Espírito

O verdadeiro significado da vida é que um dia ela irá acabar

Eu estou sentado em um avião agora cercado por estranhos.

Eu posso ver a curvatura da terra e do sol poente.

É lindo.

Mas não bonito o suficiente para afastar o meu medo.

Estou esperando que meu avião exploda a qualquer segundo.

Poderia acontecer.

Isso realmente poderia acontecer.

E está fora do meu controle.

Eu imagino vividamente meu último momento.

Som estranho.

Rostos confusos.

A percepção da massa de que algo está irremediavelmente errado.

O reconhecimento de que esses estranhos são agora companheiros do boa noite escuro.

Sinto minha aceitação relutante de que este é o fim.

A finalização de tudo que eu carrego no meu coração.

Meu mais alto adeus.

Mas não ouvido por aqueles que contam.

Eu imagino meu último suspiro.

Quão diferente seria essa respiração em comparação com as milhões anteriores a ela.

Eu vejo a dor no rosto da minha namorada, que eu deixei há algumas horas.

Eu me certifiquei de mandar uma mensagem para ela: “eu te amo para sempre”, antes de embarcar.

A expressão “para sempre” não era apenas clichê.

Eu nunca disse isso a ela antes.

Era eu falando com ela desde a eternidade… apenas caso algo dê errado.

Uma vez eu li que algumas pessoas arranham o chão quando ouvem que alguém que amam morreu.

Elas querem fugir do mundo, então tentam cavar para fora dele.

Espero que as pessoas que me amam não experimentem isso.

Espero que elas possam ser felizes e continuar vivendo para mim, mesmo que seja difícil.

Eu gostaria disso.

Claro, eu sei racionalmente que existem cerca de 10.000 aviões no céu neste exato segundo.

Eu sei racionalmente que os acidentes de avião são ridiculamente raros.

Mas ainda estou com medo.

Eu tenho ansiedade de morte.

Veja bem, a morte tem estado em minha mente ultimamente.

Nos últimos doze meses, vi muitas pessoas morrerem.

Um dos meus vizinhos morreu de tumor no cérebro.

Outro vizinho foi diagnosticado com câncer de fígado e morreu uma semana depois.

Meu tio teve um ataque cardíaco súbito de um coágulo na perna um mês depois de se aposentar no exterior.

Um amigo online, Justin Alexander, desapareceu nas montanhas indianas e agora está supostamente morto.

E meu pai foi diagnosticado com câncer de intestino, mas felizmente o retirou através de cirurgia.

Eu não sabia como processar tudo isso quando aconteceu.

Acabei desenvolvendo uma espécie de hipocondria.

Ficando todo preocupado por causa de uma coisinha.

Viagens para o departamento de emergência.

A morte é uma coisa tão estranha.

Um minuto alguém está lá.

Então ele não está.

Somos todos tão frágeis.

Uma queda, um estrondo, uma reviravolta, uma doença, um pequeno erro e isso pode ser o seu fim.

Toda a sua singularidade lançada incessantemente no esquecimento.

Não importa se você é um lutador campeão mundial.

Não importa se você é rico ou famoso.

Napoleão disse: “Todos os homens são iguais perante o canhão”, e o mesmo vale para a morte.

Mozart. Michelangelo. Marilyn Monroe.

Todos eles experimentaram seu último vislumbre de consciência.

E naquele momento sua grandeza terrena era arbitrária.

Toda essa ansiedade da morte me fez fazer perguntas.

“Para que tudo isso?”

Sabe, por que se preocupar tanto?

Eu costumava pensar que as pessoas que não se esforçavam para grandes coisas estavam desperdiçando suas vidas.

Aqui estou eu, lendo muitos livros, tentando “melhorar a mim mesmo”, viajar pelo mundo, viver uma “grande vida”, mas por quê?

Leonardo da Vinci disse: “Eu pensei que estava aprendendo a viver, mas realmente aprendi a morrer”.

Afinal, o que isso quer dizer?

Com todas essas perguntas e toda essa angústia eu fiz o que normalmente faço quando tenho um problema… fiz algumas perguntas muito simples:

Como a vida pode ser significativa à luz da morte?

E a morte é algo que deveria ser assustador?

Felizmente, meu avião pousou em segurança.

Mas eu não me senti seguro. Eu ainda me sentia vulnerável.

Então comecei minha busca por respostas.

Abaixo estão os frutos da minha jornada para a morte.

