Mente

Saiba como se tornar uma pessoa mais proativa e menos reativa

Como a maioria dos garotos americanos, eu jogava beisebol no verão. E por mais clichê que possa parecer, tirei algumas lições importantes da vida dos meus dias no campo.

Um que ficou comigo e que eu penso muitas vezes até hoje é o ditado sobre como pegar bolas rasteiras:

Jogue a bola antes dela te jogar.

Lembro-me de meu treinador repetindo esse mantra enquanto treinávamos bolas rasteiras. “Jogue a bola antes dela te jogar! Jogue a bola antes dela te jogar!”

Quando uma criança está aprendendo a receber uma bola rasteira, sua inclinação natural é ficar parada até que a bola role para ela.

Mas as bolas de beisebol fazem coisas engraçadas quando atingem a grama e a terra. Elas mudam de direção; elas diminuem a velocidade. O que elas não fazem é ir direto para a sua luva.

Se um jogador espera passivamente que a bola venha até ele, nove vezes em dez, ele ficará de mãos vazias.

“Jogue a bola antes dela te jogar” é uma sugestão para os jogadores atacarem a bola e tomarem a iniciativa em bolas rasteiras. É uma chamada para ser proativo e não reativo no campo.

Bons recebedores fazem as jogadas acontecerem; os recebedores ruins só esperam e deixam a bola determinar a jogada.

Seguir o “jogue a bola antes dela te jogar” me fez um recebedor melhor. Sempre que eu atacava uma bola rasteira, as coisas geralmente ficavam melhores comparadas a quando eu esperava a bola rolar para os meus pés.

Não foi até eu ler The 7 Habits of Highly Effective People, de Stephen Covey, quando eu era um calouro no ensino médio que eu percebi que “jogue a bola antes dela te jogar” também serve como uma excelente máxima para a vida.

Seja proativo; não reativo

Em seu livro clássico, o escritor e empresário Stephen Covey expôs sete hábitos que ele acredita que levam a uma vida florescente. Me lembro de ter lido quando tinha 15 anos de idade e fiquei impressionado com seus insights.

Eu tenho relido o livro com 35 anos de idade e, vinte anos depois, Covey ainda me inspira. Que tal esse poder de permanência.

Eu gostei tanto da minha releitura do livro, que decidi fazer uma série mensal, resumir, expandir e focar em cada um dos sete hábitos.

Começamos hoje com o primeiro hábito que Covey mergulha no livro, que estabelece as bases para todos os outros: Seja proativo.

Ser proativo é uma postura que você toma perante o mundo. Requer que um indivíduo aceite a responsabilidade por sua situação (não importa quão terrível) e tome a iniciativa de melhorar as coisas.

Em vez de deixar que suas condições e circunstâncias sejam a força motriz de suas decisões, pessoas proativas permitem que seus valores determinem as escolhas que fazem. As pessoas proativas agem em vez de serem influenciadas.

Pessoas proativas jogam a bola antes de serem jogadas por ela.

Mesmo quando as circunstâncias limitam as escolhas, uma pessoa proativa descobrirá onde ela ainda pode exercer suas ações.

Covey usa o psiquiatra existencial Viktor Frankl como um exemplo supremo de ser proativo, mesmo quando parece que você perdeu toda a sua autonomia.

Como judeu vivendo na Áustria durante a Segunda Guerra Mundial, ele e sua família foram colocados em campos de concentração, onde foram submetidos à crueldade sistemática e esmagadora da alma.

Exceto por ele e sua irmã, todos os membros da família de Frankl foram diretamente executados nas câmaras de gás ou, eventualmente, morreram devido às condições punitivas do acampamento.

Mas foi nessas circunstâncias horríveis que Frankl teve uma epifania que mudou sua vida. Apesar de perder todas as suas liberdades básicas, havia uma liberdade que os guardas nunca puderam tirar dele: como ele reagiria às circunstâncias.

Torne-se uma pessoa mais proativa e menos reativa

“Entre o estímulo e reação existe um espaço. Nesse espaço está o nosso poder de escolher nossa reação”, escreveu Frankl em seu livro seminal, Man’s Search for Meaning.

Os estímulos que Frankl encontrou diariamente foram morte, privação e crueldade. A reação aparentemente inevitável a tais estímulos seria desistir e perder a esperança.

