Diversão

10 livros incríveis que irão destruir e reconstruir a sua mente

Alguns livros não são livros de jeito nenhum.

Eles são bananas de dinamite.

Eles explodem as coisas. Na sua mente. No seu mundo.

Muitas vezes coisa que você nem sabia que estavam lá.

Coisas que você não pensou em considerar.

Coisas que você não teve coragem de olhar.

E você não é o mesmo depois.

Na verdade, você pode estar uma bagunça, lutando para pegar os pedaços da sua mente despedaçada e juntá-los novamente.

Você está mudado.

Mais forte, mais amplo, mais profundo, menos certo.

E esse é o ponto.

Aqui estão 12 livros que quebraram as coisas em mim e me ensinaram mais sobre o mundo do que eu jamais poderia dizer.

1. The Undiscovered Self: The Dilemma of the Individual in Modern Society, de Carl Jung

Para um livro tão fino, este guarda uma pancada grande. Jung não perde tempo.

Na primeira ou na segunda página ele já está investigando profundamente por que os seres humanos verdadeiramente autoconscientes são nossa única esperança de resistir às forças onipresentes do tribalismo extremo, do dogma e do governo tirânico que ameaçam destruir nosso mundo.

A premissa fundamental de Jung é que o homem não se conhece. A humanidade é, de um modo geral, escravizada por vastas forças que a pessoa comum não consegue ver.

A maioria nem mesmo examina honestamente as profundezas de suas próprias almas e reconhece seu lado sombrio.

Mas é precisamente isso que precisamos fazer, argumenta Jung: é somente através de uma reflexão rigorosa, autocrítica e um relacionamento individual com o vasto, que nos tornamos capazes de compreender e resistir às forças que ameaçam destruir nosso mundo.

Por favor, leia este livro.

Em última análise, tudo depende da qualidade do indivíduo, mas a nossa idade fatalmente curta só pensa em termos de grandes números e organizações de massa…” ― Carl Jung, The Undiscovered Self

Compre na Amazon.

2. The Portable Nietzsche, de Friedrich Nietzsche

Quem quer que lute contra monstros deve fazer com que, no processo, ele não se torne um monstro.” – Friedrich Nietzsche, Além do bem e do mal

Se há um escritor que foi “o machado para o mar congelado” dentro de mim, é Friedrich Nietzsche. Vamos apenas dizer que eu tenho uma tatuagem, e é a máxima de Nietzsche: “Torne-se o que você é.”

Quando o li pela primeira vez há quase cinco anos, ele me atingiu como um asteroide do espaço.

Ler Nietzsche é como encontrar alguns pergaminhos antigos empoeirados em uma caverna nas montanhas, que foram deixados por um semideus que uma vez visitou a Terra – como ler algo secreto e proibido ao qual os humanos não deveriam ter acesso.

As palavras de ninguém saíram da página e me deram um soco no rosto da mesma maneira. Eu ainda não tenho certeza de como tal pessoa realmente andou neste planeta.

“No fundo, todo homem sabe muito bem que ele é um ser único, apenas uma vez nesta terra; e, por nenhuma chance extraordinária, uma peça tão maravilhosamente pitoresca de diversidade na unidade como ele é, jamais será reunida uma segunda vez.” — Friedrich Nietzsche, Schopenhauer as Educator

Se você está curioso, não há melhor livro para você ter em mãos do que The Portable Nietzsche.

A tradução de Nietzsche feita por Walter Kaufman é impecável, e o volume inclui quatro dos principais livros de Nietzsche, na íntegra: Crepúsculo dos Ídolos, O Anticristo, Nietzsche Contra Wagner e Assim Falou Zaratustra (eu recomendo começar por este último).

Kaufman também reúne seleções dos outros livros, anotações e cartas de Nietzsche para dar uma visão completa do desenvolvimento de um dos filósofos mais influentes e controversos de todos os tempos.

Uma coisa que eu amo nesse livro – e sobre Nietzsche – é que você pode simplesmente abrir uma página, começar a ler e obter algo precioso. Eu não li todas as suas 700 páginas, mas o espírito incomparável de Nietzsche brilha em tudo que eu absorvi.

Ele é uma fonte infinita de algumas das percepções mais emocionantes de todos os tempos – sobre individualidade, arte, morte, moralidade, religião e condição humana. Pelo amor de Deus, leia Friedrich Nietzsche.

