Mente

4 coisas que você precisa saber para um relacionamento forte e saudável

Amar não é nada. Ser amado é alguma coisa. Mas amar e ser amado é tudo.” T. Tolis

Relacionamentos nem sempre são fáceis.

Se você não tem ferramentas para se envolver adequadamente com um parceiro e mostrar-se de um jeito saudável, você descobrirá que seu relacionamento é dez vezes mais difícil e propenso a falhar.

Quem dera eu soubesse dessas coisas quando eu comecei a namorar pela primeira vez, minha vida teria sido muito mais fácil.

Se você deseja ter um relacionamento saudável, você deve saber o seguinte:

1. Como se comunicar efetivamente

Coisas para um relacionamento saudável

Meu primeiro amor e eu estávamos juntos há quatro anos e nosso relacionamento falhou porque nós não conseguíamos nos comunicar. Eu não sabia como me expressar efetivamente e eu o culpava por todos os nossos problemas.

Eu nunca parei para pensar sobre a minha parte nisso tudo e em como eu estava falhando em atender as necessidades dele.

Um dos maiores obstáculos que os casais enfrentam, se não o maior obstáculo, é a habilidade de se comunicar apropriadamente. Eu não quero dizer conversar. Eu quero dizer comunicar.

O que nós frequentemente falhávamos em entender é que conversávamos, em vez de ouvir e tentar compreender. Qualquer um pode falar, mas nem todo mundo consegue se comunicar.

Se comunicar significa que você é capaz de expressar suas necessidades de um jeito que pode ser compreendido pelo seu parceiro e você tenta o seu máximo para entendê-lo, bem como suas necessidades.

No momento seguinte você está com seu parceiro e ele está falando, tente ouvir. Sente e ouça e não tente pensar na próxima coisa que você vai dizer ou como você vai contradizer o que ele está falando.

Quando as pessoas sentem-se ouvidas, estão mais abertas ao que você tem a dizer.

Se você não consegue entender ou se recusa a entender o que seu parceiro precisa, porque você está muito focada em esclarecer o seu ponto de vista e ter certeza de que é entendida, então você está falando e não se comunicando.

Você e seu parceiro falam um com o outro? Você sempre sente a necessidade de estar certo e ganhar o argumento?

Se você ganha o argumento, você pode perder algo muito mais valioso. Embora você ganhe a batalha, perderá a guerra.

É um fato conhecido de que homens e mulheres se comunicam de forma diferente. Quanto mais cedo aceitamos isso, mais fácil será parar de ser tão frustrada e aprender a entender um ao outro.

Ao longo da história, homens e mulheres tiveram que se adaptar de forma diferente, logo existe uma diferença no estilo de comunicação.

Estudos têm mostrado que mulheres são capazes de usar os dois lados do cérebro ao mesmo tempo enquanto homens só podem usar um de cada vez.

Homens são protetores e provedores e seu modo de comunicação é a solução para o problema do silêncio.

Enquanto as mulheres são cuidadoras e aprenderam a lidar com diversas situações por meio da conversa e compartilhamento de experiências.

Há muito o que ser dito nesse tópico, uma das razões principais da falha dos relacionamentos.

Aprender a se comunicar com o seu parceiro não apenas servirá para o seu relacionamento, mas servirá para o ambiente de trabalho e em todas as interações humanas.

Um dos meus dizeres favoritas é “Busque primeiro entender para ser compreendido.”

Uma dupla de grandes recursos para qualquer um que quiser aprender a como se comunicar como um casal é o livro “Os homens são de marte, Mulheres são de Vênus” e o livro “Couple Skills” (Habilidades de Casal) de John Gray.

2. Sua linguagem de amor

Coisas para um relacionamento saudável

Em 1995, Gary Chapman, PhD, escreveu um livro afirmando que há cinco linguagens do amor.

Ele insistiu que se você e seu parceiro falam linguagens diferentes, a insatisfação e a infelicidade será constante no seu relacionamento.

Se você é sortudo o suficiente para encontrar alguém que tem a mesma linguagem de amor que você, então que ótimo!

Mas se você não sabe a sua própria linguagem e se difere do seu parceiro, como ele pode saber como fazer você feliz e vice e versa?

Por outro lado, se você não sabe a linguagem de amor do seu parceiro, como você o fará feliz? Se ele é do tipo próximo e você não gosta de contato físico, então vocês nunca combinarão.

