Diversão

Leonardo da Vinci: Como ver o mundo como ninguém

No final de 2017, Salvator Mundi, uma das pinturas de Leonardo da Vinci, foi vendida por US$ 450,3 milhões.

Para uma criança nascida fora do casamento no século XV, isso é uma grande conquista. E, no entanto, muitos argumentam que isso não chega nem perto de ser sua maior contribuição para a humanidade.

Quando a palavra “Renascimento” é falada, ninguém vem à mente mais rápido que da Vinci.

Não só ele era a personificação de um artista, mas ele também foi um inventor prolífico que contribuiu para tudo, desde arquitetura e música a anatomia e geometria.

Se você fosse formar uma impressão superficial dessa pessoa quase mítica, seria difícil chegar a outra conclusão além do fato de ele ser um gênio. Puro e simples.

E essa conclusão estaria de fato correta. Ele era um gênio diferente de qualquer pessoa que já vimos. Embora ele tenha nascido um gênio, no entanto, a história é diferente.

Embora seja difícil tirar uma conclusão definitiva sobre alguém que viveu há mais de 500 anos, parece que a genialidade de da Vinci veio mais da experiência que da sorte, como Walter Isaacson argumenta em seu livro.

Desde muito jovem, mais do que qualquer talento além do que ele ganhou através da prática, é bastante claro que o que o guiou foi sua infinita curiosidade. Todo o resto pode ser rastreado até ela.

Leonardo da Vinci - como ver o mundo como ninguém

Ele imaginou, perguntou, aprendeu e fez coisas muito comuns de uma maneira extraordinária.

Embora seu trabalho possa ser irreplicável, seu método não é, e mostra como podemos nutrir curiosidade semelhante em nossas próprias vidas.

1. Observe sem distinções predefinidas

Se você olhar através das lentes da história e estudar as vidas de muitos grandes inventores, construtores e criadores de conteúdo, há um traço em comum que aparece com mais frequência do que você imagina.

Embora nem sempre seja o caso, fica claro que algumas das contribuições mais importantes que foram adicionadas à cultura foram encontradas na união entre ciência e arte.

Em vez de apenas especialização profunda, o que vemos é que a magia da criatividade e do engenho humano é um produto da mistura e combinação de diferentes campos, perspectivas e pessoas.

É óbvio ao observar as contribuições de da Vinci que ele atuou em união similar.

Uma coisa, porém, que é diferente sobre da Vinci é o fato dele nunca ter pensado nisso como uma distinção. Parecia haver pouca separação entre os campos em sua observação.

Ele simplesmente observava, anotava e contextualizava as coisas como julgava adequado. Não era como se ele estivesse intencionalmente estudando ciência em um dia e arte em outro.

Para ele, elas eram a mesma coisa. Elas dançavam juntas e não era possível entender uma sem o outra.

Embora estejamos ouvindo falar cada vez mais sobre os benefícios do aprendizado e do pensamento interdisciplinar, ainda criamos limites claros e somos regidos por eles como se eles existissem de forma inerente.

A verdade é que não existe ciência ou arte além dos rótulos linguísticos que usamos para entender os diferentes aspectos do mundo.

Há apenas uma realidade, e essa realidade cruza e se mistura a si mesma de maneiras que não podem ser capturadas por disciplinas nomeadas.

É claro que nomear, rotular e criar limites nos ajuda a ordenar melhor e dar sentido ao mundo, mas, ao mesmo tempo, também restringem nossa curiosidade a um ângulo muito estreito.

Se você quer ver o mundo pelo que ele realmente é, então você tem que observar sem tal viés.

Leonardo da Vinci - como ver o mundo como ninguém

2. Questione o mundano e o óbvio

Ainda restam 7.200 páginas dos famosos cadernos de da Vinci. Isso é estimado em cerca de um quarto do volume total que já existiu. Mesmo assim, eles fornecem uma visão incrível.

Eles contêm registros de seu período em Florença e Milão, mergulham em seus sentimentos de dúvida e insegurança e discutem suas relações com amigos e colaboradores.

De longe, a aparência mais proeminente, no entanto, é a das perguntas. E não apenas perguntas sobre coisas grandes e importantes, mas também perguntas sobre coisas aparentemente pequenas e sem importância.

