Mente

Você nunca deixará de ser introvertido, pois está em seu DNA

Uma das minhas primeiras lembranças é me sentar no chão de uma quadra perto de um paraquedas de cores vivas, cercado por outras crianças pequenas.

Minha mãe me diz que isso foi na pré-escola. Naquele momento, as outras crianças estão gritando com prazer enquanto o paraquedas sobe e desce.

Mas eu? Estou paralisado.

Não com medo, mas com outra coisa – superestimulação. O lugar todo é muito barulhento, muito frenético.

Um adulto me encoraja a pegar uma alça do paraquedas, mas eu apenas olho, de olhos arregalados. É muito para processar, muito rápido.

Nem meus pais nem eu sabíamos na época, mas acontece que sou introvertido.

Quando cresci, mostrei todos os primeiros sinais de introversão.

Eu era sensível ao meu ambiente. Eu frequentemente me afastava da minha família, por horas a fio, para a solidão do meu quarto.

Eu facilmente perdia a noção do tempo brincando sozinho, e embora tivesse um pequeno grupo de amigos que amava muito, ficava exausto apenas por estar perto deles – tão exausto que eu me perguntava o que havia de errado comigo.

Quase 30 anos depois, pouco mudou.

Se você é como eu, você pode se perguntar por que você é introvertido.

Você nasceu assim ou aconteceu alguma coisa no início de sua vida que fez de você um deles? E você nunca vai deixar de ser um introvertido?

Pesquisas recentes têm algumas respostas para nós. Vamos dar uma olhada.

A introversão está em seus genes

Genética dos introvertidos

Em 2004, os psicólogos de Harvard Jerome Kagan e Nancy Snidman tinham uma pergunta:

Bebês tímidos e cautelosos crescem para ser adultos tímidos e cautelosos?

Eles partiram para obter uma resposta.

Em um estudo, eles apresentaram bebês com estímulos desconhecidos e documentaram suas reações.

Alguns bebês choravam e debatiam seus braços e pernas, ou seja, eram altamente reativos ao ambiente. Outros absorveram novos estímulos com facilidade.

Kagan e Snidman retornaram a esses indivíduos quando eram mais velhos. O que eles descobriram foi que os bebês que eram “altamente reativos” cresceram para serem mais cautelosos e medrosos.

Os bebês “pouco reativos” permaneceram sociáveis e ousados quando adultos.

Em outras palavras, havia uma relação direta entre a resposta de um bebê ao estímulo e seu comportamento como adulto.

De acordo com Kagan e Snidman, isso nos mostra que o temperamento – introversão e extroversão – é o resultado de nossa genética. É provável que esteja enraizado na estrutura de nossos cérebros.

A extroversão é geneticamente ligada à dopamina

Genética dos introvertidos

Outro estudo descobriu que a extroversão está ligada ao neurotransmissor que faz você se sentir bem, a dopamina, e que algumas pessoas têm um gene que as torna mais responsivas a ele.

Como eles provaram isso? Com as apostas.

Em 2005, os pesquisadores Michael Cohen e seus colegas procuraram voluntários introvertidos e extrovertidos para passar algum tempo jogando jogos de azar – dentro de um scanner cerebral.

E quando eles ganhavam uma aposta, os dois grupos mostravam reações significativamente diferentes.

Ambos os grupos tiveram um pico de atividade cerebral em uma vitória.

Mas os extrovertidos tiveram uma reação muito mais forte em duas áreas do cérebro: a amígdala, que processa os estímulos emocionais, e o núcleo accumbens, que é central no circuito de recompensa do cérebro e no sistema de dopamina.

Em outras palavras, introvertidos e extrovertidos gostavam de ganhar, mas os introvertidos se divertiam menos com isso.

Eles também pegaram uma amostra de DNA e analisaram os perfis genéticos dos voluntários.

Leia:  13 coisas que você começou a fazer porque respeita a si mesmo

Os participantes que mostraram mais atividade cerebral ao ganhar também tinham um gene que aumenta a capacidade de resposta à dopamina.

Seus resultados confirmam que introvertidos e extrovertidos processam recompensas de uma maneira surpreendentemente diferente.

Também contribui para o crescente corpo de evidências de que a introversão faz parte do seu DNA e é conectada a você desde o nascimento.

Um introvertido pode se tornar um extrovertido?

Genética dos introvertidos

Não podemos mudar nosso DNA (pelo menos ainda não).

Se você é introvertido, provavelmente será por toda a sua vida. Você provavelmente sempre vai gostar de passar um tempo sozinho e ficará exausto mais facilmente socializando do que extrovertidos.

Você pode ensinar a si mesmo a ter melhores habilidades sociais – e gerenciar sua energia – mas provavelmente nunca se transformará em um extrovertido genuíno.

Da mesma forma, os extrovertidos podem aprender as alegrias da solidão e desacelerar, mas provavelmente nunca se transformarão em verdadeiros introvertidos.

E tudo bem, porque não há nada de errado em ser introvertido.

É importante que nossa sociedade reconheça que os introvertidos não podem ser mudados ou “consertados” e não precisamos ser.

Precisamos parar de ver os introvertidos como extrovertidos fracassados e começar a abraçar as incríveis forças que os introvertidos têm a oferecer.

Isso também significa que o caminho para o crescimento de introvertidos está em aprender a trabalhar com nossa natureza quieta, em vez de lutar contra ela.

Nossas personalidades mudam, não nossos temperamentos

Genética dos introvertidos

As pessoas costumam dizer coisas para mim como: “Eu era extrovertido até sofrer bulling no ensino médio. O trauma me transformou em introvertido”. Ou “eu costumava ser introvertido até aprender a enfrentar as coisas e fazer amigos”.

O que essas pessoas estão dizendo não é exatamente preciso. Você não pode passar de um introvertido para um extrovertido e vice-versa.

Mas essas pessoas estão se referindo a algo muito real que todos nós já experimentamos – crescer e mudar como pessoas.

Embora não possamos mudar nosso temperamento, podemos mudar nossas personalidades.

Em meu livro The Secret Lives of Introverts, explico que há uma grande diferença entre temperamento e personalidade.

Nosso temperamento – introversão ou extroversão – é nossa natureza e afeta permanentemente nosso comportamento. Nossa personalidade, por outro lado, é construída ao longo da vida e é uma coleção de características que nos tornam únicos.

Pesquisas confirmam que nossas personalidades mudam, e, geralmente, para melhor.

Muitos estudiosos sabem que a maioria dos adultos se torna mais agradável, consciente e emocionalmente mais flexível à medida que envelhece.

Da mesma forma, Kagan e Snidman descobriram que nem todos os bebês “altamente reativos” em seus estudos cresceram da mesma forma.

Quando os bebês tímidos tinham pais que eram muito protetores, na verdade os tornavam mais cautelosos e inibidos à medida que cresciam.

Por outro lado, quando os pais estimulavam a ousadia e a sociabilidade, os bebês que eram tímidos cresceram e ficaram com muito menos medo.

Isso mostra que a forma como tratamos os introvertidos – especialmente quando são jovens – é importante.

Os introvertidos nunca deixarão de ser introvertidos. Os extrovertidos nunca deixarão de ser extrovertidos.

Em vez de nos fecharmos, vamos usar esse conhecimento para entender e apreciar melhor um ao outro. E vamos garantir que jovens introvertidos consigam o que precisam para prosperar.

Este artigo é uma tradução do Awebic do texto originalmente publicado em Introvert Dear escrito por Jenn Granneman.

Imagens: pexels.com e pixabay.com

Gostou? Compartilhe este conteúdo com seus amigos!