As cinco linguagens do amor são:

Toque

Algumas pessoas sentem amor ao serem tocadas. Se tocar é a sua linguagem do amor, você necessita de tapinhas nas costas, abraços, carinho e ter alguém muito próximo de você.

Receber presentes

Outros se sentem amados por receberem presentes e não necessariamente diamantes.

Presentes podem ser flores ou simples toques de afeto, algo que mostre que a pessoa levou um tempo para pensar em você e escolheu ou fez algo que você valoriza.

Tempo de qualidade

Se você quer alguém para dar a sua atenção integral (mesmo que por curtos períodos), então a sua linguagem de amor é tempo de qualidade.

Você deseja alguém que ouça você sem interrupções. Sem televisão. Sem telefone.

Você gosta de compartilhar atividades em conjunto e o próprio ato da companhia de alguém e a interação a dois deixa você feliz.

Atos de assistência

Se você gosta quando o seu parceiro ajuda em coisas da casa porque você está muito ocupado, lave o seu carro ou se lança à lavanderia, então atos de assistência é a sua linguagem do amor.

Palavras de afirmação

Todo mundo precisa de palavras de afirmação em alguma medida.

Mas se você precisa ouvir alguém dizer “eu amo você porque você é muito especial” ou alguém que afirme quem você é. E você se afeta profundamente com insultos, então palavras de afirmação é a sua linguagem do amor.

Meu último namorado era do tipo toque físico. O meu, tempo de qualidade.

Eu sempre tentava estar lá fisicamente por ele, fosse segurando a mão dele enquanto ele dirigia, chegando por trás e abraçando-o enquanto ele se barbeava, deitando perto dele no sofá ou mesmo esfregando o seu pescoço.

O problema veio quando eu disse a ele quando eu disse qual era a minha linguagem do amor e ele não tinha nenhum desejo em atendê-la.

Se o seu parceiro não se importa em amar você do jeito que você precisa ser amado, não do jeito que eles precisam ser amados, você está provavelmente condenado.

3. Seu estilo de ligação

Coisas para um relacionamento saudável

Há três tipos de ligação. Acredita-se que os estilos de ligação são formados durante a infância, nas interações dos pais com os filhos, e quando crescem, impactam seriamente nossas relações.

Leia:  23 pequenos sinais de que você é uma pessoa altamente sensitiva

Há estudos que explicam como a diferença na ligação ocorre, inclusive aqueles realizados pelo psicólogo americano Harry Harlow.

Um dos estudos dele levou bebês macacos para longe de suas mães logo depois do nascimento e os colocou com mães de “arame” ou de “pano” que os alimentou (elas eram capazes de se alimentar por uma garrafa presa a um lado da gaiola), mas sem contato físico e portanto, sem toque acolhedor.

Alguns foram alimentados pela mãe de arame e outros pela mãe de pano.

O estudo revelou que mesmo que a mãe de arame fosse a única fonte de alimento, eles frequentemente buscavam a mãe de pano, o que levou a teoria de que a necessidade por proximidade e afeição vai além da alimentação ou do calor.

Quando esses bebês macacos se tornaram adultos, eles exibiram estranhos padrões de comportamento, incluindo balançar para frente e para trás.

Eles também tinham comportamentos sexuais completamente anormais e agressão mal direcionada.

Eles ignoravam com frequência os próprios bebês até o ponto que morriam.

Se você pegar essas teorias e aplicá-las nos humanos, o indivíduo seguro seria o macaco que foi criado por uma mãe normal e foi alimentado, cuidado e recebeu carinho.

As necessidades deles foram atendidas de todos os modos e se desenvolveram em macacos funcionais normais.

No entanto, esses macacos foram tirados de suas mães e que só receberam alimentação básica, demonstraram comportamentos estranhos e não se adaptaram direito.

Por esta teoria, muitos de nós que fomos presenteados fisicamente, mas não emocionalmente, desenvolvemos um ou dois dos estilos de ligação.

É claro que esses estilos podem ocorrer de forma contínua, então você pode apresentar mais de um tipo do que de outro.

A boa notícia é que padrões de comportamento podem ser mudados com tempo, esforço e conhecimento.

Seguro

Indivíduos seguros se apegam normalmente. Eles não tem medo do isolamento ou de ficar longe do parceiro. Eles não são invejosos ou inseguros.

São capazes de raciocinar com seus parceiros quando as diferenças surgem e se sentem seguros em seus relacionamentos.

