Mente

A paz de espírito: Sêneca sobre o antídoto para a ansiedade

“A verdade é que sabemos muito pouco sobre a vida, não sabemos realmente quais são as boas notícias e quais são as más notícias”, observou Kurt Vonnegut ao discutir Hamlet durante sua influente palestra sobre as formas das histórias.

“Todo o processo da natureza é um processo integrado de imensa complexidade e é realmente impossível dizer se algo que acontece é bom ou ruim“, escreveu Alan Watts, uma geração antes em seu caso de aprender a não pensar em termos de ganho ou perda.

Ainda assim, a maioria de nós passa parte do dia se preocupando com a perspectiva de eventos que julgamos serem negativos, possíveis perdas causadas pelo que percebemos como “más notícias”.

Na década de 1930, um pastor classificou a ansiedade em cinco categorias de preocupações, quatro delas imaginárias e a quinta, “preocupações que possuem uma base real”, ocupando “possivelmente 8% do total”.

Um ciclo de notícias de 24 horas, que ataca essa propensão humana, inegavelmente agravou o problema e inflou os 8% para aparecerem como 98%.

Mas, no cerne dessa distorção da realidade, está uma antiga tendência da mente, tão conectada com nossa psique que existe independentemente de eventos externos.

Antídoto da ansiedade para Sêneca

O grande filósofo romano do primeiro século, Sêneca, examinou-o, e seu único verdadeiro antídoto, com insight incomum em sua correspondência com seu amigo Lucílio Júnior, mais tarde publicado como Cartas de um Estoico (biblioteca pública) – o tesouro atemporal de sabedoria que nos deu Sêneca na verdadeira e falsa amizade e na disciplina mental de superar o medo.

Em sua décima terceira carta, intitulada “Sobre medos infundados”, Sêneca escreve:

Há mais coisas…que podem nos assustar do que nos esmagar; nós sofremos com mais frequência na imaginação do que na realidade.

Com um olho no hábito humano autodestrutivo e cansativo de nos prepararmos para o desastre imaginário, Sêneca aconselha seu jovem amigo:

O que eu aconselho que faças é não seres infeliz antes da crise chegar; pois pode ser que os perigos ante os quais estremeceste como se te estivessem a ameaçar, nunca irão acontecer; certamente ainda não chegaram.

Assim, algumas coisas atormentam-nos mais do que deveriam; algumas atormentam-nos antes do que deveriam; e algumas atormentam-nos quando não nos deveriam atormentar.

Temos o hábito de exagerar, imaginar ou antecipar a tristeza.

Antídoto da ansiedade para Sêneca

Sêneca, em seguida, oferece uma avaliação crítica de preocupações racionais e irracionais, usando uma retórica elegante para iluminar a tolice de desperdiçar nossas energias mentais e emocionais na última aula, que compreende a grande maioria de nossas ansiedades:

É provável que alguns problemas nos acometam; mas não é um fato presente. Quantas vezes o inesperado aconteceu! Quantas vezes o esperado nunca acontece! E mesmo que seja ordenado, o que valerá para se encontrar com o seu sofrimento? Você sofrerá em breve, quando chegar; por isso espere ansiosamente por coisas melhores.

O que você ganha ao fazer isso? Tempo. Haverá muitos acontecimentos, entretanto, que servirão para adiar, ou para terminar, ou para transmitir a uma outra pessoa, as experimentações que estão próximas ou mesmo em sua própria presença.

Um incêndio abriu o caminho para a fuga. Os homens foram derrotados por uma catástrofe. Às vezes o movimento da espada é parado na garganta da vítima. Alguns homens sobreviveram aos seus próprios carrascos. Mesmo a má fortuna é inconstante. Talvez venha, talvez não; entrementes, agora, não é. Então, esperemos coisas melhores.

Dezesseis séculos antes de Descartes examinar a relação vital entre o medo e a esperança, Sêneca considera seu papel na mitigação de nossa ansiedade:

A mente às vezes modela para si as formas falsas do mal, quando não há sinais que apontem para algum mal; interpreta da pior forma alguma palavra de significado duvidoso; ou imagina algum rancor pessoal ser mais sério do que realmente é, considerando não quão irritado o inimigo está, mas a que extensão poderá chegar sua ira.

Mas a vida não vale a pena ser vivida, e não há limites para nossas dores, se entregarmos nossos medos ao máximo possível; neste assunto, deixe a prudência ajudá-lo, e despreze o medo com um espírito resoluto mesmo quando ele está à vista. Se você não pode fazer isso, combata uma fraqueza com outra, e tempere o seu medo com esperança.

Não há nada tão certo nesse assunto de medo como as coisas que tememos darem em nada e que as coisas as quais esperamos zombarem de nós. Consequentemente, pese cuidadosamente as suas esperanças, assim como seus temores, e sempre que todos os elementos estiverem em dúvida, decida em seu favor; acredita no que você preferir.

E se o medo ganha a maioria dos votos, incline-se na outra direção de qualquer maneira, e deixe de incomodar sua alma, refletindo continuamente que a maioria dos mortais, mesmo quando não têm problemas realmente à mão, certamente os têm esperados no futuro, e tornam-se excitados e inquietos.

Antídoto da ansiedade para Sêneca

Mas o maior perigo da preocupação mal colocada, alerta Sêneca, é que ao nos manter constantemente tensos contra uma catástrofe imaginada, ela nos impede de viver plenamente. Ele termina a carta com uma citação de Epicuro ilustrando esse ponto preocupante:

Leia:  Estudo sugere que dançarinos têm um "sexto sentido" aprimorado

O tolo, com todas as suas outras falhas, também tem isso, ele está sempre se preparando para viver.

Complemente essa parte específica das Cartas de um Estoico com Alan Watts sobre o antídoto à ansiedade, Ítalo Calvino sobre como diminuir sua “preocupação” e Claudia Hammond sobre o que a psicologia da prevenção do suicídio nos ensina sobre o controle de nossas preocupações cotidianas.

Em seguida, revisite Sêneca sobre tirar o máximo proveito da vida e a chave para a resiliência quando a perda nos atinge.

Você gosta do Estoicismo? As palavras de Sêneca te ajudam a aliviar a ansiedade? Comente!

Este artigo é uma tradução do Awebic do texto originalmente publicado em Brain Pickings escrito por Maria Popova.

Imagens: pexels.com e pixabay.com

Compartilhe este conteúdo com seus amigos ansiosos!