Mente

Pessoas felizes seguem esses 4 rituais, de acordo com neurocientista

Nós especulamos todos os tipos de maneiras de nos tornarmos felizes.

Mas que melhor maneira existe para descobrir a felicidade do que confiar em um neurocientista?

Uma pesquisa recente de um neurocientista, Alex Korb, encontrou quatro maneiras de nos tornarmos felizes e permanecer assim.

Veja o que sua pesquisa tem a oferecer:

1. Nós devemos aprender o que acontece conosco quando estamos na pior, e por quê

Como ser mais feliz, segundo a neurociência

A pesquisa de Alex Korb – detalhada em The Upward Spiral – pode nos dizer como lidamos com o inimigo mais importante do ser humano; nossos cérebros.

Muitas vezes parece que nosso cérebro está contra nós, especialmente quando estamos nos sentindo cansados, deprimidos ou desmotivados. Para entender por que precisamos saber um pouco sobre nossas mentes.

Vergonha, orgulho e culpa são todas emoções que produzem atividade nas mesmas áreas. Principalmente a satisfação é a emoção mais forte nessas regiões, mas ao ativar o núcleo accumbens, a vergonha e a culpa anulam nosso orgulho.

Essa área do cérebro também é conhecida como centro de recompensa; isso significa que, quando permitimos que os sentimentos ruins assumam o controle, parece estranhamente bom.

É o mesmo princípio de sentir-se nervoso. A ansiedade é uma solução de curto prazo e atinge partes do cérebro que nos acalmam. Também nos faz sentirmos proativos em lidar com nossos problemas.

Apesar disso nos fazer sentir um pouco melhor por um tempo, no longo prazo isso torna tudo pior. Então, o que Korb sugere que façamos para nos acalmar?

Perguntar a nós mesmos pelo que somos gratos.

Em tempos de ansiedade, é comum recorrermos a antidepressivos e outras drogas. Mas existe uma maneira de amenizar o uso desses medicamentos? É quando nos perguntamos pelo que somos gratos.

A gratidão ajuda a liberar dopamina e serotonina no cérebro – ambas melhoram nosso humor, e ambas são impulsionadas por drogas como o Prozac.

Em outras palavras, podemos alcançar os altos níveis que nos são dados pelas drogas apenas procurando em nossas mentes pelo que somos gratos.

2. Nós devemos identificar os sentimentos que nos levam para baixo

Como ser mais feliz, segundo a neurociência

Há muitas vertentes para se sentir “mal”. Poderíamos estar nos sentindo ciumentos, zangados ou amargos, e mesmo que esses três sentimentos sejam frequentemente agrupados, eles têm significados diferentes.

Korb descobriu que rotular um sentimento torna o impacto da emoção mais suave.

Os participantes de um estudo foram orientados a olhar para imagens dos rostos das pessoas, onde cada um expressava uma emoção diferente. O participante assumiu a emoção simplesmente olhando para a imagem, o que aumentou a atividade na amígdala.

No entanto, depois que cada um dos participantes rotulou que emoção estava sendo mostrada, a atividade na amígdala diminuiu novamente. Por quê?

Porque entender a emoção exata reduziu a capacidade da emoção de assumir o controle.

Em outras palavras, reconhecer o modo como você está se sentindo ajuda a dominar as emoções ruins.

Então, como incorporar melhor esse conhecimento para atacar sentimentos ruins?

Praticar a atenção plena é um dos truques mais antigos contidos no livro. Envolve colocar um rótulo em seus sentimentos para ajudar a reduzir seu impacto negativo.

3. Nós devemos ser mais ativos na tomada de decisões

Como ser mais feliz, segundo a neurociência

Os seres humanos frequentemente relatam se sentir melhor depois de tomar uma decisão e permanecer com ela. Há uma boa razão por trás disso.

Tomar uma decisão ativa positivamente o córtex pré-frontal, o que pode reduzir nossa ansiedade e afastar você de quaisquer impulsos negativos.

Leia:  Como a teoria da mente nos ajuda a entender os outros

Tomar uma decisão também é uma forma de resolver quebra-cabeças – concluir o que fazer é uma maneira de resolver o problema, o que reduz a pressão sobre o sistema límbico de nosso cérebro.

No entanto, parte do estresse de tomar uma decisão é decidir se tomamos a decisão certa.

Nós colocamos muita pressão na perfeição, e a pesquisa de Korb sugere que simplesmente tomar uma decisão adequada pode ser melhor do que lutar por uma solução perfeita.

Esse tipo de comportamento ativa as áreas pré-frontais dorsolaterais, as quais estão associadas ao controle, diminuindo, consequentemente, a tensão da situação.

A pesquisa de Korb descobriu que ativamente escolher fazer algo que tenha um bom resultado é ainda melhor do que algo acontecendo apenas por acaso.

Por exemplo, querer ir à academia em vez de ser forçado a ir nos dá um impulso de prazer muito mais proeminente.

Sentir-se inclinado a ir não nos faz sentir positivos sobre a experiência e significa que não obtemos as mesmas liberações de dopamina enquanto estamos nos exercitando.

Entrar na esteira com uma atitude mais positiva é uma escolha ativa e nos faz sentir os benefícios ainda mais depois.

4. Por fim, nós devemos criar o hábito de fazer contato físico humano

Como ser mais feliz, segundo a neurociência

A rejeição emocional é uma das coisas mais dolorosas que um ser humano pode experimentar. Sentir amor e afeto é um estímulo ao nosso humor, mas a recusa nos dá o efeito oposto.

Durante um estudo em que os participantes jogaram uma bola virtual para um parceiro, eles começaram a sentir rejeição quando o parceiro virtual parou de compartilhar a bola.

Estudos dos cérebros dos participantes mostraram que eles sentiram essa rejeição da mesma forma que você sentiria um braço quebrado – fisicamente, na ínsula e cingulado anterior.

Então, se a rejeição social dói tanto, o que acontece quando experimentamos aceitação? O contato físico, mesmo tão simples quanto um aperto de mão, libera oxitocina no cérebro e imediatamente nos dá um impulso.

É por isso que nos sentimos tão bem quando nos aconchegamos ao nosso parceiro ou quando nossos amigos nos abraçam em saudação. Tocar também pode nos ajudar quando estamos com dor.

Durante um estudo em que mulheres casadas foram informadas de que estavam prestes a receber um pequeno choque elétrico, tiveram uma reação mais fraca quando lhes foi permitido segurar a mão do marido.

Outra pesquisa mostra que abraços regulares por quatro semanas podem aumentar sua felicidade.

Isso também pode explicar por que as pessoas gostam tanto de massagens. A conexão humana sentida durante o processo pode aumentar os neurotransmissores positivos em 30% em seu cérebro.

Da próxima vez que você estiver se sentindo pra baixo, agora você sabe que não há razão para deixar isso te consumir. Agora que você tem alguma compreensão de como o cérebro funciona e por que, você pode usá-lo para controlar suas emoções.

Seguir estes quatro rituais regularmente aumentará sua felicidade e deixará você mais à vontade.

Então, o que você está esperando? Pavimente seu caminho para a felicidade.

Este artigo é uma tradução do Awebic do texto originalmente publicado em Peace Quarters escrito por Hayley Anderton.

Imagens: pexels.com e pixabay.com

Por um mundo mais feliz, compartilhe este conteúdo com seus amigos!