Humanidade

8 coisas que ficaram claras depois que larguei meu emprego corporativo

Eu deixei meu emprego corporativo – e essas 8 coisas ficaram claras

Muitos sonham em deixar para trás a vida corporativa. Reportando-se a ninguém além de você mesmo.

Nove meses atrás, eu fiz isso.

Depois de mais de duas décadas ótimas na Procter & Gamble, eu dei o salto – uma saída planejada da vida corporativa para entrar all-in no meu antigo lado de escrever, falar e ensinar.

Agora esta é a minha batalha e acredite em mim, eu estou batalhando (e amando cada minuto disso).

Eu estou parando agora para compartilhar a grande invenção que é retrospecção – permitida pelo meu salto.

E a propósito, isso não foi feito para guiá-lo a pular. Foi feito para guiá-lo ao prazer.

Que essas oito realizações te ajudem a ser mais feliz onde quer que você esteja:

1. Duas coisas serão a nossa morte: a própria morte e as reuniões.

Está ainda mais claro agora. Tempo demais é desperdiçado em reuniões, de muitas maneiras. Em minúcias, microgerenciamento ou disfarce.

Se eu pudesse de ter volta um quarto do tempo que passei em reuniões, eu adicionaria um dólar ao preço das ações.

Encene uma revolta. Pergunte por que você está em reunião. Pergunte se você pode resolver através de e-mail ou (suspire) apenas decidir.

Coisas que ficaram claras depois que larguei meu emprego corporativo

2. Eu sinto falta da maioria das pessoas e nenhuma falta dos processos.

O processo pode servir a um propósito, às vezes.

As pessoas com quem trabalhamos nos dão um propósito, o tempo todo.

Ah, se eu pudesse voltar todo o tempo gasto servindo a algum processo mundano e reinvesti-lo nos relacionamentos.

Quando você é removido das pessoas com quem você trabalhou e deu risadas, você se lembra de algo.

A vida é relacionamentos.

Os pequenos investimentos diários que você faz nos outros serão importantes no final. Pense nisso como um plano de previdência para uma vida significativa.

3. É menos sobre impressionar e mais sobre como deixar uma marca.

No mundo corporativo, é fácil perder muito tempo se preocupando com a forma como você se sai nas reuniões ou com o que seu chefe (ou chefe do chefe) pensa de você.

Eu certamente fui pego aqui às vezes.

Mas eu vejo mais claramente do que nunca que não é o que as pessoas pensam de você que conta.

É o que dizem de você, de coração, quando ninguém está olhando. Que tipo de pessoa você é? Que tipo de marca você deixou na vida dos outros?

Encontre maneiras de ampliar sua plataforma para fazer a diferença para os outros.

Persiga autenticidade, não aprovação.

4. Todas aquelas pequenas coisas realmente são pequenas coisas.

Ugh. Tanto tempo perdido com porcarias. Coisas que simplesmente não importam.

Leia:  Cadela cega é resgatada 8 dias depois de desaparecer nas montanhas da Califórnia

A bronca de um gerente, a pisada na bola de um colega de trabalho, o desgosto com o seu ambiente de trabalho desatualizado.

Seja qual for a sua pequena coisa, apenas lembre-se de que é apenas isso e não deixe que isso consuma você. Coma uma refeição diferente – uma de perspectiva e atitude positiva.

Coisas que ficaram claras depois que larguei meu emprego corporativo

5. A flexibilidade é extasiante.

Para mim, deixar a vida corporativa significou trabalhar com um cronograma muito mais flexível. Estou tão ocupado quanto antes, mas duas vezes mais produtivo.

Eu sinceramente acho que se eu ainda estivesse na Conglomerado S.A., eu acharia um horário de trabalho flexível dez vezes mais motivador do que um grande aumento de salário.

Se você é chefe, seja corajoso, confie e encontre maneiras de garantir essa poderosa flexibilidade. Se você é um empregado, peça.

6. Minha presença é mais um presente.

Eu não quero dizer isso egoisticamente.

Estar fora de um ambiente corporativo altamente estressante baixou minhas defesas e elevou meu QI interpessoal. Estou mais relaxado, menos preocupado e mais plenamente presente com os outros.

Eu sei – para mim é fácil dizer, já que eu não preciso mais explicar os resultados de ações ruins pela manhã.

Mas me arrependo por não poder colocar o estresse em seu lugar com mais frequência para aproveitar mais plenamente o dom da presença de outro. Aprenda comigo.

7. Não há maior estímulo do que se sentir desafiado e crescer novamente.

Na minha função, o trabalho e os desafios estavam se tornando repetitivos. A vida oferece tantas oportunidades tentadoras, e parece que eu aproveitei uma sem perceber.

Agora meu mundo é escrever e falar em tempo integral, me esforçando para criar cursos online, dando aulas em uma universidade – tudo novo e energizante.

Se comprometa novamente com a ideia de desafio e crescimento. É um elixir de prazer.

Coisas que ficaram claras depois que larguei meu emprego corporativo

8. Sua saúde deve ficar em um pedestal. Ponto final.

A vida corporativa pode ser sinônimo de sacrifício, muitas vezes do tipo mental e físico. Ser capaz de aumentar meu investimento em saúde está pagando dividendos em minha vida profissional.

Saúde e trabalho não precisam ser mutuamente exclusivos. Precisei sair da rotina para perceber isso.

Sou grato por tudo que a vida corporativa me ensinou e me deu. Espero agora continuar a minha evolução de ‘ser’ para ‘me tornar’.

Onde quer que você esteja, você pode fazer o mesmo.

Você já passou por um experiência parecida? Quais os ensinamentos que pode nos passar sobre ela? Comente!

Este artigo é uma tradução do Awebic do texto originalmente publicado em Inc. escrito por Scott Mautz.

Imagens: pexels.com e pixabay.com

Compartilhe este conteúdo com seus amigos que não aguentam mais a rotina do mundo corporativo!