Humanidade

Como ajudar os alunos a lidarem com a adversidade

A pesquisadora de educação Patricia Jennings explica como os professores podem efetivamente apoiar crianças traumatizadas em suas salas de aula.

Jada, de seis anos, sente uma persistente expectativa de perigo. Ela reage exageradamente a situações provocantes e tem dificuldade em controlar suas emoções, que muitas vezes surgem sem aviso prévio.

Para seus professores, Jada parece sensível, temperamental e agressiva.

Ela é facilmente frustrada, o que a torna suscetível a bullying.

Quando alguma coisa acontece na escola que provoca Jada, ela pode atacar com fúria.

Como os professores podem gerenciar uma criança como Jada, que pode ter sofrido um trauma, mas cujas reações emocionais dificultam o aprendizado dela?

Não ficando com raiva, com certeza. Isso apenas acionaria sua fúria, porque ela é hipersensível a críticas.

ajudar crianças traumatizadas

Crédito: Pixabay | Pexels.

No meu novo livro, “The Trauma-Sensitive Classroom”, apresento as principais estratégias alternativas que os professores e as escolas podem usar para ajudar as crianças que sofreram traumas a se saírem melhor na escola.

Descobri que, quando os professores reconhecem os sintomas do trauma, constroem relacionamentos de apoio e ambientes em sala de aula, e desenvolvem forças para ajudar as crianças traumatizadas a aprenderem a autorregulação, eles podem desempenhar um papel importante em ajudá-las a se curar.

Como os professores podem fazer isso enquanto ainda gerenciam uma sala cheia de outras crianças?

Pode parecer difícil demais contemplar, mas muitas das estratégias são úteis, não importa quem esteja em sua sala de aula.

E, contanto que você os acople com cuidado para o seu próprio bem-estar, eles certamente valem o esforço.

Aqui estão algumas das sugestões que faço no meu livro.

1. Construa relacionamentos de apoio na sala de aula

Como seres humanos, o fator mais importante para nossa sobrevivência é o relacionamento de apoio.

Mas o trauma e a adversidade podem atrapalhar o desenvolvimento dos importantes laços que as crianças precisam para atingir seu pleno potencial.

Famílias e comunidades fragmentadas tornam mais difícil para as crianças e adolescentes encontrar figuras de apego com as quais se conectar, deixando muitas crianças desamparadas.

Para apoiar crianças e adolescentes expostos a traumas e adversidades, podemos demonstrar modelos de trabalho alternativos de relacionamentos através da construção da confiança social.

Embora um ambiente de sala de aula acolhedor e de apoio seja benéfico para todos os alunos, para alunos expostos a traumas e adversidades, é uma necessidade.

Os professores podem se esforçar para conhecer cada aluno individualmente, seus pontos fortes e desafios.

Eles podem prestar atenção especial à rede de relacionamentos da sala de aula, promover relacionamentos positivos entre colegas, ensinar e reforçar a bondade e o respeito, evitando situações competitivas que criam hierarquias sociais.

Os professores podem construir relacionamentos com os alunos, praticando uma mudança de mentalidade — uma que enfoca os pontos fortes dos alunos, em vez de suas fraquezas.

Em vez de se perguntar: “O que há de errado com ele?”, quando um aluno apresenta dificuldades, pergunte-se: “O que aconteceu com ele e como ele aprendeu a adaptar-se a isso?”, reformulando dessa maneira ajudará você a entender de onde ele está vindo e a melhor maneira de ajudá-lo.

É melhor não perguntar aos alunos que se comportaram mal, “Por que você fez isso?” — porque o comportamento deles pode ser tão desconcertante para eles quanto pode ser para você!

Os educadores precisam entender que a exposição ao trauma muitas vezes prejudica a autoconsciência, a autorregulação e a tomada de perspectiva, o que interfere na capacidade desses alunos de compreender ou explicar as razões de seu comportamento.

Se os professores puderem se afastar da culpa e fornecer compaixão, empatia e respeito pelos pontos fortes dos alunos, será um grande passo para a construção de relacionamentos positivos na sala de aula.

2. Crie espaços seguros

O tratamento eficaz de traumas complexos requer sistemas comunitários coordenados que possam identificar, tratar e fornecer apoio de forma eficaz a crianças, adolescentes e famílias.

A primeira ordem para construção de uma escola sensível ao trauma é criar um ambiente seguro para todos os envolvidos.

O que isso significa? Isso significa que todos os alunos se sentem protegidos e conectados aos seus professores e à comunidade escolar, e que as regras para os alunos são sempre justas, feitas com as suas necessidades em mente.

No nível da sala de aula, os professores podem ajudar a criar segurança, criando regras lógicas e justas que são consistentemente reforçadas.

Para as crianças expostas ao trauma, isso é particularmente importante, porque elas vêm de lares onde as regras podem estar associadas à arbitrariedade e à punição severa.

Pode ser útil usar a palavra “expectativas” em vez de “regras” para se comunicar com os alunos de uma maneira que seja menos provável de desencadear emoções.

