Corpo

O maior mito sobre nossos cérebros é que eles são masculinos ou femininos

Daphna Joel já era uma neurocientista estabelecida em 2009, quando optou por lançar um curso de estudos de gênero na Universidade de Tel Aviv.

Enquanto preparava o currículo da aula, ela se interessou profundamente pelos mecanismos pelos quais o gênero é formado.

Sua pesquisa a levou a um experimento feito por um professor da Universidade de Maryland, que demonstrou como as características de certos neurônios em cérebros de animais podem mudar de macho para fêmea, ou vice-versa, quando expostas a um estressor por 15 minutos.

“Percebi que se certas áreas do cérebro pudessem mudar da típica ‘forma feminina’ para a típica ‘forma masculina’ sob estresse, não havia sentido em falar sobre o cérebro feminino e o cérebro masculino”, disse Joel ao Haaretz (paywall).

Na mesma época, Cordelia Fine escreveu Homens não são de Marte, Mulheres não são de Vênus: Como a nossa mente, a sociedade e o neurossexismo criam a diferença entre os sexos, que se tornaria um sucesso, depois de avistar o livro Why Gender Matters, do psicólogo americano Leonard Sax, no jardim de infância de seu filho, na Austrália.

O guia de Sax, diz ela, apresenta como fato a ideia de que “diferenças de sexo inatas no cérebro significam que meninas e meninos devem ser educados de forma diferente”.

Fine havia estudado a estrutura cerebral durante seu trabalho de PhD no Institute of Cognitive Neuroscience da University College London, então ela analisou os estudos citados por Sax.

Ela ficou “chocada com a desconexão entre o que os estudos revelaram e as implicações práticas que foram tiradas deles”.

Subestimamos como leigos e até mesmo pesquisadores frequentemente usam a ciência – e especificamente a neurociência – para “verificar” estereótipos sobre gênero: que os homens são naturalmente mais competitivos, por exemplo, ou que as mulheres estão mais em contato com suas emoções e mais habilidosas em se comunicar.

Tais noções não são apenas acadêmicas, mas difundidas e potentes, influenciando indiretamente a forma como organizamos nossos lares e organizações, sem mencionar o modo como vemos nossos relacionamentos e até nós mesmos.

Recentemente, o ex-engenheiro do Google, James Damore, foi demitido da empresa depois de escrever um memorando criticando os programas de diversidade da empresa, sugerindo que pode haver razões biológicas para as mulheres não serem totalmente representadas na engenharia.

Estudos descobriram que as mulheres se importam mais com as pessoas do que com as coisas, escreveu Damore, que é pós-graduado em biologia e citou estudos da Wikipedia e de instituições conceituadas.

“Quando ouço histórias como a do Google nos noticiários, penso, estamos em 1873 ou 2017?”, diz Kimberly Hamlin, professora de Estudos Americanos na Universidade de Miami.

Hamlin, que é a autora de From Eve to Evolution: Darwin, Science, and Women’s Rights in Gilded Age America, afirma que os mesmos argumentos sobre as habilidades das mulheres continuam sendo reaproveitados com um novo raciocínio natural, porque as explicações “naturalistas” do porquê de poucas mulheres na ciência e na tecnologia são mais fáceis de aceitar do que as estruturas mais complexas.

Mas alguns cientistas acreditam que é hora de questionar a explicação que a biologia evolutiva oferece sobre sexo e gênero: ou seja, de que esse gênero é totalmente pré-programado no útero.

Os biólogos evolucionistas estão por trás de muitas teorias populares que ganharam força fora da academia, como a noção de que nossos cérebros estão “conectados” com as habilidades que nossos ancestrais da Idade da Pedra precisavam para caçar e matar (se somos homens) ou manter as crianças seguras enquanto também preparavam comida (se somos mulheres).