Se afirmamos um único momento, afirmamos não apenas a nós mesmos, mas toda a existência. Pois nada é autossuficiente, nem em nós mesmos nem nas coisas; e se nossa alma tremeu de felicidade e soou como uma corda de harpa apenas uma vez, toda a eternidade foi necessária para produzir este único evento – e neste único momento de afirmação onde toda a eternidade foi chamada de boa, redimida, justificada e afirmada”. — Friedrich Nietzsche, A Vontade de Poder

Compre na Amazon.

3. Cosmic Trigger, Volume I: Final Secrets of the Illuminati, de Robert Anton Wilson

Se você quiser testar se sua mente está realmente aberta, este é o livro para ler.

Não deixe o título semissatírico te enganar: este é um livro escrito por um dos filósofos mais céticos que já viveu – um gênio, que por acaso se submeteu a uma das viagens mais turbulentas para o reino do Estranho já registrada.

Este é um registro de suas viagens peculiares. Robert Anton Wilson, embora desconhecido para muitos, teve uma grande influência em figuras icônicas como George Carlin, Philip K. Dick e Vinay Gupta.

Wilson se considerava semelhante a um astronauta, que explorava o espaço interior da experiência consciente, experimentando uma variedade de métodos de “mudança cerebral deliberadamente induzida”.

Para Wilson, o misticismo agnóstico era uma espécie de ciência interna – uma maneira de “estudar o sistema nervoso diretamente, variando os parâmetros nos quais o sistema nervoso funciona”.

Neste espírito, Wilson conduziu experimentos extensos, usando psicodélicos, rituais, formas de meditação e outros meios, e no processo encontrou eventos e sincronicidades que eram verdadeiramente Mais Estranhas que a Ficção.

Durante todo o tempo, porém, ele permaneceu cético em relação às suas experiências, nunca elevando qualquer descoberta do status da Verdade Absoluta.

Seu objetivo de vida declarado era levar o maior número possível de pessoas a um estado de “agnosticismo generalizado” – não apenas agnosticismo sobre Deus, mas agnosticismo sobre tudo.

Ainda não terminei este livro, mas é tudo o que sonhei e muito mais; eu já era um grande fã do trabalho de Wilson via YouTube, e isso apenas levou as coisas para outro nível. Leia, leia, leia.

Como todos nós criamos nossos túneis de realidade habituais, consciente e inteligentemente ou inconscientemente e mecanicamente, prefiro criar para cada hora o túnel de realidade mais feliz, mais divertido e mais romântico, consistente com os sinais que meu cérebro apreende.

Sinto pena de pessoas que persistentemente organizam a experiência em túneis de realidade tristes e sem esperança, e tentam mostrar-lhes como quebrar o mau hábito, mas não sinto nenhum dever masoquista de compartilhar sua miséria”. — Robert Anton Wilson, Cosmic Trigger

Compre na Amazon.

4. The Righteous Mind: Why Good People are Divided by Politics and Religion, de Jon Haidt

Nas profundezas da minha alma, eu gostaria que todos no mundo lessem The Righteous Mind.

Nele, o professor de psicologia Jon Haidt lança uma proverbial bomba atômica sobre tudo o que você achava que sabia sobre moralidade, revelando uma imagem das coisas muito mais complexa, fascinante e indutora de empatia.

Haidt explora os fundamentos de nossa psicologia moral – por que vemos certos comportamentos como “certos” e “errados” e, mais importante, por que pessoas diferentes têm perspectivas totalmente diferentes sobre o comportamento moral.

Depois de ler este livro, tudo no mundo fará mais sentido, e você terá muito mais compaixão e compreensão com aqueles que discordam de você sobre política, religião e moralidade.

Moralidade liga e cega. Ela nos liga a equipes ideológicas que lutam entre si, como se o destino do mundo dependesse de nosso lado vencer cada batalha. Ela nos cega para o fato de que cada equipe é composta de pessoas boas, que têm algo importante a dizer.” ― Jonathan Haidt, The Righteous Mind

Compre na Amazon.

5. Cartas a um jovem poeta, de Rainer Maria Rilke

Para mim, Cartas a um jovem poeta foi um daqueles livros que parece chegar a você exatamente no momento em que você mais precisa.

