Mente

7 passos para remover crenças tóxicas e superar o viés de confirmação

“Quando deixo para trás o que sou, me torno o que posso ser.” — Lao Tzu

Crescendo como um nadador de alto nível, descobri desde cedo que os resultados que obtenho na vida são proporcionais à quantidade de trabalho duro que eu faço.

Desde então, acreditei profundamente que, se trabalhasse com mais afinco, atingiria meus objetivos mais rapidamente e teria mais do que eu quero na vida.

Essa crença conduziu muitas das escolhas que fiz e impactou profundamente a minha vida.

Mas e se essa crença fosse, na verdade… equivocada?

E se isso fosse apenas uma história que eu estava dizendo a mim mesmo… e se isso não era inteiramente verdade?

Então eu praticamente estaria dando um tiro no pé, todos os dias, sem perceber. Hmmm.

Agora pense sobre isso:

E se algumas de SUAS principais crenças (sobre você, os outros e o mundo) fossem falsas e estivessem realmente sabotando sua felicidade, saúde e sucesso?

Isso seria uma droga, certo?

Aqui está uma maneira muito poderosa (e subestimada) de melhorar a qualidade do seu pensamento e evoluir você mesmo.

Não é o desenvolvimento pessoal para “sentir-se bem”.

Não é uma solução rápida ou uma moda de “onda de inspiração”.

Esse negócio é profundo.

E eu realmente acredito que isso lhe dará uma nova maneira de olhar para sua mente e melhorá-la.

Uma sexta-feira diferente de qualquer outra

7 passos para remover crenças tóxicas e superar o viés de confirmação

Essa história começa na sexta-feira, 21 de setembro, quando fiz algo que nunca tinha feito.

É algo que a maioria das pessoas sonha em fazer toda semana…

Não, não foi uma aventura louca na natureza, ou uma festa na piscina com open bar e modelos.

Foi muito mais simples que isso.

Eu tirei uma sexta-feira de folga.

Eu me dei permissão para tirar um dia de folga e me recuperar. Durante a semana de trabalho.

Chocante, eu sei!

Por que eu fiz isso? Porque eu estava cansado e me sentindo um pouco esgotado.

Acredite ou não, foi realmente difícil para mim me dar permissão para tirar o dia de folga (mais sobre isso depois).

Mas foi, honestamente, uma decisão fenomenal. Isso me levou a uma grande epifania…

Uma que está mudando a maneira como estou me abordando meu desenvolvimento pessoal.

Um dia relaxante…. Se tornou uma importante descoberta

Quando acordei naquela sexta-feira, decidi que seria o dia mais relaxante possível.

Acendi um pouco de incenso e meditei por muito tempo.

Fui para um passeio de bicicleta lento e pacífico ao redor de Boulder.

Parei no Tonic, um “salão de ervas” e bebi Kava pela primeira vez.

Eu li um livro de espiritualidade (Conversando com Deus)… devagar.

Eu refleti.

Eu registrei em diário.

Eu cozinhei uma boa refeição (receita de sopa de lentilha da minha mãe).

Eu até assisti Comer, Rezar, Amar.

Relaxamento puro. Eu me senti bem. Muito bem.

Eu desfrutei de um nível mais profundo de paz interior, mais do que eu havia experimentado há muito tempo. Eu me senti reconectado com a minha verdadeira essência: amor, apreciação e graça.

Mas foi mais do que apenas relaxar. Aproveitar esse tempo para desacelerar e pensar profundamente levou a uma profunda compreensão de como operamos como humanos (especificamente, o quanto somos esquisitos)…

Brain Hacking 101: por que escolhemos a estupidez?

7 passos para remover crenças tóxicas e superar o viés de confirmação

Albert Einstein tem uma citação famosa que diz: “A definição de insanidade é fazer a mesma coisa repetidas vezes e esperar um resultado diferente “.

Vamos admitir. Todos fazemos isso… com mais frequência do que imaginamos.

Eu faço.

Você faz.

Todos nós fazemos.

Nós resistimos à mudança.

Nós saímos do nosso caminho para continuar fazendo as mesmas coisas, mesmo quando é óbvio que essas coisas não estão funcionando.