Dentro da neurociência, no entanto, uma rede global de cinco mulheres cientistas está à frente de um movimento para libertar pessoas de todos os gêneros do que eles veem como os limites sexistas da “inerência”.

A questão é se os colegas cientistas os levarão a sério.

O cérebro com gênero

O maior mito sobre nossos cérebros é que eles são masculinos ou femininos

Cordelia Fine, psicóloga, escritora e professora da Universidade de Melbourne, conheceu Rebecca Jordan-Young, cientista interdisciplinar que preside o departamento de estudos sobre sexualidade, mulheres e gênero no Barnard College, em Nova York, em 2010, na conferência inaugural NeuroGenderings.

As duas descobriram, para seu leve horror, que ambas tinham livros sobre o mesmo assunto.

Homens não são de Marte, Mulheres não são de Vênus, de Fine, foi indicado para vários prêmios de livros e nomeado o livro do ano de 2010 pelo The Guardian e pelo Washington Post, e Brainstorm: The Flaws in the Science of Sex Differences, de Jordan-Young, foi chamado de “fascinante e chocante” pelo Los Angeles Times.

A NeuroGenderings foi co-organizada por Anelis Kaiser, neurocientista suíça e professora de estudos de gênero na STEM da Universidade de Freiburg, na Alemanha.

Na segunda conferência, em Viena, dois anos depois, ela ajudou a conectar Daphna Joel, professora de psicologia e neurociência da Universidade de Tel Aviv, em Israel, e Gina Rippon, professora de neuroimagem cognitiva da Aston University, no Reino Unido, à Fine e Jordan-Young.

Hoje, essas cinco pesquisadoras, embora ainda trabalhando de forma independente, também unem forças em duplas ou em grupo para escrever artigos para a imprensa científica e popular e para responder a questões públicas sobre gênero e neurociência, explicando as muitas maneiras pelas quais os estudos neurocientíficos e seus títulos tentadores são enganosos ou mal interpretados.

Quando o memorando de Damore no Google assumiu o ciclo de notícias, por exemplo, os cientistas foram contatados por repórteres de todo o mundo.

Nas anotações de Joel para os repórteres espanhóis, que ela compartilhou com o Quartz, ela escreveu:

Estudos frequentemente encontram diferenças entre mulheres e homens em tarefas cognitivas específicas, características de personalidade, interesses e atitudes. No entanto, muitas dessas diferenças são muito pequenas; e algumas das diferenças são diferentes em diferentes sociedades (por exemplo, em alguns países os meninos se saem melhor, em média, em matemática, enquanto em outros países, as meninas se saem melhor.)”

Além disso, muitas lacunas de gênero podem ser eliminadas com o treinamento, acrescentou ela, um ponto que a Rippon também fez ao Guardian.

Com alguma prática, jogando o tipo certo de videogame, as mulheres podem aumentar suas habilidades de raciocínio espacial para coincidir com a de meninos.

Rippon e outros também chamaram a atenção para a plasticidade cerebral, o que complica as evidências dos exames de imagens cerebrais, já que homens e mulheres estão sobrecarregados com expectativas de gênero desde a infância e desenvolvem habilidades e tendências comportamentais de acordo.

Esses comportamentos aprendidos podem ser responsáveis ​​por literalmente mudar a forma de certas estruturas no cérebro, da mesma forma que a memorização das ruas de Londres altera a estrutura física do hipocampo dos taxistas, a área do cérebro associada à memória.

Talvez o mais importante, estudos também mostraram que preconceitos de gênero existem dentro da ciência, e as suposições implícitas de um pesquisador podem informar os métodos e a linguagem que eles usam para construir um estudo.

A afirmação de Damore em seu memorando de que “as mulheres, em média, mostram um interesse maior em pessoas, e homens, nas coisas” é um exemplo oportuno de como isso acontece, Fine escreve para Quartz.

Ela explica que as meta-análise de pesquisas de interesse profissional mostraram que 80% dos homens estão mais interessados ​​em “coisas”, em comparação com a mulher média.