Li isso quando me mudei pela primeira vez para a Coreia do Sul e estava passando por um período de solidão e incerteza. Me ofereceu novas maneiras de entender minha solidão e minhas perguntas, me desafiando a adotá-las como aspectos inevitáveis ​​da vida.

Seu autor, Rainer Maria Rilke, foi um renomado poeta boêmio-austríaco, que faleceu em 1926. Entre 1903 e 1908, Rilke escreveu uma série de respostas a um aspirante a escritor, oferecendo conselhos sobre ser um artista e um indivíduo sensível em um mundo muitas vezes cruel e implacável.

Ler Cartas a um jovem poeta me dá a impressão de que Rilke era um homem que estava canalizando a sabedoria eterna do cosmos para uma linguagem que os humanos pudessem entender. E isso vem de alguém que não diz coisas como “a eterna sabedoria do cosmos”.

Há tantas passagens neste livro do tipo que fazem você parar de ler, arregalar seus olhos e olhar para longe, enquanto absorve o impacto das palavras em sua vida. É como se Rilke estivesse falando com você.

Eu realmente sinto que todos – especialmente qualquer pessoa envolvida em um empreendimento criativo – seriam enriquecidos por este livro.

Leia a seguinte passagem lentamente e realmente prove. É uma das passagens que achei extraordinariamente perspicaz e libertadora durante a minha “noite escura da alma” na Coreia do Sul:

Você é tão jovem, muito antes de começar, e eu gostaria de lhe pedir, caro senhor, que tenha paciência com tudo que não esteja resolvido em seu coração e que tente amar as perguntas como se fossem salas trancadas ou livros escritos em uma língua muito estrangeira.

Não procure as respostas, que não poderiam ser dadas a você agora, porque você não seria capaz de vivê-las. E o ponto é viver tudo. Viva as perguntas agora. Talvez então, algum dia no futuro, você vá gradualmente, sem perceber, viver sua vida até a resposta.”

Compre na Amazon.

6. O Maior Bem que Podemos Fazer: Como o altruísmo eficaz está mudando as ideias sobre viver eticamente, de Peter Singer

O filósofo Peter Singer é conhecido por seu poder de alterar completamente sua compreensão do que significa ser uma boa pessoa.

Leia:  10 sinais de que você está recalibrando seu sistema mente-corpo-alma

Ele é talvez mais conhecido por seu livro Animal Liberation, que convenceu milhões de pessoas da importância vital de tratar os animais com compaixão.

Em O Maior Bem que Podemos Fazer, Singer esboça um florescente movimento ético chamado altruísmo eficaz. Em essência, altruístas eficazes usam evidências e razões para determinar os meios mais eficazes de ajudar o mundo – de salvar a maioria das vidas humanas e não humanas.

Surpreendentemente, altruístas eficazes demonstraram que as instituições de caridade mais eficazes são literalmente mil ou mais vezes mais eficazes do que as menos eficazes – ou seja, salvam mais de 1.000 vezes mais vidas com a mesma quantidade de doações.

Esta é uma revelação que abalou a terra e revolucionou minha abordagem às doações de caridade. E esta é apenas a ponta do iceberg: o altruísmo efetivo é um fenômeno ético de proporções super-heróicas.

O altruísmo efetivo – esforços que realmente ajudam as pessoas ao invés de fazer você se sentir bem ou ajudá-lo a se mostrar – é uma das grandes novas ideias do século XXI.” – Dr. Steven Pinker

Compre na Amazon.

7. Crime e Castigo, de Fyodor Dostoiévski

É difícil explicar a maneira pela qual eu fiquei tão completamente envolvido na torrente de desolação psicológica que caracteriza Crime e Castigo.

Totalmente tortuoso em seu exame sufocante da deterioração do protagonista, desmoralizadoramente trágico em seu retrato destemido do sofrimento de indivíduos justos e deprimente em sua visão de desespero e desesperança, o livro dificilmente é para os fracos de coração.

Esse livro me assombrou, de verdade.

Não conseguia largá-lo e fiquei tão apegado ao protagonista, Raskolnikov – um assassino sofrendo a terrível ira de sua própria consciência – que literalmente comecei a sentir sua confusão, ansiedade e culpa como se fossem minhas.

