Mente

7 comportamentos dos pais que impedem que as crianças se tornem líderes

Embora eu passe meu tempo profissional como coach de sucesso profissional, escritora e instrutora de liderança, fui uma terapeuta de casamento e de família em meu passado e trabalhei por vários anos com casais, famílias e crianças.

Através dessa experiência, eu testemunhei uma grande variedade de comportamentos funcionais e disfuncionais por parte dos pais.

Como mãe, aprendi que toda a sabedoria e amor do mundo não necessariamente protegem você de criar seus filhos de modo a impedir que eles prosperem, ganhem independência e se tornem líderes que têm potencial para ser.

Fiquei intrigada em conversar com o especialista em liderança Dr. Tim Elmore e aprender mais sobre como nós, como pais, estamos reprovando nossos filhos hoje – os ocupando e aleijando – e impedindo que se tornem os líderes e adultos autossuficientes que foram destinados a ser.

Tim é autor best-seller de mais de 25 livros, incluindo o Generation iY: Our Last Chance to Save Their Future, Artificial Maturity: Helping Kids Meet the Challenges of Becoming Authentic Adults, e a série Habitudes®.

Ele é fundador e presidente da Growing Leaders, uma organização dedicada a orientar os jovens de hoje a se tornarem os líderes de amanhã.

Tim compartilhou sobre os 7 comportamentos prejudiciais dos pais que impedem as crianças de se tornarem líderes – de suas próprias vidas e das empresas do mundo:

1. Nós não deixamos nossos filhos experimentarem o risco

Comportamentos dos pais que impedem os filhos de se tornarem líderes

Vivemos em um mundo que nos adverte do perigo a cada passo. A preocupação com a “segurança em primeiro lugar” reforça nosso medo de perder nossos filhos, por isso fazemos tudo o que podemos para protegê-los.

É nosso trabalho, afinal de contas, mas os isolamos de comportamentos de risco saudáveis e isso teve um efeito adverso.

Psicólogos na Europa descobriram que se uma criança não brinca ao ar livre e nunca é permitida a experiência de um joelho ralado, ela geralmente tem fobias quanto adulta.

As crianças precisam cair algumas vezes para aprender que é normal; os adolescentes provavelmente precisam romper com um namorado ou namorada para apreciar a maturidade emocional que os relacionamentos duradouros exigem.

Se os pais eliminarem o risco da vida das crianças, provavelmente veremos alta arrogância e baixa autoestima em nossos líderes em crescimento.

2. Nós acudimos muito rapidamente

A geração de jovens de hoje não desenvolveu algumas das habilidades de vida que as crianças desenvolveram há 30 anos, porque os adultos se aproximam e cuidam dos problemas para eles.

Quando nós acudimos muito rapidamente e satisfazemos nossos filhos com “assistência”, removemos a necessidade deles de navegar por dificuldades e resolver problemas por conta própria.

É a criação de filhos para o curto prazo e isso passa longe do ponto de liderança – equipar nossos jovens para fazê-lo sem ajuda.

Mais cedo ou mais tarde, as crianças se acostumam com alguém que as acode: “Se eu falhar ou ficar aquém, um adulto irá suavizar as coisas e remover quaisquer consequências para a minha má conduta.”

Quando, na realidade, isso não está nem remotamente perto de como o mundo funciona e, portanto, impede que nossos filhos se tornem adultos competentes.

3. Nós nos empolgamos muito facilmente

Comportamentos dos pais que impedem os filhos de se tornarem líderes

O movimento da autoestima existe desde que os Baby Boomers eram crianças, mas se enraizou em nossos sistemas escolares nos anos 80.

Vá a um jogo de futebol infantil e você verá que todo mundo é um vencedor. Essa mentalidade de “todo mundo ganha um troféu” pode fazer nossos filhos se sentirem especiais, mas a pesquisa indica que esse método tem consequências inesperadas.

As crianças eventualmente observam que mamãe e papai são os únicos que pensam que são incríveis quando ninguém mais está dizendo isso.

Elas começam a duvidar da objetividade de seus pais; é bom no momento, mas não está ligado à realidade.

Quando nos empolgamos fácil demais e desconsideramos o mau comportamento, as crianças acabam aprendendo a enganar, exagerar, mentir e a evitar uma realidade difícil.

Elas não foram condicionadas a enfrentá-la.

4. Nós deixamos a culpa atrapalhar a boa liderança

Seu filho não precisa amar você a cada minuto. Seus filhos vão superar a decepção, mas eles não vão superar os efeitos de serem mimados.

Então diga “não” ou “não agora”, e deixe-os lutar pelo que eles realmente valorizam e precisam.

Como pais, tendemos a dar a eles o que querem, especialmente com vários filhos. Quando alguém se dá bem em alguma coisa, achamos injusto elogiar e recompensar um e não o outro.

Isso não é realista e perde a oportunidade de reforçar o ponto para nossos filhos de que o sucesso depende de nossas próprias ações e boas ações.

Tenha cuidado para não ensinar a eles que uma boa nota é recompensada com uma ida ao shopping.

Se o seu relacionamento é baseado em recompensas materiais, as crianças não experimentarão nem motivação intrínseca nem amor incondicional.

5. Nós não compartilhamos nossos erros do passado

Comportamentos dos pais que impedem os filhos de se tornarem líderes

Adolescentes saudáveis vão querer abrir as asas e precisarão experimentar por conta própria. Nós, como adultos, devemos deixá-los, mas isso não significa que não possamos ajudá-los a navegar por essas águas.

