Mente

7 coisas incríveis que acontecem quando você ama a si mesma de verdade

“Quando eu me amei o suficiente, eu comecei a deixar tudo o que não era saudável. Isso signfica pessoas, trabalhos, minhas próprias crenças e hábitos — qualquer coisa que me mantivesse pequena. Meu julgamento chamava isso de desleal. Agora eu vejo como amor-próprio.” — Kim McMillen

Eu comecei a aprender sobre amor-próprio muito tempo atrás.

Na verdade, eu comecei a aprender sobre amor-próprio há tanto tempo que quando, 15 anos depois, um xamã no Peru me disse que o amor-próprio era a resposta para todas as minhas perguntas, eu realmente fiquei irritada!

Eu tive que lutar contra a depressão na adolescência.

Por dois anos, eu vivi uma vida triste. Eu nem mesmo me lembro muito para ser honesta. Eu senti a dor da existência. Eu evitava as pessoas.

Todo dia parecia como se ainda houvesse um obstáculo para superar. Eu existia mais do que vivia.

Finalmente, eu superei e descobri algumas ferramentas que eu ainda uso para me ajudar com qualquer coisa ruim que eu possa ter hoje. Uma delas foi a prática do amor-próprio.

Eu encontrei alguns livros úteis de meditação, o Método Silva, visualização e o famoso livro “Você pode curar a sua vida”, de Louise Hay.

Eu escrevia afirmações diárias. Eu continuei a fazer o meu trabalho no espelho. Eu comecei a ser mais apreciativa e gentil comigo mesma. Eu meditava regularmente e gradualmente me reconstruí.

Eu pensei que tivesse cravado o amor-próprio. Eu pensei que tivesse realmente entendido o que amor-próprio era.

Eu estava errada.

Mudanças na vida de quem ama a si mesmo

Eu estava no início dos 30 — solteira e eu não estava completamente feliz com isso.

Não estava satisfeita com a minha carreira corporativa. Vivia em uma garagem adaptada em Londres e desejando saber o que mudar na minha vida para me sentir feliz.

Quando meu amigo perguntou se eu gostaria de ir para o Peru, eu não pensei duas vezes.

Senti que era a aventura certa no momento certo. Nós tivemos um tempo mágico por três semanas.

Visitamos muitos lugares antigos, participamos de cerimônias espirituais, encontramos e trabalhamos com xamãs e visitamos algumas comunidades antigas, vivendo uma vida modesta no meio dos Andes.

Nós experimentamos tudo o que Peru tinha a oferecer.

Um dia, meu amigo e eu decidimos ir a uma leitura da folha de coca. Foi principalmente por curiosidade, mas com leituras anteriores, eu queria me certificar de que minha vida mudaria e que em breve eu estaria em um lugar melhor.

Eu sabia melhor do que ninguém que ir a um psíquico iria acalmar a minha ansiedade. Uma vez durante a leitura, o psíquico me disse que há algumas possibilidades futuras para nós, com base nas nossas escolhas.

Então eu comecei a confiar mais nas minhas escolhas e me tornei mais confortável com o incerto, há sempre uma solução para os nossos problemas.

Eu que acredito que não importa o que eu experimente, passar por elas é para o meu bem maior e a lição exata que eu sei precisar.

De volta a minha história: então nós fomos para uma sala nos fundos de um lugar de massagem que nós já tínhamos visto alguns dias antes.

O xamã veio e usou o seu poder. Ele não podia falar inglês e tinha um tradutor.

Meu amigo foi o primeiro, fez perguntas e recebeu orientações.

Quando foi a minha vez, eu comecei a fazer as perguntas de costume:

Quando eu vou encontrar o amor da minha vida? Quando eu vou encontrar um trabalho melhor? Que trabalho seria esse? Quando eu vou encontrar um apartamento melhor? Quando eu vou começar a ganhar mais dinheiro?

Depois que eu fiz a primeira pergunta, o xamã mexeu nas folhas em suas mãos e as levantou. Quando elas caíram, ele olhou para elas e me disse: “Quando você começar a amar a si mesma.”

É justo, pensei comigo mesma e fiz outra pergunta.

O xamã levantou as folhas de novo, as contemplou por um tempo e me deu a mesma resposta: “Quando você começar a se amar mais.”

Eu pensei “tudo bem” e concordei silenciosamente com ele. Eu ainda senti que poderia me amar mais.

Eu fiz outra pergunta e tive a mesma resposta. E outra pergunta e a recebi a mesma resposta.

Dúvidas começaram a aparecer e eu me senti um pouco desconfortável.

Eu me sentia como se nós tivéssemos sido um pouco ingênuos de ter ido a um xamã que não conhecíamos e que ninguém nos tinha recomendado.

Quando eu ouvi a mesma resposta pela quinta vez, eu perdi o controle.

Eu me precipitei na direção do tradutor, acusando o xamã de ser falso e de não saber o que estava fazendo.