Mas alguns psicólogos que estudaram tais pesquisas as consideram problemáticas, porque as “coisas” que eles incluem são frequentemente associadas aos homens – as pesquisas não tentam avaliar o interesse de um sujeito em, digamos, desmontar e remontar um vestido.

Tais preocupações tornam óbvio que a cultura e a biologia não podem ser desembaraçadas, de acordo com Daphna Joel.

Em estudos que encontram diferenças entre os sexos, “não há como provar que essas diferenças têm uma base inata, porque os estudos são conduzidos em adultos, que viveram toda a sua vida em uma sociedade altamente marcada por gênero”.

O modelo cerebral do mosaico

O maior mito sobre nossos cérebros é que eles são masculinos ou femininos

Pergunte a Joel qual é o mito mais persistente sobre os cérebros de homens e mulheres e ela diz: “que eles existem”. E é um problema que tem “um papel muito importante na manutenção de nossa estrutura social”.

O mito perdura, Joel propõe, porque assumimos que, como os humanos têm dois sistemas reprodutivos separados (com pouquíssimas exceções) e que os hormônios sexuais também desempenham um papel no desenvolvimento do cérebro (em ambos os sexos), precisamos ter dois cérebros separados.

“O que meu trabalho mostrou, primeiro com base em dados de animais e depois no cérebro humano, é que o próximo passo é injustificado”, diz Joel. “Não é uma conclusão lógica e não é a única possibilidade.”

Há muitos estudos que mostram que os hormônios sexuais afetam o cérebro, e que há algumas diferenças entre os cérebros masculino e feminino – por exemplo, em média, as mulheres têm mais massa cinzenta que os homens.

O que não é comprovado, segundo Joel, “é que esses efeitos se somam para criar dois tipos de cérebro: masculino e feminino”.

Essa foi a conclusão suprema de seu recente artigo, “Sexo além da genitália: o mosaico do cérebro humano”, que ela escreveu com uma equipe de neurocientistas e publicou em 2015.

Leia:  Filhos herdam inteligência da mãe (e não do pai), aponta estudo

Na meta-análise, os cientistas compararam os cérebros de 1.400 homens e mulheres, analisando o volume, as conexões e outras características físicas das estruturas cerebrais.

Embora houvesse algumas diferenças extremas em indivíduos fora da curva de ambos os sexos, eles descobriram que, em um nível individual, o cérebro continha um mosaico tanto de características congruentes com o sexo quanto incongruentes com o sexo.

Por exemplo, o hipocampo esquerdo, associado à memória, era mais frequente nos cérebros masculinos, mas era comum uma mulher com hipocampo esquerdo grande.

Dependendo da amostra, 23% a 53% dos cérebros continham uma mistura de traços “tipicamente masculinos” e “tipicamente femininos”, enquanto apenas zero a 8% dos indivíduos tinham cérebros “totalmente masculinos” ou “totalmente femininos”.

O mesmo se aplica ao gênero em relação a traços e interesses de personalidade – como organizar álbum de fotos ou o uso de videogames – que Joel também analisou em uma meta-análise de três conjuntos de dados para o mesmo estudo.

“A única coisa que você pode dizer é que mais mulheres têm características mais femininas do que masculinas e mais homens têm características masculinas, em média, do que mulheres”, diz Joel.

Para ela, no entanto, “realmente não importa quantas dessas características você tenha. A questão é: quem é você?”

No The Guardian, Joel e Fine resumiram poeticamente as questões metafísicas colocadas pelo modelo do cérebro do mosaico:

Qual dos muitos mosaicos que os homens exibem deve ser considerado a natureza masculina? É um perfil de pura masculinidade que parece existir na realidade?

Ou é hora de abandonar o pensamento binário e celebrar o fato de que existem muitas maneiras diferentes de ser homem, ser mulher, ser humano?