Mas lá no campo de concentração, Frankl percebeu que o estímulo e a reação não estavam unidos. Havia um espaço. Havia uma escolha.

Frankl, consequentemente, escolheu uma reação diferente do padrão. Ele escolheu a esperança. Ele escolheu ajudar seus companheiros de prisão. Ele escolheu não odiar seus capturadores. Ele escolheu encontrar significado em seu sofrimento.

A vida de Frankl representa um arquétipo vívido do que significa ser uma pessoa proativa.

Torne-se uma pessoa mais proativa e menos reativa

Pessoas reativas experimentam estímulo e reação como se estivessem “grudados”.

O oposto de uma pessoa proativa é uma pessoa reativa. Pessoas reativas deixam suas circunstâncias e condições controlá-las. As pessoas reativas pensam que o estímulo e a reação estão necessariamente conectados.

Elas não veem a lacuna entre os dois e acreditam que um determina o outro. Então, se o tempo estiver ruim, uma pessoa reativa ficará de mau humor.

Quando uma pessoa reativa obtém feedback negativo, ela se torna defensiva e amarga. Quando uma pessoa reativa se encontra encurralada, ele reclama disso em vez de encontrar maneiras sair da situação.

Pessoas reativas não agem; elas são influenciadas.

As pessoas reativas deixam a bola da vida jogá-las em vez de jogar a bola.

Círculos de preocupação e influência

Reler o capítulo Covey sobre ser proativo me condenou, pois me permitiu ver que eu tenho muito trabalho a fazer para ser um homem menos reativo.

Intelectualmente, sei que os humores desagradáveis que experimento de vez em quando e as preocupações que sinto diariamente são o resultado de ser reativo e não proativo aos desafios da vida, e ainda assim me encontro recorrendo à linguagem reativa sempre que eu me deparo com um problema:

“Não há nada que eu possa fazer sobre isso …”

“Eu tenho uma personalidade sombria. Eu sou assim mesmo …”

“Bem, o motivo de estar com esse problema é que [inserir nome] é tão imprudente …”

Muitas vezes vejo estímulo e reação como se estivessem grudados. Eu falho em reconhecer o espaço que existe para eu escolher como vou reagir.

Mas Covey tem um modelo mental para ajudar indivíduos que tendem a ser reativos a pensar e agir de forma mais proativa. Chama-se Círculos de Preocupação e Influência.

Torne-se uma pessoa mais proativa e menos reativa

Imagine um círculo, e dentro desse círculo, você coloca todas as suas preocupações: sua saúde, perspectivas de emprego, filhos, finanças, etc. Tudo e qualquer coisa que faça com que você se preocupe ou tire seu sono à noite.

Até as pequenas coisas. Este é o seu círculo de preocupação.

Agora imagine um círculo dentro desse Círculo de Preocupação. Dentro desse círculo, você coloca as preocupações sobre as quais tem alguma ou completa influência.

Sim, sua situação financeira pode embrulhar seu estômago, mas há coisas que você pode fazer sobre isso, como cortar gastos ou pedir um aumento. Este é o seu Círculo de Influência.

Algumas coisas não chegarão ao seu Círculo de Influência e permanecerão apenas no seu Círculo de Preocupação.

Você não pode influenciar o clima, você não pode influenciar a sua sorte, você não pode dizer ao seu corpo para não ter câncer, e você não tem muito controle sobre as decisões de outras pessoas.

De acordo com Covey, o que separa pessoas reativas de pessoas proativas é em que círculo elas gastam a maior parte do tempo, atenção e energia.

As pessoas reativas prestam mais atenção aos itens que estão em seu Círculo de Preocupação – as coisas que têm pouco ou nenhum controle sobre.

Os resultados disso são psicologicamente debilitantes; como Covey observa, esse “foco resulta em culpar e acusar atitudes, linguagem reativa e aumento de sentimentos de vitimização”.

Torne-se uma pessoa mais proativa e menos reativa

Quando você se concentra em seu Círculo de Preocupação, seu Círculo de Influência diminui.

Não apenas se concentrar apenas em seu Círculo de Preocupação faz com que você se sinta um lixo, a sensação resultante de desamparo faz seu Círculo de Influência encolher.