O tradutor começou a me acalmar e tentou me convencer que o xamã era muito popular e que ele sabia das coisas. Aparentemente, muitas pessoas continuavam a voltar por causa de suas leituras precisas.

De alguma forma, era difícil de acreditar.

Nós completamos a leitura e fomos embora.

Meu amigo tentou me ajudar a dar algum sentido a toda essa experiência, mas eu dispensei completamente a sua tentativa.

Eu estava furiosa.

Mudanças na vida de quem ama a si mesmo

Não só por causa da leitura, mas pela compreensão de que eu pensava ter feito tanto em relação ao amor-próprio e estava convencida de que sabia como me amar e me respeitar. E aí um estranho vem apontar que havia ainda muito trabalho a ser feito.

Eu me lembro de perguntar irritadamente ao meu amigo: “Quanto preciso trabalhar o amor-próprio para começar a me amar de verdade? Quinze anos não são suficientes?”

Eu me sentia desamparada e desencorajada.

Sentia que todo o trabalho que eu tinha feito até o momento no Peru não significava nada.

Eu estava frustrada porque eu presumi que depois de todo o trabalho interior que eu fiz, eu deveria estar melhor.

Eu deveria ter atraído homens de alta qualidade. Eu deveria ter um trabalho melhor. Eu deveria ter recebido mais dinheiro. Eu deveria estar mais feliz.

Minha vida tinha algumas lições para mim antes de eu entender o que amor-próprio significava na verdade.

Alguns anos depois, eu estava ainda mais frustrada no meu novo trabalho — e ainda solteira depois de dúzias de namoros falhos com homens que nem remotamente se encaixavam na descrição do meu homem dos sonhos.

Não estava muito mais feliz, mas tive um momento de compreensão enquanto estava secando o meu cabelo. Apenas me veio, do nada.

Eu senti em todo o meu corpo o que era amor-próprio. Senti-me inundanda com autoapreciação por nenhuma razão. Estava repleta de gentileza e compaixão por mim mesma.

Naquele momento, eu vi como quão sem amor eu havia me direcionado. Eu percebi que por toda a minha vida, eu tinha me traído e me abandonado.

Eu entendi completamente o que o xamã no Peru realmente quis dizer.

Até que eu me amasse de verdade e me honrasse, eu não conseguiria um trabalho melhor, não encontraria o homem da minha vida ou me sentiria mais feliz.

Eu não iria, porque não me amava o suficiente para sentir que era digna de tudo, afinal.

Levou um tempo para eu integrar minhas percepções e descobrir como o amor que eu tinha (ou a inexistência dele!) por mim mesma era diretamente responsável pela minha vida incompleta de amor, carreira desgastante e toda a infelicidade com a vida.

Leia:  5 leis espirituais para alcançar a serenidade em sua vida

Alguns anos depois, tenho a minha própria definição de amor-próprio.

Eu acreditei por um longo tempo que amor-próprio era meramente um sentimento direcionado a mim mesma.

Agora, eu sei. É mais do que apenas um sentimento.

Para mim, amor-próprio é uma prática.

É a prática de me escolher, colocar a mim mesma em primeiro lugar quando eu posso, me fazer importante e ser gentil e ter compaixão comigo mesma.

Além disso, amor-próprio é sobre escolher coisas, pessoas e situações que são boas para mim, parecem certas e me atendem.

amor-próprio é uma escolha conscientemente contínua!

Quando eu comecei a prática consciente de me escolher acima dos outros, acima das situações nocivas, acima das amizades e relacionamentos que não me preenchiam, as coisas mudaram drasticamente.

Mudanças na vida de quem ama a si mesmo

Para ilustrar por que você precisa praticar o amor-próprio, aqui vão alguns exemplos da minha própria vida:

1. Você se sentirá no comando de sua vida

Eu percebi que eu sempre tive uma escolha.

Eu poderia fazer escolhas pobres sem medo, culpa e vergonha ou escolhas empoderadas que estavam alinhadas com quem eu era e que fossem autênticas para mim.

Eu parei de tentar agradar as pessoas, aceitar homens que não mereciam a minha atenção e fazer coisas que não me traziam prazer ou satisfação.

Quando você começa a se amar mais, você vai se dar conta que os seus desejos e necessidades são importantes e você a escolha de honrá-los.

2. Você estabelecerá limites mais fortes no namoro e no amor

Como resultado de honrar minhas necessidades, eu comecei a me sentir mais confiante e firme.

Eu me tornei mais objetiva com relacionamentos. Parei de perder tempo com os caras errados e comecei a fazer escolhas românticas mais empoderadas.

O resultado final: descobri o amor da minha depois de lutar no departamento do amor por anos.

Quando você intensifica os seus limites para um lugar de amor-próprio, você se sentirá mais empoderada e irá parar de escolher repetidamente parceiros que não são bons para você.

