Diversão

Jogos de tabuleiro podem te tornar uma pessoa muito mais agradável

Eu frequento círculos bastante nerds.

Com o passar dos anos, passei um tempão jogando Colonizadores de Catan. Um dos meus melhores amigos do ensino médio faz parte de um grupo que joga Magic: The Gathering há mais de 20 anos juntos.

Mas, até recentemente, eu nunca tinha ouvido falar do maior e mais antigo encontro de nerds da América: Gen Con, uma conferência anual de jogos realizada em Indianapolis todo verão.

A Gen Con apresenta mais do que um pouco de cosplay e alguns jogos on-line – para não mencionar a programação de fantoches; um concurso de filmes focado em gêneros como ficção científica, terror, fantasia e anime; e “atividades nerd não-games centradas”, como tricô, dança do ventre e aulas de luta de espadas.

Mas no fundo, é um lugar para pessoas que realmente amam jogar jogos de tabuleiro. Iniciada em 1968 por Gary Gygax, o inventor de Dungeons and Dragons, a convenção é uma celebração das brincadeiras – tão popular entre crianças e famílias quanto com seu estereotipado Cara dos Quadrinhos.

Versões em tamanho real de jogos populares como Colonizadores de Catan são um sucesso perene para grandes e pequenos jogadores, e a convenção inclui desde jogos clássicos como Candy Land ou Balderdash até torneios de Game of Thrones: The Card Game e jogos de guerra em miniatura de batalhas napoleônicas.

Este ano, no seu 50º aniversário, a conferência vendeu todos os ingressos pela primeira vez.

Eu suspeito que isso seja porque o humilde jogo de tabuleiro – amado por antigos egípcios e druidas – oferece um descanso temporário dos problemas da vida do século XXI.

ogos de tabuleiro podem torná-lo uma pessoa muito mais agradável

Jogos de tabuleiro, junto com interpretação de papéis e jogos de mesa como Magic: The Gathering e Dungeons and Dragons, permitem que os jogadores entrem em um estado de conflito controlado.

O processo de envolvimento nesse conflito é divertido mesmo quando você perde, e o resultado provavelmente será diferente na próxima vez.

Um bom jogo de tabuleiro oferece chances suficientes para que qualquer jogador razoavelmente habilidoso possa ganhar.

Mesmo no xadrez, notoriamente associado à guerra e à estratégia militar, a ênfase não está em quem vence, mas na engenhosidade que os jogadores exibem no processo.

De todas essas maneiras, os jogos de tabuleiro liberam os jogadores – ainda que temporariamente – da máxima de que a vida é dividida em categorias claras e consistentes de vencedores e perdedores, e que há uma lógica moral sobre quem se enquadra em qual categoria.

ogos de tabuleiro podem torná-lo uma pessoa muito mais agradável

Como a professora de filmes e mídia, Mary Flanagan, conta à The Atlantic, os jogos de tabuleiro nos levam a refletir sobre “tomada de turnos, regras e justiça”.

É fácil entender por que isso teria grande apelo no clima político tóxico e profundamente dividido dos EUA – com um presidente obcecado com o conceito de vencer, que defende a visão de que as desigualdades são o resultado de uma falha moral individual.

Leia:  Neurociência revela 3 segredos que o tornarão emocionalmente inteligente

De fato, os jogos de tabuleiro têm um histórico de se envolver diretamente com a questão de como as estruturas sociais influenciam os resultados.

A versão original do jogo Monopoly foi concebida como uma crítica da esquerda ao capitalismo.

Outra característica importante dos jogos de tabuleiro é que eles exigem que várias pessoas se sentem na mesma sala e se concentrem em uma experiência compartilhada em tempo real.

Isso está se tornando cada vez mais raro em um mundo em que muitas vezes vemos nossos amigos e entes queridos mais nas redes sociais do que na vida real.

ogos de tabuleiro podem torná-lo uma pessoa muito mais agradável

Uma recente história destacou o aumento acentuado do isolamento de adolescentes, enquanto uma geração inteira se senta em seus quartos, colada aos smartphones, interagindo via aplicativo.

Eles também mostram níveis mais altos de depressão e ansiedade do que as gerações anteriores.

Talvez as vibrações positivas da Gen Con possam ser atribuídas ao fato de que a maioria dos participantes passa o tempo em contato com outros seres humanos, por diversão.

Isso não deve ser uma noção radical, mas está começando a parecer uma.

Como o criador da conferência de jogos Penny Arcade Expo disse ao New York Times: “Acontece que estar juntos é muito viciante”.

Além da Gen Con, adultos em todo o mundo parecem estar cada vez mais interessados em tornar os jogos de tabuleiro uma atividade de lazer padrão para os adultos.

As vendas de jogos de tabuleiro estão crescendo nos EUA e em todo o mundo, e os jogos de tabuleiro foram o item mais financiado no Kickstarter desde 2016.

Os chamados jogos alemães ou “euro games” – como Colonizadores de Catan ou Carcassonne – estão liderando o renascimento dos jogos de tabuleiro.

Tais jogos envolvem um alto grau de estratégia analítica e operam em uma curva de aprendizado, o que os tornam mais prazerosos a cada vez que você joga.

Os jogos avançam rapidamente porque cada turno requer interação com múltiplos jogadores; você não apenas senta e espera sua vez de jogar os dados.

Não estou dizendo que começar um grupo de jogo de tabuleiro em todas as cidades e vilas nos colocará no caminho da paz mundial.

Mas em uma sociedade onde a resposta mais comum para a pergunta “Quantos confidentes você tem?” é zero, está claro que muitas pessoas estão famintas por conexão e conversas civilizadas.

Convidar os vizinhos para uma noite de jogos é um bom lugar para começar.

Você também é fã dos jogos de tabuleiro e RPG? Comente!

Este artigo é uma tradução do Awebic do texto originalmente publicado em Quartz escrito por Annaliese Griffin.

Imagens: pexels.com e pixabay.com

Compartilhe este conteúdo com seus amigos que também adoram jogos de tabuleiro!