Mente

30 coisas que aprendi em 30 dias consecutivos de meditação

1. A parte mais difícil da meditação acontece antes de me sentar. É o duelo mental em que eu tento me convencer de que “hoje eu não preciso/quero meditar”.

2. Se a prática é importante para mim, então deve ser prioridade no meu dia. Logo, a meditação é a primeira coisa que faço ao acordar.

3. Eu não sou meus pensamentos.

4. O hábito de meditar todos os dias não deve depender do meu humor no momento.

5. Cada meditação é uma experiência diferente. Criar expectativas sobre a prática não faz o menor sentido.

6. Julgar meu “desempenho” como praticante faz menos sentido ainda.

7. Todo momento do meu dia é uma oportunidade para cultivar atenção plena.

meditar todo dia

8. Eu não posso “resolver” meus sentimentos negativos. Eu posso apenas sentí-los, e assim eles tendem a sumir.

9. Às vezes eu acho que a meditação me dá superpoderes. Às vezes eu acho que a meditação não me ajuda em nada. Essa contradição mostra que eu preciso continuar meditando.

10. Eu nunca terminei uma sessão de meditação me sentindo mal.

11. Toda vez que penso “será que falta muito para acabar?”, me lembro de uma criança mimada no banco de trás do carro perguntando quanto tempo falta para chegar na praia. Eu não quero ser essa criança.

12. Me parece mais inteligente meditar um pouco todos os dias até o fim da minha vida do que meditar por muito tempo ocasionalmente.

13. Meditar é como gerenciar o estoque da minha mente. As redes sociais e a televisão enchem meu estoque de coisas inúteis e prejudiciais.

14. Força de vontade é como uma bateria. E a minha é recarregada através da meditação.

15. Beber e comer em excesso sugam minha força de vontade a ponto de eu pensar em desistir da meditação no dia seguinte. É fácil abrir mão da disciplina com ressaca.

30 dias de meditação

16. Para manter um hábito diário eu preciso eliminar as coisas que atrapalham sua consistência. Uma lista do que “não fazer” é mais útil do que o inverso.

17. Eu negligenciei minha intuição a vida inteira. Estou completamente arrependido.

18. Meditar é levar minha mente para a academia. Assim como levantar peso deixa meus músculos mais fortes, sentar para meditar deixa meu cérebro mais concentrado.

19. Concentração é terreno fértil para cultivar autoconsciência. Com autoconsciência lido melhor com meu sofrimento e direciono energia para minha criatividade.

20. Comprometer-me 100% com um hábito é muito mais fácil do que qualquer outro grau. Não me dá opção de desistir.

21. O ambiente à minha volta tem muita influência sobre meu poder de concentração.

22. Ambientes e momentos absolutamente silenciosos são um privilégio. Viver afastado dos centros urbanos me parece uma ideia cada vez mais atraente.

23. No silêncio absoluto eu consigo me ouvir com clareza. No silêncio absoluto eu me aproximo de Deus.

24. Ficou mais fácil perceber quando estou entrando num “ciclo de sofrimento”. Ainda é um desafio sair dele.

25. Meu porquê de meditar é importante para me manter disciplinado. Logo percebi que meu porquê fica mais forte quando ele é sobre outras pessoas e não sobre mim.

1 mês de meditação

26. Lá pelo 10º dia seguido de meditação percebi como minha concentração era deficiente. Alguns dias depois comecei a flagrar os momentos em que minha concentração estava indo embora. Este é um exercício desafiador e interessante.

27. Eu posso ter o controle da minha mente. Eu tenho a liberdade de escolher como vou responder a cada situação.

28. Eu não devo enxergar a meditação como um veículo ou uma linha de chegada. Meditação é o caminho e o destino. A vida toda é meditação.

29. Eu devo meditar diligente, paciente, persistente e divertidamente. :)

30. Eu deveria ter começado meditar diariamente mais jovem.

***

E você?

O que você está esperando para começar a meditar?

Deixe seu comentário aí embaixo. Talvez eu consiga te ajudar com alguma dica. ;)

PS: este texto foi resultado de uma experiência desafiadora que surgiu a partir de um post que fiz no Facebook.