Leia:  Policiais fazem jantar para casal de velhinhos que encontraram chorando

Como as crianças expostas ao trauma geralmente se sentem impotentes em relação ao que está acontecendo em suas vidas, fazer com que elas participem da criação de regras de sala de aula e dar-lhes escolhas e alternativas ao fazer designações pode ajudar a fortalecê-las.

No entanto, é importante não diminuir suas expectativas acadêmicas.

Eu testemunhei professores que ofereciam aos alunos expostos a traumas uma planilha de coloração como uma alternativa para uma tarefa matemática por medo de que a tarefa pudesse desencadear uma explosão.

Embora a oferta de tarefas alternativas possa ser útil às vezes, as alternativas devem proporcionar ao aluno uma oportunidade apropriada de aprender o mesmo material.

O que os professores podem fazer quando os alunos encenam?

Embora você deva sempre abordar um comportamento que interrompa o processo de aprendizagem, é importante não romper a conexão dos alunos com a comunidade escolar.

Políticas excludentes, como suspensão e expulsão, apenas reforçam os sentimentos de rejeição e baixa autoestima dos alunos.

Em vez disso, dê aos alunos a oportunidade de se acalmarem, diminuindo a situação.

Reconheça que tal comportamento pode ser comum em seu ambiente doméstico e pode precisar de apoio para aprender estratégias adaptáveis que sejam apropriadas para o ambiente escolar.

Estratégias alternativas incluem convidar o estudante a tirar um tempo para colocar a cabeça em ordem e se acalmar, seja na “canto da paz” da sala de aula ou em uma “sala de resiliência”, um lugar criado para dar espaço aos estudantes para auto-regularem seu ritmo.

3. Construir pontos fortes apoiando a auto-regulação

Hipervigilância, hiperatividade e uma tendência para dissociar-se — estas são todas as maneiras que os estudantes que foram expostos a ambientes traumáticos tentam se adaptar.

Infelizmente, embora sejam adaptáveis em alguns ambientes estressantes, podem interferir na capacidade do aluno de concentrar sua atenção nos trabalhos escolares.

Para apoiar os alunos expostos a traumas e adversidades, os professores podem ajudá-los a aprender a entender e a gerenciar melhor suas emoções — direta e indiretamente.

Por exemplo, você pode monitorar seus alunos em busca de sinais de hiperatividade e usar conversas tranquilizantes para ajudá-los a se acalmarem.

Você também pode ensinar estratégias calmantes, como práticas conscientes simples e de relaxamento, que ajudam todos os alunos a lidar com sentimentos difíceis.

Ter uma prática baseada em meditação ou compaixão prepara você para ensinar práticas aos alunos e manter sua própria resiliência ao mesmo tempo.

Tenha cuidado para evitar situações que sejam confusas, caóticas ou instáveis.

Se essas situações surgirem, tente preparar essas crianças com antecedência.

Aqui está um exemplo de como isso pode ser feito:

Digamos que você saiba de um próximo treinamento de incêndio e teme que isso desencadeie um aluno.

Embora todos os alunos mereçam um aviso, você pode dar apoio especial a um aluno que esteja particularmente assustado.

Levá-lo de lado durante o recreio matinal e explicar o que vai acontecer podem ajudar a evitar um colapso.

Além disso, pedir ao aluno para assumir um papel de liderança — talvez liderar os outros alunos ao sair da sala de aula — dá a ela uma chance de se sentir fortalecido com a situação.

Dar a ele um último aviso logo antes do treinamento de incêndio acontecer e se preparar para seu papel especial pode ajudá-lo a construir alguma autoconfiança.

A exposição ao trauma e a adversidade durante a infância e a adolescência têm um impacto significativo no desenvolvimento da criança, muitas vezes interferindo no aprendizado e no funcionamento social e emocional.

Embora as crianças possam ter aprendido a lidar com um ambiente estressante de maneiras adaptáveis, suas estratégias de enfrentamento podem representar desafios para o aprendizado em ambientes escolares, especialmente se as escolas não estiverem empregando práticas sensíveis ao trauma.

As escolas podem desempenhar um papel importante ajudando os alunos a se curarem, reconhecendo e fortalecendo seus pontos fortes e construindo relacionamentos de apoio, criando ambientes de aprendizagem seguros e cuidadosos, e apoiando seu desenvolvimento de autorregulação.

Isso requer adultos que estejam comprometidos em cuidar de si mesmos primeiro, para que eles tenham a resiliência de serem compassivos em seu ensino.

Embora isso nem sempre seja uma tarefa fácil, acredito que os benefícios em termos de melhoria do clima escolar e aprendizado dos alunos valem o esforço.

A longo prazo, os benefícios para nossos alunos e para a sociedade podem ser imensuráveis.

___

Este texto foi publicado originalmente na Greater Good Magazine, por Patricia Jennings. Adaptação feita por Awebic. Saiba mais sobre o trabalho de Jennings aqui.