Humanidade

Cadela abandonada acompanha atleta por 250 km em maratona no deserto

Já contamos muitas histórias incríveis de cães que marcaram a vida de seus donos pelos mais variados motivos. E sem dúvida, a capacidade humana de retribuir o amor e companheirismo dos pets também pode surpreender.

Essa história interessante aconteceu em março, na China, durante a 4 Deserts Race Series, uma corrida anual no deserto.

A competição exige alta resistência dos competidores e é uma das mais difíceis do mundo pelos obstáculos naturais que impõe a ultramaratonistas como o escocês Dion Leonard, de 41 anos.

Companhia incomum

O ultramaratonista conta que percebeu uma companhia incomum durante o primeiro dia de corrida. Uma cachorrinha vira-lata, que passou a acompanhar os 101 competidores enquanto corriam 250 km através da Montanha Tian Shan até o Deserto de Gobi.

E Gobi lhe pareceu o nome certo para ela.

“A partir do dia dois, Gobi estava na linha de partida perto de mim, me olhando,” contou o ultramaratonista para o jornal The Independent.

Foi o primeiro contato que ele teve com a cachorrinha e embora tenha percebido a presença dela ao seu lado, não pensou que a pet ficaria com ele. Tanto que Leonard disse não ter falado muito com ela:

“Mas na linha de chegada, ela me seguiu para a minha tenda e nós dormimos próximos um do outro. Então era isso.”

Vínculo inquebrável

Gobi correu quatro etapas, inclusive a final de 10 km até a linha de chegada, o que ele considerou força única para um cachorro tão pequeno e em condições tão difíceis. E todos, desde competidores, voluntários e membros do staff da corrida se apaixonaram pela cachorrinha.

“Gobi trouxe um brilho para mim e ao longo da semana nós desenvolvemos um vínculo inquebrável, tanto que eu compartilhei meu espaço de dormir, comida, água e ultimamente nossa companhia.”

Ajustes

Durante a corrida, Leonard precisou fazer alguns ajustes para garantir a segurança de Gobi e a conclusão das etapas, como carregá-la através de rios e ajudá-la em partes do percurso que não conseguia atravessar sozinha.

Leia:  Nigeriano cria boneca negra para sobrinha e agora vende mais do que Barbie no país

Depois de acompanhá-lo com persistência, o ultramaratonista percebeu que Gobi sumiu por dois dias para descansar por causa do calor do deserto, mas esperou por ele na linha de chegada. Então ele se deu conta que se tratava de um cachorro realmente especial.

“Depois de terminar a corrida, eu comecei a pensar em como levar Gobi da China para Edimburgo, na Escócia.”

Campanha #bringGobihome

Foi assim que ele começou uma campanha para conseguir pagar todo o longo processo para levar Gobi para casa, já que os custos chegariam perto de 5 mil euros para exames médicos e procedimentos de quarentena.

Na página da campanha, Leonard escreveu:

“Se você já sentiu essa ligação mágica com um animal, eu espero que você também possa ajudar a fazer isso acontecer, dando pouco ou o quanto você for capaz e qualquer coisa que você puder ajudar, fará essa história ainda mais incrível!”

As pessoas se sensibilizaram e ajudaram Leonard a superar suas expectativas e alcançar o valor de 14.895 euros.

Por enquanto, a cachorrinha está sob os cuidados de um amigo na China. Leonard disse à BBC que tem esperanças de que Gobi chegue na Escócia em tempo para o Natal:

“Isso seria o melhor presente de Natal de todos. Estou esperançoso de que vai acontecer e eu sou muito grato por todo o apoio, porque isso certamente fez as coisas muito mais fáceis.”

De uma experiência inusitada, surgiu uma amizade ainda mais inesperada. Em breve Gobi estará em sua nova casa e que isso aconteça o mais breve possível!

Quem não tem ou nunca teve um vínculo especial com um animal, não é mesmo? Compartilhe com os seus amigos!

Imagens: crowdfunder.co.uk. Fontes: huffingtonpost.com, independent.co.uk, bbc.com.