Considera-se que mais de metade da população tem um estilo de ligação seguro (55-65 por cento), e eles não terão problemas de relacionamento porque não possuem conflitos emocionais ou internos quando lidam com outra pessoa.

Ansioso

Indivíduos ansioso são inseguros e desconfiam dos outros. Vivem em um estado preocupado de empurrar/puxar e constantemente buscam a validação dos outros.

Eles são super sensíveis à rejeição e podem se tornar possessivos ou grudentos, fazendo com que seus parceiros os afastem, assim, reforçando a sua desconfiança.

Indivíduos ansiosos costumam ter pais que foram inconsistentes em sua atenção, comportamentos e afeição, o motivo pelo qual eles ficam ansiosos quando os parceiros recuam.

O que faz com que apresentem sentimentos de abandono e medo.

Que evita situações e pessoas

Esses indivíduos não buscam proximidade com os outros. Eles são emocionalmente distantes com seus parceiros e frequentemente criam uma identidade falsa para lidar com o mundo.

São capazes de desativar suas emoções rapidamente e serem muito ambivalentes se você decidir deixá-los.

Indivíduos que evitam pessoas e situações geralmente tiveram pais que não foram atentos, depreciativos e que os rejeitaram. Eles são cerca de 20 a 30% da população.

Infelizmente para os do tipo ansioso (como eu), eles são frequentemente chamados do tipo que evitam pessoas/coisas.

Em geral, há mais pessoas assim na esfera do namoro, por causa de sua inabilidade em se envolver, o que significa que eles circulam através dos relacionamentos rapidamente e estão de volta ao cenário do namoro mais vezes do que outros tipos.

Uma vez eu namorei um homem desse tipo em um nível extremo. Era exaustivo namorar com ele. Mas, é claro, fiz de tudo para que desse certo. Eu constantemente procurava garantias.

Ele se recusava a me dar.

O que esse relacionamento me ensinou foi como acalmar minha ansiedade internamente. Desde que eu soube que ele nunca o faria, eu tive que encontrar uma maneira de parar os pensamentos loucos na minha cabeça.

E eventualmente, eu consegui.

Existem muitas maneiras de aprender lidar em uma maneira mais saudável se você está namorando com alguém que é ansioso ou do tipo que evita pessoas e situações.

Um grande recurso é o livro “Attached” de Amir Levine e Rachel Heller.

4. Seu tipo de personalidade

Coisas para um relacionamento saudável

Psicólogos Myers e Briggs afirmam que há 16 tipos de personalidade, o que abrange todos os tipos de humanos.

No entanto, alguns tipos prevalecem mais do que outros.

Conhecer qual o tipo de personalidade que você tem ajuda a entender a si mesmo e ao seu parceiro.

Existem muitos tipos listados aqui, mas eu posso garantir que se você fizer o teste e ler os resultados, eles estarão corretos.

Alguns tipos de personalidade se encaixam melhor do que outros, então por que não adicionar outra ferramenta ao seu arsenal?

Por exemplo, estudos tem mostrado que mulheres extrovertidas se juntarem com homens introvertidos não é uma boa combinação e aqueles parceiros que compartilham compreensão e intuição serão melhores pares.

Eu sou INFJ (diplomata), que é um dos mais raros tipos de personalidade. Por causa da minha intuição, eu geralmente preciso de outro tipo intuitivo (N) e eu não me daria muito bem com um tipo sensorial (S).

Geralmente, eu prefiro parceiros extrovertidos porque eu gosto de um pouco de equilíbrio nas minhas tendências introvertidas.

Faça o teste de personalidadeaqui.

Eu acredito que estas quatro coisas são essenciais para ter um relacionamento mais feliz e saudável e conhecê-las ajuda a entender a si mesmo e ao seu parceiro.

Se você não tem um parceiro, conhecer essas pitadas de informação vão ajudar você a escolher o parceiro certo, não apenas um parceiro.

Quanto mais você sobre si mesmo e quais são as suas necessidades, melhor equipado você está para buscar um bom par.

Só lembre-se que mesmo se você não encontrar o parceiro perfeito de primeira, pode ser porque está em sua vida para ensinar algo.

Está tudo bem.

Este artigo é uma tradução do Awebic do texto originalmente publicado em Tiny Buddha escrito por Carrie L. Burns.

Imagens: pexels.com e pixabay.com

Compartilhe este conteúdo com seus amigos!