Mente

A meditação pode levar a mudanças duradouras em nosso corpo e mente?

A meditação de atenção plena está em toda parte nos dias de hoje.

Das salas de aula à salas de diretorias, as pessoas estão entrando na onda da atenção plena, na esperança de descobrir por si mesmas alguns dos benefícios prometidos, como melhor concentração, relacionamentos mais harmoniosos e menos estresse.

Eu também comecei uma prática de meditação da atenção plena e descobri que ela é útil em minha vida cotidiana.

Mas, como escritor de ciências, ainda tenho que me perguntar: toda essa campanha em torno da atenção plena está à frente da ciência? O que a pesquisa realmente diz sobre atenção plena?

Meditação pode trazer mudanças durarouras

Para responder a estas perguntas, não procure mais do que em “Altered Traits: Science Reveals How Meditation Changes Your Mind, Brain, and Body”, um novo livro do jornalista Daniel Goleman e do proeminente neurocientista Richard Davidson.

Colocando suas décadas de pesquisa e conhecimento juntos, Davidson e Goleman escreveram um livro altamente legível que ajuda os leitores a separar o joio do trigo da ciência da atenção plena.

No processo, eles mostram um argumento convincente de que a meditação, em várias formas, tem o poder de nos transformar não apenas no momento, mas de formas mais profundas e duradouras.

Muitas pessoas foram introduzidas às práticas de meditação da atenção plena através do trabalho do programa de Redução do Estresse Baseado na Consciência Plena (MBSR, sua sigla em inglês) de Jon Kabat-Zinn.

O MBSR foi pesquisado extensivamente e relacionado a muitos resultados positivos para pacientes.

Mas, embora o MBSR tenha ajudado muitas pessoas, nem sempre é claro quais aspectos do treinamento – respiração consciente, ioga, meditação de bondade – são mais úteis para problemas específicos enfrentados pelas pessoas.

Nem sempre é claro que os impactos do treinamento em MBSR vão muito além quando o treinamento termina.

É aí que entram Davidson e Goleman.

Eles visam desvendar não apenas os efeitos temporários do treinamento da atenção plena, mas como praticar várias formas de meditação ao longo do tempo afeta nossos traços gerais – aspectos mais estáveis de nós mesmos.

E eles argumentam que formas mais simples de treinamento em atenção plena podem ter alguns benefícios, mas ficam aquém quando você está procurando uma mudança duradoura.

De acordo com os autores, existem cinco maneiras principais pelas quais a meditação – particularmente quando praticada consistentemente ao longo do tempo – pode ter um impacto mais profundo sobre nós.

Meditação pode trazer mudanças durarouras

Confira:

1. A meditação melhora nossa resiliência ao estresse

De acordo com uma pesquisa em neurociência, as práticas de atenção plena diminuem a atividade em nossa amígdala e aumentam as conexões entre a amígdala e o córtex pré-frontal, que nos ajudam a ser menos reativos a estressores e a recuperar melhor do estresse quando o experimentamos.

“Essas mudanças são como traços: elas aparecem não apenas durante a instrução explícita de perceber os estímulos estressantes conscientemente, mas até mesmo no estado ‘de base’” para meditadores de longo prazo.

Isto apoia a possibilidade de que a atenção plena muda nossa capacidade de lidar com o estresse de uma maneira melhor e mais permanente.

2. A meditação aumenta nossa preocupação compassiva pelos outros

Embora muitos de nós possam adotar atitudes de compaixão, também podemos sofrer quando vemos outros sofrendo, o que pode criar um estado de paralisia ou retraimento.

Mas estudos mostraram que praticar a bondade amorosa para os outros aumenta nossa disposição de agir para aliviar o sofrimento.

A prática diminui a atividade da amígdala na presença de sofrimento, enquanto também ativa circuitos no cérebro que estão conectados a bons sentimentos e amor.

“O cultivo de uma preocupação amorosa pelo bem-estar de outras pessoas tem um benefício surpreendente e único: o circuito cerebral para a felicidade emerge, juntamente com a compaixão”, escrevem os autores.

3. A meditação aumenta nossa capacidade de nos concentrarmos e prestarmos atenção

Não é de surpreender que a meditação afete a atenção, já que muitas práticas se concentram nessa mesma habilidade.

