Mente

Isto é o que um bom livro faz com o seu cérebro

Livros podem nos tornar mais inteligentes, mais informados, e até mais humildes intelectualmente.

Mas um dos benefícios mais poderosos da leitura regular é uma maior empatia.

Através das palavras você é transportado para a perspectiva do outro.

Você olha através dos olhos deles. Você entende sua dor e a sua alegria.

Isso pode aliviar a solidão e tornar a vida muito mais amena, mas também é bom para os negócios.

Entender clientes e colaboradores ajuda você a fazer mais e ser mais criativo.

Então, como exatamente os livros realizam esse truque de mágica?

efeito da leitura de um bom livro no cérebro

Crédito: Hoang Bin | Pexels.

Recentemente, na Lit Hub, um site sobre literatura, a professora especialista em desenvolvimento infantil e leitura na Universidade Tufts, Maryanne Wolf, explicou a fascinante neurociência por trás da imersão em um bom livro.

É uma leitura obrigatória para os amantes de livros, mas as dicas básicas são valiosas para qualquer profissional que queira usar os livros como uma ferramenta para melhorar seu desempenho.

O artigo começa com uma reunião de citações que captam o quão cativante pode ser uma boa leitura, como a famosa frase do poeta Emily Dickinson , “Não há fragata como um livro”.

De forma divertida, também aprendemos que Maquiavel costumava se vestir no estilo de personagens dos livros que estava lendo e manter discussões imaginárias com eles.

Maquiavel talvez tenha levado sua empatia a personagens literários a extremos, mas até mesmo a versão cotidiana, em que você fica totalmente imerso em uma história e seus personagens, é muito poderosa.

Essa “tomada de perspectiva”, em que nos colocamos no lugar dos outros, nos ajuda a “compreender o alcance dos sentimentos muitas vezes contraditórios que cada um de nós possui” e “nos deixa menos sós com nossa complexa mistura de emoções”, argumenta Wolf. .

Qualquer um que já tenha lido sobre um personagem e pensado: “Oh, eu não sou o único esquisito que pensa assim” ou “Eu nunca pensei nisso a partir dessa perspectiva”, vai entender instantaneamente o que ela quer dizer.

Mas o que acontece no cérebro para possibilitar essas experiências de mudança de perspectiva?

A leitura ilumina seu cérebro como uma árvore de Natal

Acontece que quando estamos imersos em um ótimo livro, não são apenas as partes do cérebro que lidam com o processamento de linguagem que estão trabalhando duro.

De fato, quando estamos profundamente engajados com uma história, nossos cérebros refletem as ações e sentimentos dos personagens.

Então, se alguém no romance — que você não consegue parar de ler — estiver nadando, as seções do seu cérebro que se acenderiam se você estivesse nadando em uma piscina também seriam ativadas.

Leia:  Fofura do dia: você precisa ver estes bicho preguiça bebês conversando

“No que é certamente um dos artigos com o título mais intrigante nesta pesquisa, ‘Seu cérebro em Jane Austen’, a estudiosa da literatura do século XVIII Natalie Phillips se uniu a neurocientistas de Stanford para estudar o que acontece quando lemos ficção de maneiras diferentes” escreve Wolf.

“Phillips e seus colegas descobriram que, quando lemos uma peça de ficção ‘de perto’, ativamos regiões do cérebro que estão alinhadas com o que os personagens estão sentindo e fazendo.”

Ou, em outras palavras, quando você lê sobre Anna Karenina pulando nos trilhos da ferrovia, partes do seu cérebro envolvidas no controle motor literalmente pulam com ela.

Quando você lê sobre um vestido de seda, seções de seu cérebro lidando com a percepção sensorial são ativadas.

Em um nível básico do cérebro, nós realmente experimentamos a mesma coisa que os personagens.

Nós não apenas entendemos um livro — em um nível neurológico, nós o vivemos.

“Quando lemos ficção, o cérebro simula ativamente a consciência de outra pessoa, incluindo aqueles que nunca imaginaríamos saber. Ele nos permite experimentar, por alguns momentos, o que realmente significa ser uma outra pessoa,” Lobo resume.

Esse é um incrível treino de empatia.

Pare a superficialidade e mergulhe em um bom livro

Deve-se notar, no entanto, que isso só se aplica à leitura profunda da velha guarda — do tipo que você fica totalmente perdido em um livro — que é exatamente o tipo de leitura que nossas telas — celulares, televisões, computadores e tablets — estão colocando em risco.

Se você está apenas buscando informações ou lendo uma das 15 guias abertas em seu navegador, seu cérebro não é ativado da mesma maneira.

Você pode aprender fatos, mas não está ganhando empatia.

“Há muitas coisas que se perderiam se lentamente perdêssemos a paciência cognitiva para nos imergirmos nos mundos criados pelos livros”, lamenta Wolf.

“O que acontecerá com jovens leitores que nunca se encontraram e começam a entender os pensamentos e sentimentos de alguém totalmente diferente? O que acontecerá com os leitores mais velhos que começarem a perder contato com esse sentimento de empatia por pessoas de fora de seus parentes ou conhecidos? É uma fórmula para inconsciência involuntária, medo e incompreensão.”

Portanto, aproveite esta semana para colocar todas as suas distrações e dispositivos de lado e mergulhe em um ótimo livro.

Essa leitura profunda nutre uma verdadeira conexão empática com seus semelhantes.

Nestes tempos difíceis e solitários, quem não poderia se aproveitar um pouco mais disso?

___

Este texto foi publicado originalmente no Inc.com, por Jessica Stillman. Adaptação feita por Awebic. Saiba mais sobre o trabalho de Stillman aqui.