Você desperdiça tanta energia e tempo se preocupando com coisas que você não pode controlar, que você fica paralisado e falha em agir de acordo com as coisas que você pode controlar.

Pessoas proativas, por outro lado, passam mais tempo concentrando-se em seu Círculo de Influência. Quando você se concentra em coisas sobre as quais tem controle, percebe que suas ações afetam o mundo, o que é fortalecedor.

Leia:  10 razões pelas quais os adolescentes de hoje são tão ansiosos

Esse sentimento de poder leva você agir mais, o que faz com que você se sinta mais fortalecido, o que faz você agir mais.

Torne-se uma pessoa mais proativa e menos reativa

Concentrar-se em seu Círculo de Influência cria um ciclo virtuoso de ação que não apenas leva a uma mudança positiva nos itens originalmente naquele Círculo, mas também amplia o que pode ser incluído nele.

À medida que você age mais, você ganha mais competência. E o aumento da competência permite que você tenha mais influência no mundo ao seu redor.

Coisas que anteriormente estavam apenas no seu Círculo de Preocupação serão agora adicionadas ao seu Círculo de Influência. Concentrar-se no seu Círculo de Influência aumenta o seu Círculo de Influência.

Os Círculos de Preocupação e Influência oferecem um poderoso modelo mental, pois ele captura, em um diagrama simples, uma verdade que os filósofos estoicos escreveram milhares de anos atrás e psicólogos cognitivos testaram em laboratórios e clínicas nas últimas décadas.

Para os estoicos, a vida é governada por uma dicotomia de controle. Há coisas sobre as quais você não tem controle (Círculo de Preocupação) e coisas sobre as quais você tem controle total (Círculo de Influência).

Para viver uma vida boa, tranquila e florescente, o adepto estoico se esforça para aceitar a realidade do primeiro, enquanto concentra sua atenção no último.

Psicólogos cognitivos modernos confirmaram o que os estoicos e o Dr. Covey pregaram. Quando nos concentramos em coisas sobre as quais não temos nenhum controle, isso nos estressa.

Um pouco de estresse durante tempos incertos pode ser positivo para preparar a mente e o corpo para o desempenho. Mas se você está estressado com a incerteza o tempo todo, então mudanças não tão boas começam a acontecer em seu cérebro, que criam um ciclo vicioso de ansiedade reativa.

O estresse crônico pode fazer com que sua amígdala – o sistema de alarme de seu cérebro – cresça, o que faz com que você seja mais sensível e reativo ao seu ambiente, tornando-o mais vulnerável à ansiedade, raiva e medo.

Além disso, o estresse crônico pode prejudicar a função executiva, o que dificulta que você julgue com precisão entre ameaças reais e falsas.

Ainda por cima, o estresse crônico prejudica a produção de dopamina, que nosso cérebro precisa para se manter motivado a agir.

Então, de uma maneira literal, se concentrar em seu Círculo de Preocupação faz com que ele se expanda e seu Círculo de Influência diminua.

O estresse que vem de gastar sua energia e atenção em seu Círculo de Preocupação estimula seu cérebro a ver mais problemas do que soluções, reduz sua capacidade de descobrir o que está e o que não está sob seu controle e enfraquece a motivação para agir em situações onde você tem influência.

É um ciclo vicioso.

Como ser mais proativo

Como alguém que tende a se concentrar em seu Círculo de Preocupação, deixe-me dizer que é um trabalho difícil superar essa tendência e se concentrar no Círculo de Influência.

Uma grande parte é provavelmente devido à genética.

Eu sou um pouco neurótico e rabugento por natureza. Assim são outras pessoas da minha família. Somos pessoas preocupadas que se sentem melancólicas e pensam nos piores cenários possíveis.

Embora eu não possa fazer muito para mudar o temperamento com que nasci, isso não significa que eu não tenha controle sobre como reajo ao mundo ao meu redor; ainda há um espaço entre os estímulos e a reação.

Pode ser mais trabalhoso para mim enxergar essa lacuna e ser proativo do que para alguém menos neurótico, mas isso pode ser feito.

Aqui estão algumas coisas que me ajudaram a ter uma postura mais proativa em relação à vida:

Descubra o que há nos seus Círculos de Preocupação e Influência.