6 razões do por que ter ansiedade de morte é burrice

Medo da morte

Intuitivamente, faz sentido que não queremos morrer. Se isso fosse algo que queremos, então esse desejo realmente atrapalharia a vida.

Mas há muitas coisas que não quero.

Eu não quero pagar aluguel. Eu não quero pagar minha conta de telefone. Eu não quero usar fio dental mais tarde.

E isso nos leva ao primeiro ponto.

Só porque não queremos algo, isso não significa que precisamos automaticamente ter medo disso.

Talvez tenhamos medo da morte mais do que do fio dental, porque a morte parece nos prejudicar e está associada à dor.

A dor na ausência de prazer é intrinsecamente e indiscutivelmente indesejável.

Mas isso não mostra tudo.

A maioria de nós escolheria suportar uma dor intensa por algumas horas para viver uma vida longa do que para morrer sem dor.

Então, a morte nos prejudica de alguma outra forma além da “simples dor”.

Será mesmo?

A maioria de nós suporia que a morte é terrível. A pior parte da existência.

Mas, após uma inspeção mais aprofundada, quando começamos a descobrir o que a morte realmente é, podemos perceber que, no final das contas, não é uma coisa tão assustadora.

Talvez não precisemos pensar no Ceifador como um monstro que tenta esvaziar nossa vida de todo significado.

Talvez com as 6 perspectivas a seguir possamos nos tornar amigos dele.

1. Nós nunca realmente morremos

O filósofo estoico, infinitamente sábio, Epicuro, disse:

Assim, a morte, o mais terrível dos males, não é nada para nós, desde que existimos, a morte não está conosco; mas quando a morte chega, então não existimos. Não diz respeito nem aos vivos nem aos mortos, pois para os primeiros não é, e os segundos não são mais.”

A morte não é realmente prejudicial para nós porque nunca morremos. A coisa que você chama de “eu” nunca pode experimentar a morte. “Você” nunca pode morrer. Você nunca conhecerá a morte.

A experiência da não experiência – da morte – é inacessível para você de todas as formas.

Se você já teve uma operação ou um sono profundo ou foi nocauteado, como você se sentiu? A resposta é “absolutamente nada”.

Não foi bom nem ruim.

A verdade é que nós experimentamos mini mortes durante toda a nossa vida.

Leia:  Signos do zodíaco revelam: "Eu vou te amar até ..."

A não experiência não é uma experiência nova.

2. Já estivemos lá

Lucrécio, o poeta romano que trouxe as ideias de Epicuro para sua audiência posterior, articula o que é chamado de “argumento da simetria”.

Nós já experimentamos bilhões de anos de não existência antes de nascermos, mas não nos sentimos tão mal com isso. Já estivemos lá e foi tudo bem, então por que se preocupar em voltar para lá?

Não foi tão ruim assim antes de você nascer. Era meio que pacífico, de um jeito bizarro.

Como você deve ter notado, esta é uma ideia terapêutica, mas o argumento não é completamente hermético.

Por quê?

Não pensamos no passado da mesma forma como pensamos no futuro.

A morte nos priva de ver através de nossos objetivos futuros.

Este é provavelmente o aspecto mais infeliz da morte.

É um pensamento horrível saber que nossas ambições serão repentinamente interrompidas.

A morte nos priva do nosso futuro, e isso prova que a morte é algo a não ser desejado.

Mas isso significa que a morte deve ser temida a todo custo?

Devemos andar por aí consumidos pela ansiedade da morte?

A morte é o maior mal que pode ser feito para nós?

Não é bem assim.

3. A alternativa para a morte é ainda pior

A imortalidade parece tão legal.

Você pode experimentar muito – uma quantidade infinita.

Você teria tempo infinito para perseguir todos os interesses, dominar todas as habilidades, ler cada livro, possuir tudo o que deseja e apaixonar-se repetidamente com cada tipo de pessoa.

Todo tipo de objetivo que você tem agora seria eventualmente cumprido se você vivesse pela eternidade.

Mas quanto tempo demoraria até que a vida se enfraquecesse em sua urgência?

Quanto tempo levaria até que o novo hobby que você empreendeu se tornasse chato de novo?

Quão mística seria sua vida amorosa sabendo que, se não der certo, você tem tempo infinito para fazer isso de novo?

Quão excitante seria a fama depois de 5.000 anos sendo seguido pelos paparazzi?

