Diversão

Por que a dança é tão importante quanto a matemática na escola

Durante vários anos fui patrono da London School of Contemporary Dance.

Em 2016, fui convidado para dar a palestra anual em homenagem ao fundador Robert Cohan, e decidi falar sobre o papel da dança nas escolas.

Antes da palestra, eu twittei o título “Por que a dança é tão importante quanto a matemática na educação”. Eu tive muitas respostas positivas e algumas incrédulas.

Um tweet disse: “Essa não vai ser uma das palestras mais curtas que já existiu?” Outro disse categoricamente: “Ken, a dança não é tão importante quanto a matemática”.

Uma pessoa twittou: “E daí? Os telefones são mais importantes que as bananas. As formigas não são tão importantes quanto os patos de banheiro. Clipes de papel são mais importantes que cotovelos”.

(Pelo menos essa foi uma resposta criativa.)

Algumas respostas foram mais pertinentes: “É mesmo? Importante para o que e para quem? A propósito, sou um professor de matemática.”

Não estou argumentando contra a matemática – é uma parte indispensável da grande aventura criativa da mente humana. Ela também está intimamente envolvida com a dinâmica da dança.

Em vez disso, este é um argumento para a equidade na educação da criança como um todo.

Dança nas escolas

Estou falando da igual importância da dança com as outras artes, línguas, matemática, ciências e humanas na educação geral de todas as crianças.

A dança pode ajudar a restaurar a alegria e a estabilidade em vidas problemáticas e aliviar as tensões nas escolas que são interrompidas pela violência e pelo bullying.

O que é dança? É a expressão física de relacionamentos, sentimentos e ideias através de movimento e ritmo.

Ninguém inventou a dança. Está no coração de todas as culturas ao longo da história; a dança faz parte do pulso da humanidade. Abrange vários gêneros, estilos e tradições e está em constante evolução.

Seus papeis variam do recreativo ao sagrado e cobrem todas as formas de propósito social.

Algumas pessoas há muito tempo entenderam que a dança é uma parte essencial da vida e da educação.

Em Dance Education around the World: Perspectives on Dance, Young People and Change, as pesquisadoras Charlotte Svendler Nielsen e Stephanie Burridge reúnem estudos recentes sobre o valor da dança em todos os tipos de cenários: da Finlândia à África do Sul, de Gana a Taiwan, da Nova Zelândia à América.

O baixo status da dança nas escolas deriva, em parte, do alto status do trabalho acadêmico convencional, que associa a inteligência principalmente ao raciocínio verbal e matemático.

Os estudos coletados por Nielsen e Burridge exploram como uma compreensão mais profunda da dança desafia as concepções padrão de inteligência e realização, e mostra o poder transformador do movimento para pessoas de todas as idades e origens.

A dança pode ajudar a restaurar a alegria e a estabilidade em vidas problemáticas e a aliviar as tensões nas escolas interrompidas pela violência e pelo bullying.

Dança nas escolas

Várias empresas de dança profissional oferecem programas para escolas.

Uma delas é a Dancing Classrooms, uma organização sem fins lucrativos com sede em Nova York, que leva a dança de salão para escolas de ensino básico e fundamental em alguns dos distritos mais desafiadores do país.

Usando a dança, a organização visa melhorar as relações sociais, especialmente entre os gêneros, e enriquecer a cultura das escolas, cultivando a colaboração, o respeito e a compaixão.

Fundado em 1994 pelo dançarino Pierre Dulaine, o programa agora oferece a cada escola vinte sessões durante dez semanas, culminando em uma vitrine.

Toni Walker, ex-diretora da Lehigh Elementary School na Flórida, compartilha esta história de trabalhar com a Dancing Classrooms.

“Quando esta jovem veio pela primeira vez a Lehigh, o arquivo dela tinha provavelmente dois dedos de espessura”, lembra Walker. “Ela achava que precisava provar a si mesma e garantir que todos soubessem que ela era forte e lutaria”.

A garota não queria participar do programa de dança de salão… mas a participação não era opcional. Logo, ela descobriu que ela tinha uma habilidade natural.

“Na aula seguinte, ela teve uma atitude um pouco diferente e nós não tivemos que brigar com ela para dançar”, lembra Walker. “Ela apenas entrou na fila.”

Na terceira e quarta lições, diz Walker, a estudante foi transformada:

Ela se comportava de maneira diferente; ela falava de maneira diferente; ela era gentil; ela era respeitosa; ela não teve nenhum [aviso disciplinar], nenhum. Sua mãe não acredita no que via. É incrível. Incrível. O programa é muito maior do que as pessoas entendem.”