E, de fato, pesquisadores descobriram que a meditação ajuda a combater a habituação – a tendência de parar de prestar atenção a novas informações em nosso ambiente.

Leia:  Por que precisamos levar a dor emocional tão a sério quanto a dor física

Estudos mostraram que a melhora da atenção parece durar até cinco anos após o treinamento da atenção plena, sugerindo que mudanças no traço são possíveis.

Esse resultado da meditação é particularmente importante, pois “sustenta uma enorme gama de coisas que nos tornam eficazes no mundo – tudo, desde o aprendizado até a percepção de que tivemos uma visão criativa, até a visão de um projeto até o fim”.

4. A meditação nos ajuda a nos sentirmos mais leves e menos focados em nós mesmos

Embora relacionada à compaixão, esta é uma descoberta mais específica sobre como a atenção ajuda você a parar de se ver como o centro do universo.

Segundo estudos, a atividade na “rede padrão” – a parte de nossos cérebros que, quando não está ocupada com atividades focadas, reflete pensamentos, sentimentos e experiências – se acalma em meditadores de longo prazo, sugerindo menos ruminação sobre nós mesmos e nosso lugar o mundo.

Os meditadores de longo prazo também parecem ter um núcleo de accumbens menor – uma parte do cérebro associada ao prazer, mas também ao vício.

Segundo os autores, “essas regiões provavelmente são a base do que os textos tradicionais [budistas] veem como as causas profundas do sofrimento: apego e aversão, onde a mente fica obcecada em querer algo que pareça recompensador ou se livrar de algo desagradável”.

5. A meditação leva a algumas melhorias nos indicadores de saúde.

Muitas afirmações foram feitas sobre atenção plena e saúde; mas às vezes essas afirmações são difíceis de substanciar ou podem ser misturadas com outros efeitos.

Por exemplo, quando se trata de dor – onde nossa psicologia desempenha um papel claro em nossa experiência de dor – agora está claro que a meditação pode diminuir a dor sem abordar diretamente sua fonte fisiológica.

No entanto, há boas evidências de que a meditação também afeta os índices fisiológicos de saúde.

Por exemplo, a prática da meditação diminui a resposta inflamatória em pessoas expostas a estressores psicológicos, particularmente para meditadores de longa duração.

Além disso, os meditadores parecem ter um aumento da atividade da telomerase – uma enzima implicada na vida celular mais longa e, portanto, na longevidade.

Meditação pode trazer mudanças durarouras

Os autores descrevem outros possíveis benefícios da meditação que têm descobertas menos robustas.

Mas, embora as evidências possam ser fascinantes, Davidson e Goleman relatam a evidência contrária, tentando empregar “os mais rigorosos padrões experimentais” para evitar alegações infundadas.

Eles até questionam algumas de suas próprias descobertas, como a pesquisa de Davidson sobre as mudanças no cérebro dos meditadores, que mais tarde decidiram não ter grandes controles experimentais.

“As diferenças encontradas [entre meditadores e não meditadores] podem ser devidas a fatores como educação ou exercício, cada um dos quais tem seu próprio efeito tampão sobre os cérebros”, escrevem eles.

“E também há a auto-seleção: talvez as pessoas com as alterações cerebrais relatadas nesses estudos optem por manter a meditação, enquanto outras não”.

Em outras palavras, tenha cuidado ao defender os resultados.

Em geral, os autores lamentam a má qualidade de muitos estudos e a forma como eles são usados para justificar as aplicações da atenção plena em muitas áreas.

Eles temem que muitos estudos não tenham rigor ou que alguns estudos bem feitos nunca sejam publicados porque não têm resultados positivos.

Estas e muitas outras ressalvas sobre a pesquisa afirmam que estamos nas mãos de especialistas que sabem o que estão fazendo. O resultado é um livro que tanto ilumina os interessados no assunto quanto acalma os céticos.

Para aqueles que podem estar em cima do muro sobre meditação, sugiro ler o livro e chegar às suas próprias conclusões. Talvez faça o mesmo por você.

Este artigo é uma tradução do Awebic do texto originalmente publicado em Greater Good Magazine escrito por Jill Suttie.

Imagens: pexels.com e pixabay.com

Gostou? Comente e compartilhe este conteúdo com seus amigos que se interessam por meditação!