Leia:  Entenda o que acontece com o nosso cérebro quando reclamamos demais

Compartilhe com eles os erros relevantes que você cometeu quando tinha a idade deles de uma forma que os ajude a aprender a fazer boas escolhas.

(Mas evite as “lições aprendidas” negativas relacionadas ao tabagismo, álcool, drogas ilegais, etc.)

Além disso, as crianças devem se preparar para lidar com deslizes e enfrentar as consequências de suas decisões. Compartilhe como você se sentiu ao enfrentar uma experiência semelhante, o que motivou suas ações e as lições aprendidas.

Porque não somos a única influência em nossos filhos, devemos ser a melhor influência.

6. Nós confundimos inteligência, talento e influência pela maturidade

A inteligência é frequentemente usada como uma medida da maturidade de uma criança e, como resultado, os pais assumem que uma criança inteligente está pronta para o mundo. Esse não é o caso.

Alguns atletas profissionais e estrelas de Hollywood, por exemplo, possuem um talento inimaginável, mas ainda são pegos em um escândalo público.

Só porque o talento está presente em um aspecto da vida de uma criança, não assuma que ele permeia todas as áreas.

Não existe uma “idade de responsabilidade” mágica ou um guia comprovado sobre quando uma criança deve receber liberdades específicas, mas uma boa regra é observar outras crianças da mesma idade que a sua.

Se você perceber que elas estão fazendo mais do que o seu filho, você pode estar atrasando a independência dela.

7. Nós não praticamos o que pregamos

Como pais, é nossa responsabilidade ser o exemplo da vida que queremos que nossos filhos vivam. Para ajudá-los a levar uma vida de caráter e serem confiáveis e responsáveis por suas palavras e ações.

Como líderes de nossos lares, podemos começar apenas falando palavras honestas – mentiras inocentes surgirão e gradualmente desgastarão o caráter.

Observe a si mesmo nas pequenas escolhas éticas que os outros podem perceber, porque seus filhos perceberão também.

Se você não “pegar atalhos”, por exemplo, eles saberão que não é aceitável para eles também.

Mostre aos seus filhos o que significa dar de forma altruísta e alegre ao se voluntariar para um projeto de serviço ou com um grupo comunitário.

Deixe as pessoas e os lugares melhores do que você encontrou, e seus filhos tomarão nota e farão o mesmo.

Comportamentos dos pais que impedem os filhos de se tornarem líderes

Agora, um trecho da entrevista com o Dr. Tim Elmore:

Por que os pais se envolvem nesses comportamentos (de que têm medo se não se envolverem)? Esses comportamentos vêm do medo ou da falta de compreensão do que é uma criação forte (com bons limites)?

Tim compartilha:

Eu acho que tanto o medo quanto a falta de compreensão têm um papel aqui, mas isso leva ao fato de que cada geração de pais geralmente está compensando algo que a geração anterior fez. Os adultos primários na vida das crianças hoje se concentram no agora e não no mais tarde. É uma questão da felicidade deles hoje não a sua prontidão amanhã. Eu suspeito que seja uma reação. Muitos pais de hoje tinham mães e pais que estavam prestes a se preparar para o amanhã: economizar dinheiro, não gastá-lo e se preparar para a aposentadoria. Em resposta, muitos de nós compramos a mensagem: viva o momento. Você merece isso. Aproveite hoje. E nós aproveitamos. Para muitos, resultou em dívida de cartão de crédito e incapacidade de retardar a gratificação. Este pode ser o ponto crucial do nosso desafio. A verdade é que pais capazes de se concentrar no amanhã, não apenas hoje, produzem melhores resultados.”

Como os pais podem se afastar desses comportamentos negativos (sem ter que contratar um terapeuta familiar para ajudar)?

Tim diz:

É importante que os pais se tornem extremamente conscientes de suas palavras e ações quando interagem com seus filhos, ou com outras pessoas quando seus filhos estão por perto. Cuidado o suficiente para treiná-los, não apenas tratá-los para uma boa vida. Treine-os, mais do que mimar.“

Aqui está um começo:

  1. Fale sobre as questões que você gostaria de ter ouvido sobre a vida adulta.
  2. Permita que elas tentem coisas que as machuquem e até mesmo que elas falhem.
  3. Discuta consequências futuras se elas não conseguirem dominar certas disciplinas.
  4. Ajude-as a combinar suas forças com problemas do mundo real.
  5. Forneça projetos que exijam paciência, para que elas aprendam a adiar a gratificação.
  6. Ensine que a vida é sobre escolhas e compensações; elas não podem fazer tudo.
  7. Inicie (ou simule) tarefas para adultos, como pagar contas ou fazer negócios.
  8. Apresente-as aos potenciais mentores de sua rede de contatos.
  9. Ajude-as a imaginar um futuro satisfatório e depois discuta os passos para chegar lá.
  10. Comemore o progresso que elas fazem em direção à autonomia e responsabilidade.

Leia também: Desligue o celular perto das crianças

Como você está cuidando de seus filhos? Você está sacrificando seu crescimento a longo prazo pelo conforto de curto prazo? Comente!

Este artigo é uma tradução do Awebic do texto originalmente publicado em Thrive Global escrito por Kathy Caprino.

Imagens: pexels.com e pixabay.com

Compartilhe este texto com seus amigos que têm filhos!