Humanidade

Como aproveitar a vida (mesmo quando for tirar o lixo)

Eu não sei você, mas sempre que eu sou convidado para uma confraternização, quando o jantar termina e começamos a limpeza da bagunça, eu sempre fico aliviado por ter uma tarefa definida: coletar os copos, limpar a mesa, separar os recicláveis.

Mesmo que a minha tarefa fosse ter que esfregar uma assadeira, ela seria bem-vinda.

Prefiro isso a ficar sentando me sentindo um inútil enquanto o anfitrião faz tudo.

Mas mesmo deixando essa situação de lado, há um certo prazer em se encontrar realizando uma tarefa, a menos que você esteja determinado a odiá-la.

Em outros contextos, tarefas igualmente básicas podem parecer irritantes e desagradáveis.

Às vezes, por nada, deixo uma pilha de livros perdidos na escada por três dias, ou uma cesta de meias lavadas desdobradas até que minha gaveta de meias fique vazia.

Por que não ter o mesmo prazer nesses pequenos trabalhos rotineiros?

como aproveitar a vida

Você consegue aproveitar a vida enquanto espera seu café ficar pronto? Crédito: mentatdgt | Pexels.

É tudo questão de contexto, eu suponho — se as tarefas domésticas da vida pudessem, de alguma forma, fazer parte de um esforço de limpeza pós um jantar com os amigos, todos os dias seriam uma sequência de pequenos prazeres.

O hábito de ter um pequeno prazer, até mesmo em tais tarefas, seria uma mudança de vida, porque a maioria das atividades que fazemos durante um dia típico não é feito com prazer: lavar roupa, atividade física, trabalho de escritório, lavar louça, tirar pó.

Fazemos essas coisas porque elas tornam a vida melhor em algum sentido menos imediato; eles são recompensadores, mas não curtimos necessariamente a atividade em si.

Como gastamos nossos dias é como gastamos nossas vidas, como diz o ditado, e isso significa que a maioria de nossas vidas é gasta fazendo um trabalho de manutenção que não é especialmente agradável (limpar, trabalhar, arrumar, organizar) para apoiar especialmente coisas divertidas (tempo de lazer, refeições, confraternizações, empreendimentos criativos e projetos pessoais) que fazemos com o que sobra do nosso tempo.

Todos nós queremos aproveitar a vida e não apenas uma fração dela.

Mas se você usar o Google “como aproveitar a vida”, a maioria das imagens que você verá são símbolos daquelas atividades excepcionais: redes, praias, jantares à luz de velas e caminhadas cênicas.

Claramente a visão que temos de aproveitar a vida não tem nada a ver com a forma que, atualmente, gastamos a maior parte dela: fazendo coisas necessárias, mas não dignas de valor, diante de escrivaninhas, fogões, cestas de lavanderia, pias e prateleiras de mercearias.

Às vezes, essa pilha de atividades necessárias parece tão grande que resta pouco tempo para as atividades do tipo diversão e relaxamento.

No entanto, esta é uma falsa bifurcação. O prazer da vida não está todo preso às coisas que queremos fazer. Também há prazer disponível para nós em quase todas as tarefas de rotina.

É possível desfrutar de pé na fila da lanchonete, varrendo o chão, virando o monte de compostagem, sentando no trânsito e desembaraçando as luzes de Natal — a menos que vejamos essas partes da vida simplesmente como obstáculos para as partes agradáveis, como costumamos fazer.

Em algum nível já sabemos disso.

Mesmo que isso aconteça apenas ocasionalmente, todos nós sabemos como é desfrutar de momentos sem glamour, como o dobrar de uma toalha de chá, a amarração de um sapato ou o brilho de uma pia.

Mas quando estamos preocupados em acabar com isso, tendemos a ver nossas tarefas, obrigações e momentos intermediários como desprovidos de prazer.

Para a mente que está procurando, há prazer em tomar água da torneira no calor, o ar fresco em uma caminhada até a loja e a sensação relaxante de se sentar em uma cadeira, mesmo que essa cadeira esteja em uma sala de espera.

