Alma

O que acontece quando você busca entender suas emoções ruins

Quando eu tinha 15 anos, minha mãe morreu em um acidente de carro.

Não sabendo como lidar com o tamanho da minha perda e da minha dor, eu me joguei em lições de casa e outras atividades, nunca perdia um dia de escola e tentava controlar tudo na minha vida.

Essa estratégia teve sucesso em alguns aspectos — consegui boas notas, por exemplo.

Mas o custo interno de afastar meu luto e minha tristeza apareceu de outras maneiras.

emoções ruins como lidar

Crédito: Luiz Clas | Pexels.

Fiquei ansiosa em torno de coisas que não conseguia controlar, como mudanças inesperadas de planos e ferimentos leves.

E à medida que envelhecia, comecei a nutrir preocupações irracionais — como o medo de expor meu bebê, ainda no útero, a gases tóxicos ao passar por um cheiro estranho.

Isso não foi até o nascimento do meu primeiro filho, com a ajuda de um terapeuta, pude lamentar completamente a perda da minha mãe e sentir todas as emoções que passei tantos anos tentando afastar.

Como eu escrevo em meu novo livro, Dançando na corda bamba, o desejo de evitar o que é desagradável (e buscar o que é agradável) é parte da natureza humana.

Mas evitar emoções desagradáveis -​​- em vez de aceitá-las — apenas aumenta nossa angústia psicológica, inflexibilidade, ansiedade e depressão, diminuindo nosso bem-estar.

A pesquisa sugere que quando olhamos para:

  • os nossos desejos, é menos provável que nos envolvamos em comportamentos de dependência;
  • a nossa dor física, é menos provável que fiquemos presos em ciclos de dor crônica;
  • a nossa tristeza, é menos provável que ficamos presos na depressão;
  • a nossa ansiedade, é menos provável que sejamos paralisados ​​por ela e possamos encontrá-la mais fácil de suportar. 

Aprender a abraçar as emoções ruins trouxe não apenas uma redução significativa em minha ansiedade, mas uma capacidade de experimentar as alegrias da vida mais plenamente e uma crescente confiança em minha capacidade de lidar com os desafios da vida.

Como terapeuta, também tenho visto uma cura tremenda em meus pacientes, pois eles aprenderam a abraçar suas emoções mais difíceis.

Se quisermos viver mais plenamente e sermos o nosso eu mais autêntico, precisamos nos voltar para nossa dor, não tentar suprimi-la.

Mas o que pode nos ajudar a chegar lá?

As ferramentas de atenção consciente, auto-compaixão e aceitação — que se juntam em uma prática que eu chamo de “a porta”.

Para fazer essa prática, certifique-se de começar com emoções que não sejam muito intensas; você pode querer trabalhar com um terapeuta qualificado, especialmente para emoções mais intensas.

Veja envolve a prática “a porta”.

Passo 1: Desenvolva a vontade de abrir a porta

Imagine que você está abrindo uma porta e dando as boas-vindas as suas emoções, convidando-as para vir e se sentar na sala.

Você pode imaginar este assento perto ou longe de você , como quiser.

Dessa forma, você pode dar uma olhada suave e curiosa no que está ali, no que acabou de entrar pela porta.

Muitas vezes as pessoas imaginam suas emoções como tendo algum tipo de cor, forma ou contorno; às vezes eles visualizam suas emoções como personagens de desenho animado ou como partes mais jovens de si mesmos.

Parte da prática é simplesmente aceitar o que quer que seja.

Esta é uma nova experiência para a maioria das pessoas.

Quem quer deixar a ansiedade passar pela porta?

Quem quer receber a tristeza ou a raiva?

Mas quando deixamos entrar o que quer que seja e o vemos de longe, podemos dar uma olhada curiosa e explorar o que está lá.

Leia:  A beleza de não fazer nada

Passo 2: Dê uma olhada curiosa em qualquer coisa que passe pela porta

Observar atentamente o que estamos sentindo pode nos ajudar a lidar com o que está diante de nós.

Pode ser útil nomear nossos sentimentos (ei, isso é dor; isso é ciúme; isso é raiva) porque, por mais simples que isso possa soar, muitas vezes não prestamos atenção às nuances do que estamos sentindo; conseqüentemente, informações importantes se perdem ao longo do caminho.

Rotular nossas emoções angustiantes nos dá uma maneira de validar nossa experiência interior, mas tem o benefício adicional de reduzir sua intensidade.

Também pode ser benéfico ver nossos “visitantes” emocionais como convidados temporários.

Adicionando a frase “neste momento” a uma declaração como “estou estressada, com raiva ou mágoa” pode nos ajudar a estar com o que está lá sem se sentir sobrecarregado.

Outras coisas que você pode dizer para si mesmo incluem:

Posso me permitir perceber como isso está aparecendo no meu corpo e nos meus pensamentos?

Se esse sentimento ou parte de mim pudesse falar, o que isso poderia dizer?
O que poderia querer ou precisar?

Ser curioso, em vez de ter medo e temer ou rejeitar, fornece uma lente melhor para entender seus sentimentos.

Passo 3: Dê a si mesmo o dom da compaixão

Além de afastar sentimentos desconfortáveis, muitos de nós fomos condicionados a julgar nossas emoções de maneiras negativas.

Aprendemos que, se mostramos tristeza, é um sinal de fraqueza; que somos uma pessoa má se sentimos raiva ou ciúme; que devemos “seguir em frente” quando experimentamos a perda.

Quando nos deparamos com emoções difíceis, muitas vezes dizemos a nós mesmos para parar de ser bobos ou que há algo errado conosco.

Quando praticamos mindfulness em combinação com auto-bondade e um reconhecimento de nossa humanidade comum (o fato de que todos nós sofremos como seres humanos), cultivamos a autocompaixão , uma qualidade que tem sido associada ao bem-estar psicológico.

Para praticar a autocompaixão, imagine-se sentado com um bom amigo que está sofrendo e pense em como você pode estender um gesto de compaixão.

Como seria sua linguagem corporal?

Como você ouve?

Que sensações você sentiria ao redor do seu coração?

Agora imagine essa pessoa estendendo a compaixão para você.

O que ela pode dizer ou fazer?

Que palavras você acharia reconfortantes ou calmantes?

As possibilidades são, ela não estar dizendo a você para parar essa emoção ou que você não deveria estar se sentindo assim.

Ela pode dizer: “Isso parece muito difícil. Estou aqui por você.” Ou talvez ela simplesmente estenda a mão.

Quando podemos aprender a nos sentar conscientemente com nossas próprias emoções e trazer compaixão a tudo o que estamos vivenciando, é como se nos tornássemos esse amigo atencioso.

Aprender a estar lá por nós mesmos, através dos momentos positivos e dolorosos, pode ser tremendamente curativo.

Enquanto abraçar nossas emoções sombrias requer coragem e prática, usar a técnica da porta nos permite abrir um presente do outro lado.

Cada vez que praticamos estar com nossas emoções difíceis, desenvolvemos recursos internos, aprendemos a confiar em nossa capacidade de lidar com nossas experiências, desenvolver resiliência para superar os desafios da vida e encontrar maneiras de buscar o que realmente importa.

Cada um de nós tem o poder de enfrentar o que é difícil, se apenas abrirmos a porta.

___

Este texto foi publicado originalmente no Greater Good Magazine, por Beth Kurland. Adaptação feita por Awebic. Saiba mais sobre o trabalho de Kurland aqui.