in ,

Por que você precisa se permitir ser quem realmente é agora mesmo

Como você se sente sobre como você parece dentro do contexto da sua vida? É o “você” verdadeiro?

Você sente que você pode ser quem é, não importando a situação social em que esteja?

Se você sente regularmente que você não pode apenas relaxar e ser você mesmo, você provavelmente está farto disso.

Há uma grande chance também de você colocar diferentes máscaras tão por hábito que nem se dá conta do que está fazendo. Talvez tenha feito isso por toda a sua vida.

Você deve se sentir cansado e nem sabe o porquê.

Eu tenho escrito ultimamente sobre síndrome de Burnout [esgotamento físico], exaustão e conservação de energia.

É um grande dreno na nossa mente, corpo e alma fingir frequentemente ser ou sentir como se você precisasse ser alguém mais.

Do mesmo modo, é exaustivo agir regularmente como se você sentisse de um jeito, quando na verdade sente de outro. Mas você não se permite (ou não se sente seguro) para expressar a sua verdade.

Por que você deve se permitir ser quem realmente é

Uma amiga e colega minha, a psicóloga clínica Merry Lin, escreveu francamente sobre a sua jornada através da descoberta da síndrome de Bornout em seu livro “The Fully Lived Life“.

(Esse livro foi escrito para uma audiência cristã, mas os pontos que eu extraí são relevantes para qualquer um).

Colocando as máscaras habituais, ela tentava impressionar outros que eram essenciais para transformar e curar sua vida.

Um trecho curto:

Fingir o seu jeito pela vida é a crença de que se você deixar as pessoas conhecerem o seu eu real, elas não vão gostar de você. Talvez pareça que nada do que você faz é o bastante. As fitas que tocam na sua cabeça dizem que se as pessoas realmente conhecerem o que acontece no seu interior, elas perderiam o respeito por você.”


Recomendamos para você:

Redação

Written by Redação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quer um dia mais produtivo? Observe o que você come!

Entenda porque se sentir mal não é tão ruim assim