Uma crítica comum: isso é político

O maior mito sobre nossos cérebros é que eles são masculinos ou femininos

Embora os cientistas tenham encontrado apoio de dentro da comunidade científica, e não estejam sozinhos em suas conclusões, eles também são frequentemente rejeitados por biólogos evolucionistas, que acreditam que o gênero é inato, e seus apoiadores.

Jordan-Young se lembra de ter enfrentado acadêmicos de “cara roxa” em uma conferência onde, como palestrante principal, ela apresentou suas descobertas do Brainstorm.

Para esse livro, Jordan-Young, que tem um interesse especial em metodologia de pesquisa, analisou meticulosamente centenas de estudos sobre o “paradigma organizacional do cérebro”, que, como explica ao Quartz, propõe “que o cérebro é essencialmente organizado para ser mais masculino ou feminino pelo grau de exposição à testosterona no útero.”

Em seu exame dos estudos, no entanto, ela descobriu que essa tese não era apoiada por nenhum corpo coeso de pesquisa.

Uma queixa comum entre os críticos dos cientistas é que seu trabalho é movido pela ideologia e que as mulheres estão usando argumentos sobre a neurociência para desfazer desigualdades de gênero.

“A ciência da base neurobiológica das diferenças sexuais comportamentais é objetiva”, brinca Fine, “enquanto qualquer crítica dessa ciência é ideológica”.

Essa atitude “não é apenas uma visão muito ingênua da ciência”, acrescenta ela, “é também altamente contraproducente para o progresso científico”.

Trabalhando na Europa, Kaiser diz que seus motivos dentro do laboratório também são questionados, uma consequência de ser aberta sobre seus valores feministas. “Somos ‘as outras’”, diz ela ao Quartz.

“Quando você trabalha com ideias normativas, não precisa usar rótulos”, diz ela, o que cria a ilusão de que os cientistas estão trabalhando sem um sistema de crença subjacente.

“Eu tento explicar isso quando me perguntam se sou uma ideóloga ou não: talvez sejamos, mas todos nós somos.”

Joel diz que seu primeiro artigo sobre o mosaico cerebral foi rejeitado pelos principais periódicos: os editores disseram a ela que o tópico não era de interesse geral. Depois de um ano de rejeições, ela enviou para um periódico de acesso aberto.

Seu segundo trabalho, publicado na PNAS, foi recebido com entusiasmo da mídia e do público, recebendo cobertura em todo o mundo, mas foi duramente criticado de maneiras que ela diz achar sexista em algumas redes profissionais.

O oponente mais vocal dos cientistas pode ser Larry Cahill, professor de neurobiologia da Universidade da Califórnia, em Irvine, que escreveu sobre a pesquisa das mulheres em “Equal ≠ The Same: Sex Differences in the Human Brain”, um ensaio publicado pela Dana Foundation, uma organização filantrópica privada que financia a pesquisa do cérebro, em 2014.

Ele chamou cientistas como Joel, Rippon, Fine, Jordan-Young e Kaiser, de “diferenças antissexo”, e expressou preocupação de que elas estivessem com medo de encontrar uma distinção entre cérebros masculinos e femininos, pois de alguma forma significaria que homens e mulheres não são iguais.

Em contraste, ele diz ao Quartz, seu trabalho nos últimos 17 anos tem sido focado em definir diferenças sexuais no cérebro – que ele diz existir em todos os níveis e variar em tamanho – porque a neurociência vinha tratando cérebros masculinos e femininos como se fossem o mesmo.

Ele diz que essa visão coloca as mulheres em risco de doenças, como a doença de Alzheimer, que se manifestam de forma diferente em homens e mulheres.

Cahill também afirma que, sim, o cérebro é plástico, mas apenas dentro de certas limitações, e que a razão pela qual o estudo de Joel não encontrou dois gêneros categóricos foi porque sua definição de “consistência interna” era extrema, uma afirmação também feita por um grupo diferente de pesquisadores em um estudo descrito em uma carta à PNAS.

