in ,

Este é o melhor comercial da Barbie de todos os tempos. Assista e você vai concordar comigo.

E se as meninas fossem livres para pensar que elas podem ser o que quiserem?

É essa pergunta que abre o novo comercial da boneca da Mattel mais famosa do mundo, a Barbie.

A boneca que, por gerações, foi sempre associada à perfeição no que diz respeito aos padrões de beleza americana, vem passando por transformações.

A Mattel, preocupada com o estigma que a boneca vem carregando, provavelmente desde o seu lançamento em abril de 1959, resolveu tentar quebrar o estereótipo lançando versões consideradas mais “realistas”.

Beleza plástica

Em um momento histórico em que o empoderamento feminino vem ganhando mais vozes, o que não faltam são críticas à aparência da Barbie como a conhecemos: branca, magra, loira, olhos azuis, sempre vestida com roupas cor de rosa e com um namorado tão perfeito quanto ela.

A Mattel, ciente da indignação das feministas, decidiu trazer a figura mais famosa do mundo dos brinquedos para mais perto da realidade.

Em junho deste ano a marca lançou uma coleção com 23 bonecas novas. A novidade é que essa coleção veio com oito tons de peles diferentes, 14 rostos com características marcantes, 22 tipos de cabelos e 18 cores de olhos.

A iniciativa recebeu a aprovação de muitas mulheres, mas as queixas a respeito do corpo da boneca continuam.

Imagine as possibilidades

No dia 08 de outubro deste ano, a Mattel lançou mais uma ação para aproximar a boneca das [futuras] mulheres.

A campanha “Imagine the Possibilities” (“Imagine as possibilidades”, em tradução livre) trouxe a nova geração de meninas que não brincam de casinha.


Recomendamos para você:

Avatar

Written by Luciana Caczan

Neta da Palmirinha e Mulher Maravilha no horário comercial. Mãe, esposa, jornalista, repórter e produtora nas horas vagas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

As últimas palavras de 20 famosos antes de morrer

Este guia de 1950 dá 18 dicas para mulheres serem “boas esposas”. A última é um insulto!