seu ouvido externo, cabeça e ombros).

Finalmente, se você conheceu duas pessoas do sexo oposto que eram igualmente (visualmente) atraentes, você provavelmente se sentiria sexualmente atraído por uma mais do que a outra, sem perceber que seu nariz está sentindo substâncias químicas transmitidas pelo ar de uma dessas pessoas, indicando que essa pessoa era melhor para o acasalamento do que a outra.

(As substâncias no odor corporal transmitem dados sobre a constituição genética de um indivíduo, que por sua vez são relevantes para a adequação das crianças que você pode produzir com esse indivíduo.)

Cada um desses exemplos tem explicação científica versus paranormal.

Sexto sentido

A detecção de expressões faciais falsas versus genuínas, o movimento do som sombreado e a distância de uma fonte sonora são exemplos de um fenômeno chamado “aprendizado implícito”.

Embora normalmente devamos prestar atenção aos eventos para que eles sejam armazenados em memórias que mais tarde podemos recordar conscientemente, é possível acessar inconscientemente as memórias formadas por associações às quais não prestamos atenção explícita.

Leia:  13 coisas que você deve abandonar se quiser ser bem-sucedido

Por exemplo, normalmente vemos e ouvimos a fonte de um som.

Mas depois de experimentar muitos pares de informações visuais (que transmitem informações extremamente precisas sobre a localização) com informações acústicas (que carregam informações muito menos precisas), nossos cérebros aprendem implicitamente que o conteúdo espectral (frequência ou tom) de sons vindos de cima de nossas cabeças é diferente da composição espectral de sons vindos de baixo de nossas cabeças.

Da mesma forma, observando que os níveis de som em um ouvido diminuem quando alguém passa por nós, nosso cérebro inconscientemente aprende que as sombras sonoras se correlacionam com alguém (ou algo) passando por nós.

E podemos distinguir um sorriso falso de um real, lembrando inconscientemente os contextos em torno dos quais vimos pessoas sorrirem no passado.

“Sorria para a câmera” geralmente produz sorrisos falsos; reações espontâneas a piadas provocam as verdadeiras.

Mas nem toda consciência inconsciente é aprendida.

A localização dos sons da esquerda para a direita é programada em nossos cérebros com circuitos inatos, que analisam a diferença de tempo e intensidade dos sons ouvidos nos dois ouvidos – sons à nossa esquerda, por exemplo, chegam mais cedo no ouvido esquerdo do que no direito e também são mais altos no ouvido esquerdo.

As respostas aos sinais químicos no odor do corpo provavelmente também estão ligadas a nós no nascimento.

É útil estar ciente de que estamos cientes das coisas – tanto aprendidas quanto inatas – mesmo que não tenhamos consciência do motivo pelo qual estamos cientes, porque essa consciência pode diminuir as dúvidas pessoais prejudiciais.

Servindo como psicoterapeuta voluntária por sete anos em uma clínica gratuita no sul da Califórnia, notei que os clientes geralmente desenvolviam baixa autoestima, em parte porque desconfiavam – e, portanto, desvalorizavam – suas próprias percepções e intuições.

Quando perguntados por que duvidavam de si mesmos, muitos clientes diziam algo como: “Não tenho uma boa razão para acreditar em x, y ou z “, pois não conseguiam acessar conscientemente as experiências (ou, às vezes, percepções inatas) que davam origem a seus sentimentos.

A moral da história é que existem razões cientificamente válidas para confiar em seus sentimentos, percepções e intuições, mesmo quando você não consegue sentir como as sente.

Você tem um sexto sentido, e um sétimo e um oitavo – e muito mais.

Referências

Este artigo é uma tradução do Awebic do texto originalmente publicado em Psychology Today escrito por Eric Haseltine Ph.D.

Imagens: pexels.com e pixabay.com

Compartilhe este texto com seus amigos!