Corpo

Veja o que acontece no cérebro de uma criança quando ela aprende a empatia

Um marco notável ocorre em crianças em torno de seus quatro anos de idade: Elas aprendem que outras pessoas podem ter pensamentos diferentes dos delas.

Um estudo recente é o primeiro a examinar as mudanças cerebrais específicas associadas a esse avanço no desenvolvimento.

O novo estudo explorou especificamente as mudanças cerebrais que ocorrem quando uma criança é capaz de reconhecer que outra pessoa acredita que algo que a criança sabe é falso.

Quando as crianças adquirem essa capacidade, elas podem prever melhor o comportamento de outras pessoas e modificar os próprios – como negar um erro que a mamãe não tenha visto ou ajudar um amigo que não conhece as regras de chutar bola.

Reconhecer as falsas crenças dos outros é um passo fundamental no desenvolvimento daquilo que os psicólogos chamam de teoria da mente, a compreensão de que outras pessoas podem ter diferentes pensamentos, crenças, intenções ou perspectivas.

“A Teoria da Mente constitui um papel fundamental para a interação complexa entre indivíduos humanos, incluindo comportamentos como cooperação, comunicação social e moralidade”, escrevem Charlotte Grosse Wiesmann, Jan Schreiber, Tania Singer, Nikolaus Steinbeis e Angela D. Friederici, da Universidade de Leiden e o Instituto Max Planck em seu artigo na Nature Communications sobre o estudo.

Como a substância branca no cérebro relaciona-se com os marcos do desenvolvimento

Cérebro de crianças empáticas

Para procurar as mudanças cerebrais que podem estar por trás do desenvolvimento da teoria da mente por uma criança, Grosse Wiesmann e seus colegas examinaram os cérebros de 43 crianças, de três e quatro anos de idade, usando uma técnica chamada ressonância magnética ponderada por difusão (dMRI), que pode detectar a estrutura e organização da substância branca dentro do cérebro.

A substância branca é composta de fibras nervosas que transmitem mensagens por todo o cérebro.

É branca porque contém uma substância gordurosa chamada mielina, que envolve as fibras nervosas, atuando como um isolante para acelerar as mensagens neuronais.

Os aumentos na mielinização estão intimamente relacionados com vários marcos do desenvolvimento, mas o crescimento das vias da substância branca envolvida na teoria da mente não havia sido explorado em detalhes antes deste estudo.

Além de serem submetidos à ressonância magnética, os pré-escolares também realizaram duas tarefas que testaram sua capacidade de pensar sobre as crenças dos outros.

Na primeira tarefa, foi mostrado à criança e a um fantoche de rato uma caixa vazia e uma pequena bolsa contendo um pedaço de doce. Depois que o rato saiu da sala, o experimentador moveu o doce da sacola para a caixa.

Quando o rato reentrou na sala, a criança foi questionada sobre o que o rato pensaria sobre a localização do doce.

A maioria das crianças de três anos disse que o rato achava que o doce estava na caixa, enquanto os de quatro anos eram mais propensos a perceber que o rato pensaria que o doce ainda estava na bolsa.

Cérebro de crianças empáticas

Para a outra tarefa, foi mostrado à criança uma caixa de chocolate que continha lápis. Quando um fantoche de rato (que estava do lado de fora) entrou na sala e encontrou a caixa fechada, foi perguntado à criança o que o rato pensaria que a caixa continha.

Leia:  3 maneiras de inspirar as crianças a serem mais generosas

Mais uma vez, a maioria das crianças de três anos assumiu que o rato sabia o que elas sabiam. Elas disseram que o rato acreditava que a caixa continha lápis.

As crianças de quatro anos de idade, no entanto, eram mais propensas a perceber que o rato acreditaria que a caixa de chocolate continha chocolates.

Então, o que havia de diferente no cérebro das crianças de quatro anos que permitiam que elas se colocassem no lugar do rato, por assim dizer?

Mapeamento de conexões no cérebro crescente

Os pesquisadores descobriram que a maturação das fibras da substância branca em uma estrutura cerebral chamada fascículo arqueado estava especificamente ligada à capacidade das crianças de reconhecer os pensamentos do rato, mas não a outras habilidades cognitivas em desenvolvimento (que foram testadas por outras tarefas).

Essas fibras conectam partes do lobo temporal, que está envolvido no processamento dos estados mentais de outras pessoas em adultos, com o córtex pré-frontal medial, uma parte do lobo frontal que processa o pensamento abstrato e hierárquico.

“Nossas descobertas mostram que o surgimento [da teoria da mente] está relacionado com a maturação das regiões centrais de processamento de crenças e sua conexão com o córtex pré-frontal”, escrevem os autores.

Embora os pesquisadores especulem que conectar essas duas áreas permite que a criança construa uma representação mental das crenças dos outros, o trabalho futuro precisará examinar até que ponto essa relação é causal.

Uma maneira de fazer isso seria escanear as mesmas crianças várias vezes para ver se o desenvolvimento do fascículo arqueado em uma criança é anterior à sua capacidade de reconhecer as falsas crenças dos outros.

Cérebro de crianças empáticas

Curiosamente, os autores observam que os primatas não humanos têm fascículos arqueados muito fracos.

Os grandes símios, como as crianças mais jovens, podem passar por algumas tarefas de crença falsa, mas parecem não ter a capacidade de formar representações mentais mais explícitas das crenças falsas dos outros.

Este estudo pode esclarecer porque, pelo menos em nível neural.

De fato, a teoria da mente fundamenta alguns dos melhores elementos da humanidade.

Nossa capacidade de demonstrar compaixão e perdão, de cooperar e trabalhar em prol de objetivos comuns e de levar a cabo o raciocínio moral sobre o que é certo e errado, se expande bastante com nossa capacidade de conceituar como as outras pessoas pensam e sentem.

Este estudo fornece novas reflexões sobre como o desenvolvimento do cérebro humano define o cenário para essas habilidades e virtudes sociais essenciais.

Este artigo é uma tradução do Awebic do texto originalmente publicado em Mindful escrito por Summer Allen.

Imagens: pexels.com e pixabay.com

Compartilhe este texto com seus amigos!