Ele era literalmente fascinado por tudo e por qualquer coisa. Em suas próprias palavras:

Eu andei pelo campo procurando respostas para coisas que eu não entendia. Por que as conchas existiam no topo das montanhas junto com as marcas de corais, plantas e algas geralmente encontradas no mar. Por que o trovão dura mais tempo do que o que o causa, e por que imediatamente em sua criação o raio se torna visível aos olhos enquanto o trovão requer tempo para viajar. Como os vários círculos de água se formam ao redor do ponto que foi atingido por uma pedra, e por que um pássaro se sustenta no ar. Essas perguntas e outros fenômenos estranhos envolvem meu pensamento durante toda a minha vida ”.

Embora a importância de fazer perguntas para encontrar respostas não seja perdida na maioria de nós, para muitas pessoas, algumas dessas perguntas podem parecer desinteressantes e irrelevantes para suas vidas.

Leia:  Pintora retrata os signos do zodíaco através de quadros surreais

A coisa que elas ignoram, no entanto, é que o que é desinteressante e até mesmo óbvio na superfície pode conter um tesouro não descoberto quando explorado em profundidade.

Pouquíssimas coisas são interessantes na superfície. Muitas vezes, temos que torná-las interessantes nos aprofundando.

Muitas dessas perguntas não acrescentaram nada de imediato às obras de arte de da Vinci, mas acrescentaram à riqueza com que ele via o mundo, e essa riqueza contribuiu para a maneira como ele pintava vales e rios, paisagens e montanhas, e até corpos e sorrisos.

Há um mundo inteiro de coisas que merecem a sua curiosidade, mas você tem que procurar para encontrá-las.

Leonardo da Vinci - como ver o mundo como ninguém

3. Experimente como se fosse um trabalho em andamento

A maldição do perfeccionismo não é incomum. Ele infunde medo e dúvida e, em algum momento, aflige qualquer um que tome decisões, sejam artistas ou pessoas de negócios.

A desvantagem mais aparente desse perfeccionismo é que ele interrompe a produção e a criação. Ele impede as pessoas de completarem o que precisam lançar no mundo para progredir.

Dada a qualidade da pintura de da Vinci, talvez não seja surpresa que ele também tenha lutado com a necessidade de produzir apenas o melhor.

Na verdade, a grande maioria do trabalho que ele começou foi deixado inacabado, e até mesmo o que ele terminou, às vezes, levou anos e décadas para ser concluído.

Para da Vinci, no entanto, isso vai um passo adiante. Não era só que ele precisava fazer seu melhor trabalho, mas ele também nunca quis parar de melhorar alguma coisa.

O que ele criava sempre era um trabalho em progresso, porque ele sabia que não tinha dominado novas técnicas.

Acredita-se que a Mona Lisa, por exemplo, tenha sido produzida ao longo de 10 a 14 anos. Mesmo nesse ponto, é provável que da Vinci ainda não a tinha considerado totalmente concluído.

Leonardo da Vinci - como ver o mundo como ninguém

Havia ajustes a serem feitos e novos métodos a serem empregados. Ao debater as possíveis datas da pintura, alguns estudiosos argumentam que partes dela só poderiam ter sido feitas no final de sua vida, devido ao estilo usado.

Da Vinci refinou sua habilidade até a morte.

A ideia aqui não é necessariamente que você nunca deve finalizar o que produz – você deve – mas saiba que quando algo é feito, aquilo ainda pode ser melhorado.

A realidade não é estática, nem as suas decisões e produções. Elas podem e devem ser refinadas com o tempo, e você precisa experimentar o suficiente para garantir que está melhor amanhã.

Tudo que você precisa saber

Confundir a curiosidade com a genialidade pode parecer irresponsável, mas quando você pensa na curiosidade como uma medida do seu engajamento e conexão com o que o cerca, não está muito longe.

Leonardo da Vinci via o mundo como ninguém, mas isso foi devido às escolhas que ele fez em suas interações com ele. Ele escolheu sempre estar atento e sintonizado.

A maneira como você interage e compreende a realidade informa as partes que se destacam para você. A curiosidade é uma arma sutil, mas potente, que todos nós podemos usar para influenciá-la.

Ser curioso não é garantia de nenhum tipo de genialidade, mas não há gênio que não seja.

Este artigo é uma tradução do Awebic do texto originalmente publicado em Medium escrito por Zat Rana.

Imagens: pexels.com e pixabay.com

Compartilhe este texto com seus amigos!