Por quê?

Porque preferimos ficar à vontade, fazendo algo medíocre, do que ficar temporariamente desconfortável para que possamos começar a operar em um nível mais alto.

Isso é obviamente verdade em nossos comportamentos. Nós fazemos as mesmas coisas de novo e de novo.

Mas o que eu quero falar hoje é mais profundo.

Nossas crenças

Crenças: o software da sua mente

7 passos para remover crenças tóxicas e superar o viés de confirmação

Se nosso cérebro é como um computador, nossas crenças são como o software que roda no computador.

Nossas crenças (sobre nós mesmos, os outros e o mundo), quer estejamos conscientes delas ou não, afetam tudo em nossa vida.

Se você estudou psicologia humana, provavelmente já se deparou com esse padrão importante:

Crenças -> Pensamentos -> Sentimentos -> Ações -> Resultados

Nossas crenças criam nossos pensamentos.

Nossos pensamentos criam nossos sentimentos.

Nossos sentimentos criam nossas ações.

Nossas ações criam nossos resultados.

Considere isso por um segundo. É muito importante entender esse padrão. Pois de muitas maneiras é a base da nossa experiência humana.

Tudo decorre de nossas crenças.

Se tivermos crenças fortalecedoras, tudo será sólido.

Mas, por outro lado, se tivermos crenças limitantes… estaremos em apuros.

E quando mudamos nossas crenças, tudo muda. Nossos pensamentos, sentimentos, ações, resultados e, finalmente, nosso destino.

Faz sentido? Muito bem, vamos continuar.

De volta a essa ideia de não querer mudar. Especificamente, não querer mudar nossas crenças.

Por que fazemos isso…e como isso acontece?

Nosso Inimigo Furtivo: o viés de confirmação

Há algo que todos nós fazemos subconscientemente que os psicólogos chamam de viés de confirmação:

Procuramos evidências que confirmem o que já acreditamos, ignorando as informações que desacreditam nossas crenças atuais.

Por exemplo, se você acredita que as grandes cidades estão sujas e lotadas, você perceberá todos os exemplos de sujeira e aglomeração ao caminhar por uma cidade grande.

Leia:  Os namorados classificados do melhor para o pior, com base nos signos

Mas você não vai prestar tanta atenção às áreas limpas e menos densamente povoadas.

Outro exemplo: se você acredita que não é uma pessoa criativa, notará claramente os momentos em que não consegue apresentar ideias originais, mas não se dará muito crédito pelas vezes em que está realmente sendo criativo.

Você consegue pensar em momentos em que você faz isso?

Tudo bem, agora que a mesa está pronta, aqui é onde fica interessante… e estranho.

Quase todo mundo neste planeta está, de alguma forma, insatisfeito com pelo menos uma área da sua vida.

Seja nossa saúde, relacionamentos, carreira ou situação financeira, poucos de nós têm todas as quatro áreas principais muito satisfeitas.

Pense nisso. Quantas pessoas você conhece que estão arrasando em todas as áreas de sua vida, de forma consistente?

Então, seguindo essa linha de pensamento, se as coisas não são realmente do jeito que queremos, por que nos apegamos tão fortemente às nossas crenças?

O caminho mais rápido para a evolução consciente

7 passos para remover crenças tóxicas e superar o viés de confirmação

Quando paramos para pensar conscientemente sobre isso, a maneira mais poderosa de evoluir e transcender nosso nível atual de pensamento é desafiar nossas próprias crenças.

Em seu brilhante livro Poor Charlie’s Almanack, Charlie Munger (melhor amigo de Warren Buffet e parceiro de negócios) aponta que, ao longo da história, muitas das pessoas mais bem-sucedidas do mundo estavam muito preocupadas com seu viés de confirmação e realmente se esforçaram para desafiar suas próprias crenças.

Ele cita o exemplo de Charles Darwin, que tinha um apetite insaciável por desacreditar e desenvolver sua própria teoria da evolução.

Como você sabe, isso funcionou muito bem para ele.

Então, como você e eu fazemos isso?