3. Você irá parar de buscar aprovação

Esta é a coisa mais libertadora de todas.

Enquanto eu amava e me respeitava mais, eu parei de me preocupar com o quanto os outros gostavam de mim ou me aprovavam. Parei de fazer coisas para que gostassem de mim.

Isso criou um espaço para eu ser mais autêntica, menos defensiva e ser mais o meu eu genuíno.

Quando você tem a sua própria aprovação e aceitação, você começa a se importar menos com a opinião das pessoas e vive uma vida alinhada com os seus próprios valores.

4. Você começará a tomar decisões mais corajosas e conscientes

Eu desisti do meu emprego desgastante em respeito a mim mesma.

Mudei de Londres depois de quinze anos para ter uma vida mais pacífica e calma.

Eu me apaixonei de novo. (Isso exige muita coragem se você já foi magoado inúmeras vezes!)

Eu engravidei e tive um parto natural. E não tenho ideia de como isso aconteceu. Eu seria a primeira a pedir epidural, mas eu ouvi o meu corpo e ter uma epidural não me pareceu certo.

Eu me tornei a mãe do meu filho. Isso é provavelmente a coisa mais valente que eu já fiz na minha vida, já que eu amava tanto a minha liberdade.

Mas amar meu filho me ajuda a esquecer quão importante era minha liberdade antes.

O amor-próprio dá a coragem para se livrar das coisas que não atendem você e deixa espaço para as coisas que vão ajudar você a crescer.

Quando você valoriza a si mesmo de verdade, você toma decisões que honram você em vez de lhe causarem dano.

5. Você começará a apreciar estar consigo mesmo

Eu parei de encher os meus ias com encontros, namoros e passeios, como eu fazia no passado, apenas para não me sentir sozinha.

Eu parei de fugir de mim mesma para os braços de algum homem inadequado. Eu parei de encontrar amigos só para ter alguma companhia.

Em vez disso, eu comecei a fazer mais coisas que eu amo: nadar, yoga, escrever, assistir filmes, meditar.

Quando você me reconectei profundamente, gastando tempo na minha própria companhia, não me senti mais assustada. Eu parei de temer ficar sozinha.

Você também descobrirá isso quando se amar mais, você passa a ficar mais confortável na sua própria companhia.

6. Você desenvolverá um relacionamento forte com você mesmo

Quanto mais tempo eu passava comigo mesma, eu aprofundava a conexão que eu tinha comigo.

Eu parei de me desesperar por um relacionamento romântico, porque eu comecei a me divertir mais sozinha. Eu me tornei minha própria amiga.

Comecei a me sentir mais segura como uma pessoa, enquanto eu explorava o meu ser interior verdadeiro.

Quando você aprofunda a sua conexão consigo mesmo através do amor-próprio, você se conectará em um nível mais profundos com os outros também. Enquanto seu relacionamento com você mesmo melhora, as suas outras relações ficam mais forte também.

7. Você vai parar de buscar a felicidade nos relacionamentos

E me amar me ajudou a descobrir que eu não preciso de um homem para ser feliz. Todo o amor que eu precisava para ser feliz já estava comigo.

Eu assumi mais responsabilidade pela minha felicidade pessoal e parei de dar o meu poder para os homens.

Eu compreendi que a felicidade estava constantemente presente na minha vida. Não estava em algum lugar no futuro.

Eu só precisava mudar meu foco e aprender a apreciar que eu tinha o bastante em vez de notar apenas o que eu não tinha.

Quando você começa a amar mais a si mesmo e se sente mais feliz, você também se sentirá menos desesperada por um relacionamento romântico. Você perceberá que não precisa de um parceiro para ser feliz.

Você apenas precisa ser feliz e a pessoa certa aparecerá a tempo.

Como começar a se amar mais? Comece a escolher você diariamente e faça o que é certo para você.

Introduza a prática diária de checar com você mesmo(a) com frequência o que você precisa para tomar uma decisão ou fazer uma escolha.

Primeiro pergunte para si mesmo: o que faria você se sentir amado nessa situação?

Uma vez que você tem a resposta, pergunte a si mesmo essas três perguntas poderosas:

Parece bom/certo para mim?

Me atenderá?

Fará eu me sentir energizado?

Essas perguntas vão ajudar você a honrar a si mesmo e suas necessidades e ficar verdadeiro e amoroso consigo mesmo.

Há muito mais que eu gostaria de dizer sobre esse assunto. Mas vai ficar para outro artigo.

Só deixe-me dizer uma coisa: o amor-próprio transforma sua vida — então comece a praticar!

Este texto faz sentido para você? Você está em dia com o amor-próprio? Comente!

Esse artigo é uma tradução do Awebic publicado originalmente em Tiny Buddha, escrito por Aska Kolton.

Imagens: pexels.com e pixabay.com

Compartilhe este conteúdo com os seus amigos!