Em uma avaliação, 95% dos professores disseram que, como resultado de dançar juntos, a capacidade dos alunos de cooperar e colaborar melhorou.

Leia:  Três maneiras surpreendentes de como a gratidão funciona no trabalho

A educação através da dança tem importantes benefícios para as relações sociais dos estudantes, particularmente entre os gêneros e grupos etários.

Muitas formas de dança, incluindo o salão de baile, são inerentemente sociais. Elas envolvem se mover em sincronia e empatia, com contato físico direto.

Dança nas escolas

Em uma avaliação da Dancing Classrooms na cidade de Nova York, 95% dos professores disseram que, como resultado de dançar juntos, houve uma melhoria demonstrável na capacidade dos alunos de cooperar e colaborar.

Em uma pesquisa em Los Angeles, 66% dos diretores disseram que, depois de participarem do programa, seus alunos mostraram uma maior aceitação dos outros, e 81% dos alunos disseram tratar os outros com mais respeito.

A dança também tem benefícios econômicos. Além de ser uma área de trabalho, a dança promove muitas das qualidades pessoais que os empregadores reconhecem como essenciais em uma força de trabalho colaborativa e adaptável.

Um diretor ficou especialmente impressionado com as melhorias nas notas de leitura e matemática entre seus alunos da quinta série.

“Não há dúvidas sobre o impacto do programa na vida acadêmica de nossos filhos”, diz Lois Habtes, da Emanuel Benjamin Oliver Elementary School nas Ilhas Virgens.

“Quando cheguei aqui, eles tiravam notas baixas. No ano passado – nosso segundo ano no programa – eles chegaram a 83% de acerto. Este ano, nossa quinta série obteve 85% no teste de leitura, a nota mais alta da escola”.

Não é só a dança, é claro. O sucesso do Dancing Classrooms é um exemplo da relação bem documentada entre atividade física e realização educacional.

A tendência na maioria dos distritos escolares dos EUA é cortar a Educação Física e similares em favor do aumento do tempo para matemática, ciências e inglês.

Essas medidas simplesmente não melhoraram as conquistas, como muitos formuladores de políticas imaginaram que fariam.

Um painel de pesquisadores em cinesiologia e pediatria realizou uma revisão maciça de mais de 850 estudos sobre os efeitos da atividade física em crianças em idade escolar.

A maioria dos estudos mediu os efeitos de 30 a 45 minutos de atividade física moderada a vigorosa, de três a cinco dias por semana em muitos fatores – fatores físicos como obesidade, condicionamento cardiovascular, pressão arterial e densidade óssea, bem como depressão, ansiedade, autoconceito e desempenho acadêmico.

Com base em fortes evidências em várias dessas categorias, o painel recomendou firmemente que os alunos participassem de uma hora (ou mais) de atividade física moderada a vigorosa por dia.

Olhando especificamente para o desempenho acadêmico, o painel encontrou fortes evidências para apoiar a conclusão de que “a atividade física tem uma influência positiva na memória, concentração e comportamento em sala de aula”.

A maioria das crianças nas escolas públicas dos EUA recebe alguma educação em música e artes visuais, embora seja irregular.

Mas a dança e o teatro são vistos principalmente como atividades de segunda classe, e as oportunidades nas artes, em geral, são mais baixas para os estudantes em áreas de alta pobreza.

“Ainda há milhões de estudantes que não têm acesso a nenhuma instrução artística. Muitos deles estão em nossas comunidades mais pobres, onde os programas são indiscutivelmente mais necessários”, diz Bob Morrison, fundador e diretor da Quadrant Research.

Não haveria problema em ter milhões de estudantes sem acesso à matemática ou idiomas? Ele pergunta. “Claro que haveria, e isso não deve ser tolerado nas artes”.

um mito persistente de que a educação artística é para os superdotados e talentosos, mas sabemos que as artes beneficiam a todos, independentemente de seus caminhos vocacionais”, diz ele.

Não ensinamos matemática apenas para criar matemáticos e não ensinamos a escrita apenas para criar a próxima geração de romancistas. O mesmo vale para as artes. Nós os ensinamos a criar cidadãos bem preparados que possam aplicar as habilidades, o conhecimento e a experiência de estarem envolvidos nas artes em suas carreiras e vidas”.

Este artigo é uma tradução do Awebic do texto originalmente publicado em Ideas TED escrito por Sir Ken Robinson e Lou Aronica.

Imagens: pexels.com e pixabay.com

Gostou? Compartilhe esse conteúdo com seus amigos que adoram as artes!