Nós nos tornamos cientistas. E montamos experimentos para testar nossas próprias crenças.

Aqui estão os passos:

  1. Escolha um cenário em que você experimenta regularmente uma emoção negativa. (Emoções/sentimentos são o ponto de entrada mais fácil na corrente de Crença-Pensamento-Sentimento-Ação-Resultado).
  2. Pergunte a si mesmo: “Qual é o pensamento que está criando essa emoção?”
  3. Pergunte a si mesmo: “Qual é a crença que está criando esse pensamento?”
  4. Agora que você isolou sua crença, crie uma experiência para testar sua validade. Como? Fazendo esta pergunta: “O que eu faria se essa crença fosse falsa e o contrário fosse verdade?”
  5. Comece a fazer o experimento, aplicando conscientemente o oposto de sua crença padrão.
  6. Acompanhe os resultados de maneira objetiva. Observe o que está acontecendo.
  7. Analise os resultados e confirme ou desacredite a antiga crença.

Para ajudá-lo a entender melhor esse conceito, vamos pegar o exemplo de um experimento que criei em minha própria vida.

Emoção: eu me sinto culpado por tirar um dia de folga do trabalho.

O pensamento é: “eu tenho tanta coisa para fazer. Se eu não trabalhar hoje, vou atrasar meu cronograma.”

A crença é: “a única maneira de alcançar todo o meu potencial e alcançar meus objetivos é trabalhar o máximo possível.”

O que eu faria se essa crença fosse falsa e o contrário fosse verdade? Eu trabalharia menos e relaxaria mais.

Eu montei um experimento para conscientemente trabalhar menos por um mês.

Estou acompanhando os resultados e me fazendo as seguintes perguntas:

Como meus projetos estão progredindo?

Como o negócio está crescendo?

Como eu me sinto?

O quanto eu sou criativo?

Como estão as minhas interações com meus amigos, funcionários e clientes?

No final dos 30 dias, analisei os resultados e decidi se era verdade ou não que “a única maneira de alcançar todo o meu potencial e alcançar meus objetivos é trabalhar o máximo possível”.

Os resultados surpreendentes do meu experimento

Em outubro, depois de conscientemente trabalhar menos e descansar mais…

Não apenas me senti INCRÍVEL (claro, criativo, inspirado), mas eu criei meu programa mais poderoso até agora (The Mindset Reprogramming Intensive) e inscrevi 42 alunos dedicados dentro de algumas semanas.

Isso levou a uma grande experiência de transformação para eles e a um aumento de 45% nas receitas mensais da minha empresa.

Então, eu mantive o mesmo padrão para novembro, durante o qual eu aumentei minha receita em outros 60%, enquanto servia mais aos meus clientes e me divertia muito.

No geral, o experimento foi um sucesso retumbante.

À luz desses resultados, descartei a antiga crença e criei uma nova que diz:

“A chave para alcançar meus objetivos rapidamente é encontrar o equilíbrio perfeito entre trabalho e recuperação, para ter certeza de que estou me divertindo e para me manter em ótimo estado.”

Conclusão: é a sua vez

Quando olho para a história da minha sexta-feira de folga, a ironia se manifesta.

Eu não queria tirar um dia porque tinha muito o que fazer, muito para aprender, etc.

Mas agora vejo que tirar um dia de folga foi a melhor coisa que eu poderia ter feito.

Engraçado como muitas vezes resistimos ao que mais precisamos.

Literalmente, aquela sexta-feira de folga, além de ser totalmente divertida e agradável, mudou a maneira como eu abordo meu trabalho e meu sistema de crenças.

E isso abriu um novo mundo de possibilidades. Aqui está a moral da história:

Quando se trata de crenças, você tem duas opções.

1) Você pode examiná-las conscientemente

2) Você pode deixá-las agir subconscientemente e tocar sua vida.

De um jeito ou de outro, você terá que lidar com elas.

Qual você vai escolher?

Este artigo é uma tradução do Awebic do texto originalmente publicado em High Existence, escrito por Phil Drolet.

Imagens: pexels.com e pixabay.com

Gostou do conteúdo? Então comente e compartilhe-o com seus amigos