Este romance é o trabalho de um mestre e, possivelmente, o meu livro favorito de todos os tempos. Eu literalmente chamei meu alter ego de Dostoiévski depois de ler este livro. Se você está se sentindo corajoso, leia.

’O que eu quero dizer é que, se você tivesse sucesso em persuadir um homem de que não havia motivo para chorar, ele pararia de chorar, não? Isso é óbvio. Você acha que ele não pararia?’
‘A vida seria fácil demais’, respondeu Raskolnikov.
– Fyodor Dostoiévski, Crime e Castigo

Compre na Amazon.

8. Trabalhe 4 horas por semana: Fuja da rotina, viva onde quiser e fique rico, de Timothy Ferriss

A pergunta que você deveria fazer não é: “O que eu quero?” ou “Quais são meus objetivos?”, mas “O que me deixaria empolgado?” ― Timothy Ferriss, Trabalhe 4 horas por semana

Não deixe que o título cafona e a arte vistosa da capa o enganem; este é um dos livros que mais mudaram a minha vida. É o primeiro livro que recomendo aos aspirantes a viajantes do mundo, empresários e nômades digitais.

Nele, Tim Ferriss sistematicamente desmonta praticamente todos os mitos que você já ouviu falar sobre trabalho, produtividade, aposentadoria e viagens pelo mundo.

Ele apresenta um mapa detalhado e fácil de seguir para parar de gastar a maior parte do seu tempo fazendo coisas que você não quer fazer e construindo uma vida com tempo abundante para fazer coisas que realmente o empolgam.

Esta é a bíblia absoluta do design de estilo de vida.

Se você tem um único osso rebelde em seu corpo, ou o indício mais vago que você quer que sua vida seja mais do que está se preparando, leia a [email protected] a deste livro. Para ontem.

Para todas as coisas mais importantes, o timing sempre é uma droga. Esperando por um bom momento para pedir demissão do seu trabalho? As estrelas nunca se alinharão e os semáforos da vida nunca serão todos verdes ao mesmo tempo.

O universo não conspira contra você, mas não sai do caminho para alinhar os pinos também. As condições nunca são perfeitas. ‘Algum dia’ é uma doença que levará seus sonhos ao túmulo com você.” ― Timothy Ferriss, Trabalhe 4 horas por semana

Compre na Amazon.

9. Consider the Lobster and Other Essays, de David Foster Wallace

David Foster Wallace era um mago literário e você deveria lê-lo, claro e simples. Seu estilo de escrita por si só foi uma completa epifania para mim.

Sua capacidade de mapear os microcontornos da condição humana e converter dados vivenciais brutos em prosa nunca deixa de me surpreender. Ele é uma maravilha para contemplar e você deve lê-lo apenas para testemunhar seu gênio literário, se nada mais.

Claro, Wallace oferece muito além de seu estilo de escrita para adorar.

Consider the Lobster and Other Essays é um tipo raro de livro – que percorre inúmeras disciplinas para dissecar o lado sombrio da cultura, da política e da sociedade americana moderna com um bisturi afiado.

Publicado há pouco mais de 10 anos, o comentário incisivo e perspicaz de Wallace permanece totalmente comovente hoje, e seu tema central – que nós, como indivíduos, devemos assumir a responsabilidade de nos tornarmos participantes culturais cuidadosos e escrupulosos, para não sermos levados como gado cego a morrer pelas agendas mal orientadas ou difamadas dos que estão no poder – é sem dúvida atemporal.

Assim, uma recomendação apaixonada para alguém com pulso: comprar e ler Consider the Lobster .

É possível realmente amar as outras pessoas? Se eu estou sozinho e com dor, todo mundo fora de mim é um alívio em potencial – eu preciso deles.

Mas você pode realmente amar tanto o que você precisa? Não é uma grande parte do amor se importar mais com o que a outra pessoa precisa? Como devo subordinar minha própria necessidade opressiva às necessidades de outra pessoa que nem posso sentir diretamente?

E, no entanto, se eu não consigo fazer isso, sou condenado à solidão, o que definitivamente não quero… então estou de volta tentando superar meu egoísmo por razões egoístas.” ― David Foster Wallace, Consider the Lobster

Compre na Amazon.