Leia:  20 atitudes simples para encontrar mais paz no seu dia a dia

Nós não fazemos essas atividades de rotina — ou a maioria das atividades — por razões de prazer, mas o prazer está disponível na maioria das atividades.

Não há nada complicado em encontrar esse prazer na rotina, se a intenção estiver lá.

Uma simples intenção de desfrutar da tarefa ou experiência, não importa o quão chato aquilo pareça a princípio, é suficiente para iluminar as qualidades agradáveis daquilo.

Esta hora você está prestes a gastar um tempo arrumando o sótão — que prazer você pode encontrar nessa atividade?

Bem, você pode achar que deslizar as caixas em pilhas corretas e em ângulo reto é satisfatório.

Você pode gostar da sensação de ter limpado um lado da sala para poder varrer o chão com facilidade.

Pode se sentir bem apenas por usar seus músculos.

Ou pode ser apenas um lugar tranqüilo para estar trabalhando em alguma coisa.

As qualidades agradáveis ​​nessas tarefas coexistem com qualquer dificuldade ou desagrado.

pessoa tirando o lixo

Você consegue aproveitar a vida enquanto tira o lixo? Crédito:
Juan Pablo Arenas | Pexels.

Poucas de nossas tarefas obrigatórias são puramente difíceis e desagradáveis, mas se pensarmos nelas dessa maneira, como somos treinados pela cultura e muitas das pessoas ao nosso redor, vamos nos fixar nos aspectos ruins e ignorar o prazer delas.

Muitas vezes, as tarefas que consideramos terríveis têm apenas uma parte realmente desagradável.

Levar o lixo para fora, por exemplo, envolve apenas cerca de cinco segundos que considero questionável: o momento em que amarro a bolsa, quando meu rosto está perto da fedorenta nuvem invisível que sai.

Todo o resto — carregando-a até a porta, colocando minhas botas, saindo para os fundos, depositando-as no lixo, caminhando de volta, elas são fáceis de apreciar, ou pelo menos não me chatear.

Pode não haver tanto prazer disponível em vinte minutos de espera na fila do Detran quanto em vinte minutos comendo bolo.

Mas isso não importa, visto que vamos passar a maior parte de nossas vidas nesses tipos de momentos obrigatórios, nós estamos deixando muita coisa para trás assumindo que só vamos ter prazer mais tarde, em outros lugares, fazendo outras coisas.

Tudo isso pode parecer ridículo, ou até mesmo desesperado — tentar achar prazer em tirar o lixo ou colocar um suéter.

Mas procurar diversão em momentos não dignos de valor não é mais radical do que “procure pelo bem nas pessoas” e é igualmente transformador. Nós só não ouvimos isso com tanta frequência.

Os prazeres que você encontra podem ser leves, mas a intenção de encontrá-los faz uma diferença drástica na forma como se sente ao fazer quase tudo.

Você provavelmente descobrirá que tem uma apreciação natural por coisas muito sutis — o clique de uma trava se fechando, a sensação de algodão lavado, o barulho noturno de uma mercearia, o pequeno soco de uma tachinha contra o papel — e que a vida oferece centenas desses prazeres diariamente.

Podemos encontrar prazer até nos movimentos simples de se levantar, sentar e colocar um objeto em seu lugar.

O real efeito transformador não está nos prazeres sutis, mas sim na maneira completamente diferente que estamos direcionando nossas mentes em momentos comuns.

Nós estamos olhando para a nossa experiência, não para fora dela, por interesse e prazer.

Podemos facilmente passar nove décimos de nossas vidas esperando para apreciar o tempo livre — redes, passeios de bicicleta e cafés com amigos — ou podemos gastar esse tempo — o que equivale a décadas — apreciando o que já está acontecendo.

E não é nada sutil a diferença que isso faz.

___

Este texto foi publicado originalmente no Raptitude, por David Cain. Adaptação feita por Awebic.