Mente

A raiva é uma loucura temporária: os estóicos sabiam como freá-la

As pessoas ficam bravas por todos os tipos de razões, desde as triviais (alguém me fechou na estrada) até as mais sérias (as pessoas continuam morrendo na Síria e ninguém está fazendo nada a respeito).

Mas, na maioria das vezes, a raiva surge por motivos triviais. É por isso que a American Psychological Association tem uma seção de seu site dedicada ao controle da raiva.

Curiosamente, é muito parecido com um dos mais antigos tratados sobre o assunto, De Ira, escrito pelo filósofo estoico Lúcio Aneu Sêneca, no primeiro século DC.

Sêneca achava que a raiva é uma loucura temporária e que, mesmo quando justificada, nunca deveríamos agir com base nela, pois, embora:

Outros vícios afetem nosso julgamento, a raiva afeta nossa sanidade: os outros surgem em ataques leves e crescem despercebidos, mas a mente dos homens mergulha abruptamente em raiva. […] Sua intensidade não é de modo algum regulada por sua origem: pois sobe aos maiores patamares desde os primórdios mais triviais.”

O ambiente moderno perfeito para o gerenciamento da raiva é a internet. Se você tem uma conta no Twitter ou no Facebook, ou escreve, lê ou comenta em um blog, você sabe o que quero dizer.

Como frear a raiva

Céus, a raiva no Twitter foi trazida para novas máximas (ou mínimas, dependendo do seu ponto de vista) pelo atual presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Eu também escrevo bastante em fóruns online. Faz parte do meu trabalho como educador, bem como, penso eu, o meu dever como membro da polis humana.

As conversas que tenho com pessoas de todo o mundo tendem a ser cordiais e mutuamente instrutivas, mas ocasionalmente são desagradáveis.

Um proeminente autor que recentemente discordou de mim em um assunto técnico rapidamente me rotulou como pertencente a um “departamento de besteira”.

Ai! Como é possível não ficar ofendido com esse tipo de coisa, especialmente quando não vem de um troll anônimo, mas de um cara famoso com mais de 200.000 seguidores?

Ao implementar o conselho de outro filósofo estoico, o escravo do segundo século que se tornou professor, Epiteto, que advertiu seus alunos desta maneira:

Lembre-se de que somos nós que atormentamos, nós que criamos dificuldades para nós mesmos – isto é, nossas opiniões o fazem. O que, por exemplo, significa ser insultado? Fique perto de uma rocha e insulte-a, e o que você realizou? Se alguém responde ao insulto como uma rocha, o que o abusador ganhou com sua injúria?”

De fato. É claro que desenvolver a atitude de uma rocha em relação a insultos exige tempo e prática, mas estou melhorando. Então o que eu fiz em resposta ao discurso acima mencionado?

Eu me comportei como uma rocha. Eu simplesmente ignorei, concentrando minha energia em responder perguntas genuínas de outros, fazendo o meu melhor para envolvê-los em conversas construtivas.

Como resultado, o dito autor proeminente, me disseram, está lívido de raiva, enquanto eu mantive minha serenidade.

Agora, algumas pessoas dizem que a raiva é a resposta certa para certas circunstâncias, em reação à injustiça, por exemplo, e que – com moderação – pode ser uma força motivadora para a ação.

Mas Sêneca responderia que falar de raiva moderada é falar de porcos voadores: simplesmente não existe tal coisa no universo.

Quanto à motivação, o que os estoicos dizem é que somos movidos à ação por emoções positivas, como um sentimento de indignação por ter testemunhado uma injustiça, ou um desejo de tornar o mundo um lugar melhor para todos.

Leia:  Leonardo da Vinci: Como ver o mundo como ninguém

A raiva não é necessária e, de fato, costuma atrapalhar.

Como frear a raiva

A filósofa Martha Nussbaum deu um famoso exemplo moderno disso, em seu ensaio sobre Nelson Mandela. Ela conta a história que, quando Mandela foi mandado para a prisão – durante 27 anos – pelo governo do apartheid na África do Sul, ele ficou muito, muito zangado.

E por boas razões: não apenas uma grave injustiça foi perpetrada contra ele pessoalmente, mas contra seu povo em geral.

No entanto, em algum momento, Mandela percebeu que nutrir sua raiva e insistir em pensar em seus oponentes políticos como monstros sub-humanos não levaria a parte alguma.

Ele precisava superar essa emoção destrutiva, para chegar ao outro lado, para construir confiança, se não amizade.

Ele fez amizade com seu próprio guarda e, eventualmente, sua aposta valeu a pena: ele foi capaz de supervisionar uma dessas transições pacíficas para uma sociedade melhor que, infelizmente, é muito rara na história.

Curiosamente, um dos momentos cruciais em sua transformação ocorreu quando um colega preso contrabandeava e distribuía entre os internos uma cópia de um livro de outro filósofo estoico: Meditações, de Marco Aurélio.

Marco achava que, se as pessoas estão erradas, o que você precisa fazer é “ensiná-las e mostrá-las sem ficar com raiva”. O que foi exatamente o que Mandela fez tão eficazmente.

Então, aqui está meu guia estoico moderno para o controle da raiva, inspirado pelo conselho de Sêneca:

Como frear a raiva
  • Se envolva com meditação preventiva: pense quais situações desencadeiam sua raiva e decida com antecedência como lidar com elas.
  • Verifique a raiva assim que sentir os sintomas. Não espere, ou sairá do controle.
  • Associe-se com pessoas serenas, tanto quanto possível; evite os irritadiços ou raivosos. Os humores são infecciosos.
  • Toque um instrumento musical, ou propositadamente se envolva em qualquer atividade que relaxa sua mente. Uma mente relaxada não fica com raiva.
  • Procure ambientes com cores agradáveis ​​e não irritantes. Manipular circunstâncias externas afeta nosso humor.
  • Não se envolva em discussões quando estiver cansado, você estará mais sujeito a irritações, que podem se transformar em raiva.
  • Não comece discussões quando estiver com sede ou com fome, pelo mesmo motivo.
  • Implante o humor autodepreciativo, nossa arma principal contra a imprevisibilidade do universo e a maldade previsível de alguns de nossos companheiros seres humanos.
  • Pratique o distanciamento cognitivo – o que Sêneca chama de “retardar” sua resposta – indo dar um passeio ou se retirar para o banheiro, qualquer coisa que lhe permita respirar em uma situação tensa.
  • Mude o seu corpo para mudar sua mente: diminua deliberadamente os seus passos, diminua o tom da sua voz, imponha ao seu corpo o comportamento de uma pessoa calma.
  • Acima de tudo, seja caridoso com os outros como um caminho para a boa vida. O conselho de Sêneca sobre a raiva resistiu ao teste do tempo e todos nós faríamos bem em dar atenção a ele.

    Este artigo é uma tradução do Awebic do texto originalmente publicado em Aeon, escrito por Massimo Pigliucci.

    Imagens: pexels.com e pixabay.com

    Gostou do conteúdo? Então comente e compartilhe-o com seus amigos