Você estaria na busca constante por novidade, e a novidade se tornaria mais escassa a cada ano que passasse.

Eventualmente, seria difícil reunir a motivação para sair da cama. A única coisa que você desejaria seria a capacidade de desejar.

Em resumo, é provável que você ficasse deprimido.

François La Rochefoucauld escreveu “A inteligência suprema é o conhecimento do valor real das coisas”.

O fato de sabermos que um dia morreremos, de que temos tempo limitado para perseguir nossos objetivos, nos diz o que devemos valorizar como nada mais.

Falha e risco não existiriam para uma pessoa imortal.

Sem estar naquele avião, não teria necessidade de dizer à minha namorada o quanto a amo.

O que me leva ao nosso próximo ponto:

4. Precisamos da morte para viver

Medo da morte

– Vai se Fºd#r por acabar com a minha preciosa vida.
– Meu querido, quem você acha que fez ela ser tão preciosa?

5. A morte só existe em três dimensões

Nós, humanos, podemos navegar livremente em três dimensões. Podemos nos mover para cima e para baixo, para frente e para trás, para a esquerda e para a direita.

Os entusiastas da ciência que lerem isso, no entanto, saberão que existe uma quarta dimensão pela qual não podemos navegar livremente: o tempo.

O tempo é como um avião em movimento sobre um destino. Um passageiro pode se mover dentro do avião, mas é incapaz de alterar o curso do avião.

Expliquei anteriormente que a morte nos priva de um futuro potencialmente brilhante. Estando presos no rio unidirecional do tempo, nós naturalmente percebemos as coisas como começo e fim.

Mas se tivéssemos acesso à quarta dimensão, a morte e os fins não seriam diferentes de nós do que nascimentos e começos.

Um filme consiste em quadros individuais que, quando reunidos em uma determinada ordem, criam a experiência de uma história sendo reproduzida com começo, meio e fim.

Se tivéssemos acesso à quarta dimensão, uma expectativa de vida humana seria como uma linha do tempo do filme, na qual poderíamos entrar em qualquer quadro e observar em qualquer direção.

Poderíamos sair da linha do tempo se escolhêssemos e parássemos de assistir, mas essa expectativa de vida sempre existiria para que revisitássemos sempre que quiséssemos.

6. Nós somos sortudos por termos que morrer

Quando alguém se concentra muito na morte, é fácil começar a vê-la como um problema que precisa ser resolvido. Espero ter mostrado a você neste post que a morte é nosso maior auxiliar na busca de significado e propósito na vida.

É até possível que alguém possa desenvolver uma gratidão pela morte – por finais.

Richard Dawkins disse:

Nós vamos morrer e isso faz de nós os sortudos. A maioria das pessoas nunca vai morrer porque nunca vai nascer. As pessoas em potencial que poderiam estar aqui em meu lugar, mas que na verdade nunca verão a luz do dia, superam os grãos de areia do Saara.”

Talvez seja melhor pegar o pensamento “Por que vamos morrer? A morte é um problema tão grande!” E trocar por:

“Porque estamos aqui? A vida é uma coisa tão bizarra e surpreendente”.

Você é capaz de respirar, experimentar e saber que está experimentando.

E as chances de você ser capaz de fazer isso são vertiginosamente pequenas.

Imagine ficar em um planeta gigantesco com um trilhão de pessoas que se parecem um pouco com você. Um de vocês será escolhido aleatoriamente para viver, o resto perecerá.

Você foi escolhido

Mas não só isso, você foi escolhido entre mais de um trilhão de pessoas…

A probabilidade real de estar vivo requer um número que seja tão grande, que encheria um livro de 3.000 páginas.

É 1 em 10 seguido por 2,6 milhões de zeros.

Sorte a nossa.

Para concluir:

A morte obviamente não é algo que gostaríamos que acontecesse conosco. Mas não precisa ser aterrorizante.

Se queremos ganhar dinheiro para fazer coisas divertidas, temos que trabalhar.

Se queremos ter filhos, temos que suportar a dor do parto e o estresse de cuidar de um bebê.

Se queremos ser saudáveis, temos que nos exercitar.

E se quisermos viver uma existência significativa, devemos aceitar nossa impermanência.

Isso é a vida.

Este artigo é uma tradução do Awebic do texto originalmente publicado em High Existence, escrito por Jon Brook.

Imagens: pexels.com e pixabay.com

Gostou do conteúdo? Então comente e compartilhe-o com seus amigos