Sente-se e faça uma lista de todas as coisas que o preocupam. Mentalmente expurgue toda a sua ansiedade no papel por uns bons 30 minutos. Esta lista representa seu Círculo de Preocupação.

Faça uma pausa e volte para sua lista. Um por um, pergunte-se: “Eu tenho alguma influência sobre isso?”

A influência pode ser pequena. Pode ser “enviar um e-mail solicitando conselhos sobre a preocupação X”. Você pode não receber uma resposta, mas é uma ação que você pode tomar para influenciar o resultado.

Se você puder influenciar o resultado de alguma coisa (mesmo que de maneira pequena), coloque-a na sua lista do Círculo de Influência. Se você estiver com problemas para inserir itens nessa lista, peça a um amigo a opinião deles.

Se você tende a se concentrar no negativo, pode ser útil ter alguém com uma visão mais proativa da vida que mostre a você como você tem controle sobre as coisas em seu Círculo de Preocupação.

O que este exercício lhe mostrará é que você tem mais controle sobre sua vida do que pensa.

Cuidado com a língua.

Uma coisa que Covey sugere para ter uma postura mais proativa e menos reativa em relação à vida é observar sua linguagem em frases reativas ou proativas. A maneira que você fala orienta como você vê o mundo.

Se a maior parte da sua linguagem for reativa, você provavelmente será mais reativo. Se for proativa, você será mais proativo.

Algumas frases reativas para ter cuidado:

  • Não há nada que eu possa fazer.
  • Eu sou assim mesmo.
  • Ele me deixa tão bravo.
  • Eles não permitirão isso.
  • Eu tenho que fazer isso.
  • Eu não posso.
  • Eu devo.
  • Se apenas.

Sempre que você se pegar usando uma dessas frases reativas, substitua por uma proativa:

  • Vamos ver nossas alternativas.
  • Eu posso escolher uma abordagem diferente.
  • Eu controlo como vou reagir.
  • Eu escolho.
  • Eu prefiro.
  • Eu vou.

O que Covey está sugerindo aqui é uma forma de terapia comportamental cognitiva.

Essa prática em particular é semelhante a um exercício de modificação do seu “estilo explicativo” sobre o qual escrevemos em nossa série sobre resiliência. Dá trabalho, mas mudar suas palavras ajuda a mudar sua mentalidade.

Medite.

Este foi um divisor de águas para mim durante o ano passado. Eu sigo uma série de meditações guiadas do The Foundations of Wellbeing e tento fazer isso todos os dias.

Quando estou meditando, estou muito mais calmo e positivo. Isso me permite ver melhor a lacuna entre estímulo e reação.

Em vez de ver limitações, concentro-me em coisas que posso fazer para resolver meus problemas e seguir em frente. Eu me torno mais proativo.

Quando caio do vagão de meditação, fico mais reativo. A diferença é muito clara. Kate sabe sem eu dizer quando eu meditei ou não.

Se eu não meditei, fico mais irritado e mal-humorado; quando eu meditei, ela diz que toda a minha aura e energia se transformam completamente de maneira dramática e palpável.

Tem dificuldades em meditar? Tente começar por aqui.

Tome uma atitude (não importa quão pequena).

A maioria das sugestões que dei até agora foi sobre mudar sua mentalidade. Mas a coisa mais poderosa que você pode fazer para adotar uma postura mais proativa é simplesmente agir.

Ao agir, você começará a mostrar para si mesmo que pode influenciar o mundo, o que dá início a um ciclo virtuoso de proatividade.

Olhe para o seu Círculo de Influência. Qual ação você pode tomar para mover um de seus itens em uma direção positiva?

Suas ações não precisam ser grandes. Na verdade, elas não devem ser grandes. Sempre que enfrentar um problema, divida em partes menores e enfrente cada parte, uma a uma.

Isso torna o problema menos assustador e mais concreto.

Essas são algumas coisas que funcionaram para mim. Talvez eles funcionem para você também.

Jogue a bola antes dela te jogar.

Aja; não seja influenciado.

Seja proativo; não reativo.

Este artigo é uma tradução do Awebic do texto originalmente publicado em Art of Manliness escrito por Brett and Kate McKay.

Imagens: Art of Manliness.

Compartilhe este texto com seus amigos e incentive-os a serem mais proativos!