“É uma piada”, diz ele. “Eu gostaria que as pessoas lessem os dois artigos e chegassem às suas próprias conclusões.”

Joel, por sua vez, respondeu à equipe de pesquisadores que desafiou sua definição de consistência interna.

Ela diz que os dados realmente validaram suas descobertas, mas foram apresentadas de uma forma que “atesta mais a sua agenda política do que ao desejo de avançar na ciência”.

E juntas, as cinco mulheres escreveram uma resposta detalhada às críticas de Cahill, esclarecendo que elas “não são ‘a favor’ nem ‘contra’ diferenças de sexo (ou similaridades sexuais, aliás)” e propõem que “focar apenas em semelhanças ou diferenças é enganador”.

Elas enfatizaram os pontos com os quais concordaram com Cahill, particularmente em termos de sexo e desenvolvimento cerebral, mas insistiram que:

Precisamos desenvolver uma nova estrutura para pensar a relação entre sexo, cérebro e gênero que melhor se adapte ao conhecimento atual, e que leva em consideração distribuições, mudanças, sobreposição, variância e, acima de tudo, contexto”.

O irrelevante cérebro com gênero

O maior mito sobre nossos cérebros é que eles são masculinos ou femininos

Os neurocientistas estão começando a integrar ideias sobre cultura em suas pesquisas, de acordo com Fine, que diz estar se sentindo positiva sobre a direção que a ciência está tomando.

Em seu novo livro sobre mulheres na ciência, a jornalista britânica Angela Saini fala com Paul Matthews, um neurocientista do Imperial College de Londres, que concorda com Joel e outros, dizendo:

“Há muita variabilidade nos cérebros individuais. De fato, a variabilidade anatômica é muito maior do que jamais imaginamos antes. Portanto, a noção de que todas as pessoas do sexo masculino têm um cérebro com características fixas que são invariantes parece menos provável para mim. Na verdade, é muito menos provável que eu ache que a noção de tentar caracterizar partes do cérebro como mais masculinas ou mais femininas não é realmente útil”.

Quanto à questão de saber se certas características que chamamos de “masculinas” ou “femininas” (pelo menos no Ocidente) são determinadas pela biologia ou socialização, Joel diz que não sabe ao certo por que os cientistas ou o público são tão cativados por ela.

“A questão não me interessa, porque não podemos responder”, diz ela.

Também é irrelevante em termos da maneira como a sociedade deve operar, diz ela.

Por exemplo, se uma criança não consegue ler, nós damos a ela lições extras e encontramos maneiras de ajudá-la a melhorar. “Não dizemos que é biológico, por isso deve ser natural e bom para a criança”, diz Joel. “Da mesma forma, não celebramos a agressão apenas porque é natural”.

“Se achamos que a empatia é uma grande característica e que alguém não é empático por natureza, nós os ajudamos a melhorar suas habilidades empáticas. Não é: “ela não é empática, então vamos ajudá-la”, mas “ele não é empático, mas tudo bem, ele é um menino”, diz ela.

“O que a sociedade precisa decidir é quais virtudes ou características gostaríamos de encorajar.”

Quanto ao arco de pesquisa, Hamlin diz que, historicamente, na maioria das vezes, mulheres cientistas montaram estudos cuidadosos e convincentes para desmantelar lentamente ideias infundadas e prejudiciais sobre estereótipos de gênero, que a ciência não está imune, apesar das metas objetivas do campo.

Essas pesquisadoras acreditam que, no final, o poder da ciência descobrirá a verdade – se outros cientistas apenas permitirem isso.

Este artigo é uma tradução do Awebic do texto originalmente publicado em Quartz, escrito por Lila MacLellan.

Imagens: pexels.com e pixabay.com

Gostou do conteúdo? Então comente e compartilhe-o com seus amigos