10. Kafka à beira mar, de Haruki Murakami

Eu tive que incluir Haruki Murakami nesta lista. Quando o descobri enquanto vivia na Ásia, fiquei impressionado com um tornado proverbial.

Entrar em suas histórias é, honestamente, como entrar em um sonho, e terminá-las deixa você com o mesmo tipo de “o que aconteceu?”, como quando você acorda de um sonho vívido.

Eu nunca encontrei outro autor que cria esse efeito da mesma maneira – parece um truque de mágica que expande a consciência.

Este romance é o meu favorito de Murakami e um belo exemplo do estilo surrealista, infinitamente imaginativo e narrativa envolvente que levou à sua aclamação.

A mistura de realismo mágico e do dano metafísico, a assinatura de Murakami, é abundante nessas páginas, e isso deixará uma pessoa mais profunda, mais ampla, com mais perguntas e menos respostas. Um romance que nunca poderia esquecer.

Ela deixa para trás um travesseiro úmido, molhado com as lágrimas. Você toca o calor com a mão e observa o céu se acender gradualmente. Longe, um corvo grasna. A Terra lentamente continua girando. Mas além de qualquer um desses detalhes do real, há sonhos. E todos estão vivendo neles.” — Haruki Murakami, Kafka à beira mar

Compre na Amazon.

Bônus: Tao Te King, de Lao Tzu

A vida é uma série de mudanças naturais e espontâneas. Não resista a elas; isso só cria tristeza. Deixe a realidade ser realidade. Deixe as coisas fluírem naturalmente para a frente da maneira que elas gostarem.” ― Lao Tzu, Tao Te Ching, 604 a.C – 531 a.C.

Esta lista não estaria completa sem voltar os holofotes ao taoísmo por um momento. Eu descobri o taoísmo por volta de 2013 e mergulhei profundamente em suas ideias e princípios durante meu período na Ásia.

Curiosamente, um dos meus rappers favoritos de todos os tempos, KOOL AD, foi talvez meu maior professor e sábio taoísta ao longo dos anos.

A atitude taoísta da lúdica não resistência, que você pode pensar mais ou menos como “seguindo o fluxo “, está presente em abundância na música do KOOL AD, e por isso acho profundamente terapêutico ouvir – um lembrete pungente para parar de levar tudo tão a sério e tentar controlar as coisas que não estão sob meu controle.

Quando vi numa entrevista que o KOOL AD lê periodicamente o Tao Te Ching, o antigo texto taoísta original, eu sabia que precisava também, e foi como um sopro de ar fresco da montanha.

Tendo sido ensinado, ainda criança, a estar sempre pensando no próximo objetivo e marco, e a realizar um trabalho desagradável no presente para alguma hipotética gratificação futura, minha descoberta do taoísmo foi uma verdadeira mudança de paradigma para mim.

Tanto é assim que eu acho que o pêndulo de minha mente balançou um pouco longe demais na direção taoísta, e por um tempo tudo o que eu queria na vida era ser sem metas, fluindo, vivendo puramente no momento.

Desde então percebi que um pouco de definição de metas e planejamento futuro são boas ideias para mim, mas a atitude taoísta de fluir com o que quer que aconteça, aproximar-se da realidade de maneira tranquila, apreciar a vida neste momento e não resistir ao que não podemos mudar se fixou profundamente em meus ossos.

Tornou-se tão automático para mim fluir com as correntes da vida (não lutar contra elas) e aceitar as coisas imediatamente, quando não tenho esperança de mudá-las, que mal percebo essa atitude – ela se tornou parte de mim.

É claro que não sou sábio e minhas ideias certamente podem ser confusas, mas o taoísmo tem sido um remédio inestimável para mim neste mundo.

O Tao Te Ching de Lao Tzu é “o” livro para ler sobre o taoísmo, embora eu recomende completá-lo com o livro de Alan Watts, Tao: O Curso Do Rio.

Flua com o que quer que aconteça e deixe sua mente ser livre. Fique centrado aceitando o que você está fazendo. Isso é o máximo.” – Chuang Tzu, sábio taoísta, 370 a.C. – 287 a.C

Compre na Amazon.

Fonte: High Existence

Você gostou desta lista? Já leu algum desses livros? Comente!

Compartilhe esta lista com seus amigos que também amam ler!